• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Daiane Barros Dias Mendonça
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Lindoso, José Angelo Lauletta (Presidente)
Benard, Gil
Laurenti, Marcia Dalastra
Oliveira, Joanna Reis Santos de
Título em português
Análise do microbioma de bactérias de luz intestinal de hamsteres e sua correlação com LPS circulante, decorrente da translocação microbiana na leishmaniose visceral experimental
Palavras-chave em português
Comportamento animal
Hamsters
Infecção experimental
Microbiologia
Parasitologia
Protozoologia
Resumo em português
A leishmaniose visceral, na sua forma clinica ativa, caracteriza-se por febre de longa duração, hepatoesplenomegalia e caquexia. No Brasil, a letalidade é, em média, de 7% e as principais causas de morte são: hemorragia, comorbidade com doenças imunossupressoras e infecção bacteriana. O mecanismo de aumento de infecção bacteriana na LV não está claro e uma das hipóteses, é que pode haver translocação bacteriana da mucosa intestinal para o lúmen dos vasos sanguíneos e ocasionar uma maior severidade da resposta imuno-inflamatória e com consequente piora clínica. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ocorrência de translocação microbiana em hamsteres infectados experimentalmente com Leishmania (L.) infantum e correlacionar com as alterações histopatológicas encontradas no intestino dos animais infectados. Hamsteres (Mesocricetus auratus) foram infectados intraperitonealmente com 2x107 amastigotas de L. (L.) infantum e eutanasiados após 48, 72 horas e 15, 45 e 90 dias de infecção. Como grupo controle foram utilizados hamsteres inoculados intraperitonealmente com meio de cultura RPMI. Foram coletados: sangue, fezes, baço, intestinos grosso e delgado. Para detecção de amastigotas na mucosa intestinal, foi utilizada a técnica de PCR em tempo real (qPCR), imunohistoquímica e análise histopatológica, sendo que nesta técnica também foram avaliadas alterações histológicas no tecido intestinal. O baço foi utilizado para determinar a carga parasitária através da técnica de Stauber. Para detecção da translocação microbiana ou produtos desde, foi realizada a quantificação de lipopolissacarídeo (LPS) em plasma. Para avaliar a possível mudança da flora bacteriana intestinal, foi realizado sequenciamento bacteriano de amostra de fezes de hamsteres controles e infectados nos vários tempos de infecção. Observamos aumento da carga parasitária em baço e em intestino com o decorrer da infecção, sendo a diferença significativa aos 90 dias de infecção. Paralelamente, observamos aumento de LPS circulante nos animais infectados em diferentes tempos, 48 horas, 72 horas, 45 dias e 90 dias, com diminuição no período intermediário de 15 dias, porém com diferença significante somente aos 90 dias após a infecção em relação ao grupo controle. Alterações histopatológicas foram observadas no intestino grosso e delgado, variando de infiltrado inflamatório leve a grave, enterite, histiocitose e ainda presença de amastigotas. As alterações observadas ocorreram a partir de 48 horas de infecção, diferenciando a população do infiltrado inflamatório entre neutrófilos, linfócitos, e ainda eosinófilos em intestino grosso de animais com 90 dias de infecção. O sequenciamento de DNA bacteriano das fezes mostra que houve alteração no microbioma dos animais, porém não há identidade significante, ou seja, acima de 95% na maioria das bactérias. Concluímos que as alterações de histologia da mucosa, a invasão de amastigotas neste tecido e o aumento do LPS, sugerem que a translocação microbiana é um evento ocorrente durante a infecção por L. (L.) infantum neste modelo experimental.
Título em inglês
Microbial analysis of intestinal light bacteria of hamsters and their correlation with circulating LPS, due to microbial translocation in experimental visceral leishmaniasis
Palavras-chave em inglês
Animal behavior
Experimental infection
Hamsters
Microbiology
Parasitology
Protozoology
Resumo em inglês
Visceral leishmaniasis, in its active clinical form, is characterized by long-lasting fever, hepatosplenomegaly and cachexia. In Brazil, the lethality is, on average, 7% and the main causes of death are hemorrhage, comorbidity with immunosuppressive diseases and bacterial infection. The mechanism of increased bacterial infection in LV is unclear and one of the hypotheses is that there may be bacterial translocation of the intestinal mucosa to the lumen of the blood vessels and cause a greater severity of the immune-inflammatory response and consequent clinical worsening. The objective of this work was evaluate the occurrence of microbial translocation in Leishmania (L.) infantum infected-hamsters and correlate with the histopathological changes found in the gut of infected animals. Hamsters (Mesocricetus auratus) were infected intraperitoneally with 2x107 amastigotes of L. (L.) infantum and euthanized after 48, 72 hours and 15, 45 and 90 days of infection. As a control group, hamsters were inoculated intraperitoneally with RPMI culture medium. Were collected: blood, feces, spleen, large and small intestines. To detection amastigotes in intestinal mucosa, real-time PCR (qPCR), immunohistochemistry and histopathological analysis were used, and histological alterations in intestinal tissue were also evaluated. Spleen was used to determine the parasitic load through the Stauber technique. To detection of microbial translocation or products related, was performed quantification of lipopolysaccharide (LPS) in plasma. In order to evaluate the possible change in intestinal bacterial flora, bacterial sequencing of sample faeces from control and infected hamsters was carried. We observed increased parasite load on spleen and intestine as the infection progressed, the difference being significant at 90 days of infection. At the same time, we observed increased circulating LPS in infected animals at different times, 48 hours, 72 hours, 45 days and 90 days, with decrease in the intermediate period of 15 days, howeversignificant difference was observed only at 90 days post-infection in relation to control group. Histopathological changes were observed in the large and small intestine, ranging from mild to severe inflammatory infiltrate, enteritis, histiocytosis, and amastigotes. The changes occurred from 48 hours of infection, differentiating the population of the inflammatory infiltrate between neutrophils, lymphocytes, and even eosinophils in the large intestine of animals with 90 days of infection. |Bacterial sequencing shows that there was a change in the microbiome of the animals, but there is no significant identity, ie, above 95% in most bacteria. We conclude that changes in mucosal histology, invasion of amastigotes in this tissue and increase in LPS, suggest that microbial translocation is an event occurring during L. (L.) infantum infection in this experimental model.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-01-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.