• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.81.2014.tde-20072015-115904
Documento
Autor
Nome completo
José Osvaldo Xavier de Souza Filho
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Menezes, Luis Carlos de (Presidente)
Ghanem Junior, Elie George Guimaraes
Zanetic, Joao
Título em português
Escola e emancipação: um papel para as ciências?
Palavras-chave em português
Educação de resistência
Emancipação
Questionamento
Resumo em português
Este trabalho discute a relação entre escola e emancipação, mais especificamente, o papel da dúvida e do questionamento no ensino de ciências e a emancipação de sujeitos. Para tanto, analisa e explicita o currículo e o trabalho de experiências escolares de resistência (SINGER, 2010) na área de ciências da natureza. Estas escolas trabalham com abordagens democráticas em suas rotinas. Analisou-se, principalmente: EMEF Desembargador Amorim Lima e Escola Politeia, no Brasil e Escola da Ponte, em Portugal. Utilizar-se-á a abordagem de pesquisa-ação, mais coerente com a proposta deste trabalho e das escolas, inserido em relação dialética nos espaços educacionais nos quais se atuará, flexibilizando a neutralidade analítica, planejando e avaliando constantemente, sem cisões claras entre investigação e atuação. Investigar questões curriculares em escolas deste tipo pode revelar importantes referências para o ensino em geral, particularmente, o de ciências, como a forma pela qual o conhecimento é construído pelos(as) estudantes em um currículo de arquitetura aberta, onde o conteúdo, muitas vezes, parte do próprio interesse deles(as). Realizou-se observações sistemáticas das rotinas escolares, além de conversas formais e informais com estudantes, professores(as) e coordenadoras, participando das atividades escolares como forma de intervenção. Analisar-se-á os currículos oficiais aos quais essas escolas estão submetidas e os documentos escolares, para perceber as relações entre os conceitos e procedimentos propostos pelos documentos e as formas de trabalho de cada escola. O termo resistência tratado aqui aparece em sentido amplo, como movimento que enfrenta os modelos tradicionais de educação. Segundo Foucault (1979), o poder e a resistência se dão nas relações sociais. Onde existe uma relação de poder, existe também uma resistência. Assim, esta ideia de resistência relaciona-se ao poder criado na relação escola-sociedade. A partir desta resistência, estas escolas apresentam mecanismos usados para promover: (i) autonomia dos(a) estudantes frente ao conhecimento e sua construção; (ii) postura cidadã, política e crítica dos(as) estudantes frente à sociedade; (iii) liberdade com responsabilidade e (iv) tempos individuais de aprendizado. O eixo orientador deste trabalho é o questionamento em ciências naturais, ou seja, o exercício da dúvida. Como estas escolas trabalham a dúvida? Como o questionamento pode ser produtor de conhecimento? Este ato de questionamento pode ser emancipatório?
Título em inglês
School and emancipation: a role for science ?
Palavras-chave em inglês
Emancipation
Questioning
Resistance Education
Resumo em inglês
This work discusses the relationship between school and emancipation, more specifically, the role of doubt and questioning in science education and the emancipation of individuals. It analyzes and exposes the curriculum and the work of experiences in schools of resistance (SINGER, 2010) in the area of natural sciences. These schools work with democratic approaches in their routines. Three schools were analyzed: EMEF Desembargador Amorim Lima and Escola Politeia, in Brazil and Escola da Ponte, in Portugal. This work will use an approach of action research, more consistent with the purpose of the work and of the schools, set in a dialectical relationship in educational spaces where the work will take place, through flexible analytical neutrality, planning and evaluating constantly, without clear divisions between research and action. Investigating curricular issues in schools of this type can reveal important references to education in general and particularly for the teaching of science, such as the manner in which knowledge is constructed by the students in an open architecture curriculum, where content often comes from the interest of the students. Systematic observations of school routines will be performed, as well as formal and informal conversations with students, teachers and coordinators, participating in school activities as an intervention. The official curricula, to which these schools are submitted to, as well as school documents will be analyzed to understand the relationships between concepts and procedures proposed by the documents and forms of work of each school. The term resistance used here appears in a broad sense as a movement facing the traditional models of education. According to Foucault (1979), power and resistance are given in social relations. Therefore this idea of resistance is related to the power created in the school-society relationship. From this resistance, these schools have mechanisms used to promote: (i) autonomy of the students with knowledge and its construction; (ii) citizen posture, political and critical, of the students before society; (iii) freedom with responsibility and (iv) individual learning times. The guiding principle of this work is the questioning in the natural sciences, ie, the exercise of the doubt. How do these schools work with questionings? How can the act of questioning be a producer of knowledge? Can the act of questioning be emancipatory?
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-07-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.