• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2018.tde-26062018-133139
Documento
Autor
Nome completo
Bruno Henrique Coelho
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Macêdo, Tania Celestino de (Presidente)
Can, Nazir Ahmed
Silva, Rejane Vecchia da Rocha e
Valentim, Jorge Vicente
Título em português
Luuanda delenda est: a destruição literária da cidade de Luanda em Os transparentes, de Ondjaki
Palavras-chave em português
Arquétipos
Destruição
Luanda
Ondjaki
Os transparentes
Resumo em português
Nas escusas veredas da Luanda contemporânea edificada no romance Os transparentes (2013), de Ondjaki, todos os caminhos, desde o começo, parecem apontar para uma única solução possível: a destruição. Analisaremos por que a cidade do romance deve ser destruída, a começar pela construção histórica desse arquétipo, de acordo com Northrop Frye. A ocorrência estética desse temário poderá ser constatada na forma romanesca, consoante as formulações de Bakhtin, evidenciando o caráter vivo e moderno do romance em questão, bem como a categoria de cronotopo ocupada pela cidade. Esse caminho será percorrido, com um recuo para investigar o lugar deste livro no pós-Independência, até chegar às causas da destruição presentes nos subterrâneos da sociedade, que enfraquecem os alicerces de Luanda na narrativa, e fazem-na ser consumida pelo fogo quase impiedoso ateado pelas mãos daqueles que estão às voltas com o poder político-econômico e que fazem da cidade viva da narrativa um lugar de embates, uma zona de contato, como será discutido nas considerações finais.
Título em inglês
Luuanda delenda est: literary destruction of Luanda, in Os transparentes, by Ondjaki
Palavras-chave em inglês
Archetypes
Destruction
Luanda
Ondjaki
Os transparentes
Resumo em inglês
Considering the misleading paths in a contemporary Luanda built in Ondjaki's novel Os transparentes (2013), all the ways, from the very beginning, seem to point to a single possible solution: destruction. We will analyze why the city in the novel "has to" be destroyed, beginning with the historical construction of this archetype, according to Northrop Frye. The aesthetic occurrence of this subject can be verified in the romanesque form, according to the formulations of Bakhtin, which highlights the living and modern character of the novel to be considered as well as the category of chronotope occupied by the city. This path will be taken by using a retreat to investigate the place of this book in the so-called post-Independence moment, until the reasons for the destruction present in the essence of the society are known, being these very same destructions the ones that weakened the structures of Luanda in the narrative, and that made it to be consumed by the merciless fire fought by the hands of those who are dealing with political-economic power and who make the living city of the narrative a place of clashes, as well as zone of contact, as it will be discussed in the final considerations.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-06-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.