• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2012.tde-08012013-161300
Documento
Autor
Nome completo
Raquel Vieira Parrine Sant'Ana
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Natali, Marcos Piason (Presidente)
D'Angelo, Biagio
Thomaz, Paulo Cesar
Título em português
Contradições do detetive: a literatura policial como problema para a teoria literária em obras de Machado de Assis, Jorge Luis Borges e Roberto Bolaño
Palavras-chave em português
Alteridade
Detetive
Enigma
Literatura policial
Segredo
Resumo em português
Este estudo parte de uma visão teórica da literatura policial para analisar obras de três escritores latino-americanos: Machado de Assis, Jorge Luis Borges e Roberto Bolaño. O objetivo é fornecer um novo subsídio teórico para a leitura destes autores e, por outro lado, aprofundar a visão sobre o gênero policial no Brasil, ampliando, a partir dele, as discussões relacionadas à teoria literária. A causa secreta é um conto contemporâneo ao marco do nascimento do gênero policial nos Estados Unidos, com Edgar Allan Poe. Neste momento em que a literatura policial ainda não está consolidada, Machado de Assis cria também um personagem apaixonado pela análise dos caracteres humanos, o médico Garcia. Desde o título, como nos livros policiais, o leitor está procurando um segredo, cuja solução depende de sua confiança na autoridade narrativa, mas, em última análise, nunca pode ser realmente liquidado, porque nele reside o enigma fundamental da literatura: a impossibilidade de apropriação do Outro. Em El jardín de senderos que se bifurcan, Jorge Luis Borges usa o gênero para travar uma discussão sobre o tempo na narrativa e revolve o relato sobre si mesmo, usando uma autoinserção temporal. Foi considerado, assim, uma subversão na medida em que, pretensamente, destrói as balizas de gênero. Entretanto, segundo Jacques Derrida, um gênero é formado não só de marcas que identificam uma obra com a outra, mas também por alterações dentro da forma, que aumentam os limites genéricos. Desta forma, Borges, do ponto de vista da literatura policial, ajuda a criar um novo subgênero, o policial metafísico. Desde a perspectiva de um novo policial que discute seu próprio estatuto, analisamos o romance do escritor chileno Roberto Bolaño, Los detectives salvajes, em que lemos a história da busca de uma pessoa que, na verdade, está morta e só sabemos de sua morte no final da narrativa. Isso opera uma diferença fundamental: esta obra narra pela lente do luto, enquanto no policial esta dimensão é suplantada pela necessidade da intriga. De outra forma, o percurso dos personagens também responde à sombra do enigma que é a voz do Outro. A literatura policial, assim, é um gênero caracterizado por uma busca incessante, motivada por um enigma que o detetive precisa solucionar. Tradicionalmente, esta demanda é bem sucedida. Entretanto, nunca vemos o personagem, satisfeito por mais um trabalho resolvido, voltar para casa, o que prova que, de alguma forma, nem ele mesmo está convencido da solução do enigma. O segredo, portanto, exige uma dedicação infinita. De alguma forma, o personagem modelar do detetive reflete o trabalho do crítico literário. A busca incessante, o solilóquio que esconde o enigma, a necessidade de autoridade narrativa são questões importantes do nosso trabalho. Qual seria a responsabilidade, portanto, do crítico? Estaria disposto a sacrificar sua autoridade pela verdade?
Título em inglês
Contradictions of the detective: crime fiction as a problem for literary theory in works of Machado de Assis, Jorge Luis Borges and Roberto Bolaño
Palavras-chave em inglês
Alterity
Crime fiction
Detective
Enigma
Secret
Resumo em inglês
This research begins with a theoretical vision of crime fiction to analyze works of three Latin-american authors: Machado de Assis, Jorge Luis Borges and Roberto Bolaño. The objective is to offer a new theoretical basis for reading these writers and also to deepen the study of crime fiction in Brazil, widening, thus, the debates regarding literary theory. A causa secreta is a short story contemporary of the birth of crime fiction in the United States, with Edgar Allan Poe. In that moment, when crime fiction wasnt consolidated yet, Machado de Assis also created a character passionate for the analysis of human character, doctor Garcia. From the title, as to the mystery book itself, the reader is looking for a secret, and the solution will only be brought through the readers distrust of the narrative settings. But the enigma, in fact, can never be solved because within it there is the fundamental secret of literature: the impossibility of appropriation of the Other. In El jardín de senderos que se bifurcan Jorge Luis Borges uses the genre to discuss time in fiction and turns the narrative upon itself by creating a temporal auto insertion. It is considered, thus, a subversion as it allegedly destroys the laws of the genre. However, according to Jacques Derrida, a genre is formed not only by the marks that defines it, but also by the alterations within its form, which enlarges its limits. In this way, through the point of view of crime fiction, Borges contributes to create a new subgenre: the metaphysical crime fiction. Through the perspective of a new crime fiction that questions its own statute, we analyzed the novel Los detectives salvajes, by Chilean author Roberto Bolaño, in which we read the story of a search of a person who, actually, is already dead, and we only get to know it in the end of the novel. This operates a structural difference: the book narrates through the lens of mourning, while in crime fiction this sentiment is superseded by the necessity of intrigue. In another way, the course of those characters also responds to the shadows of the enigma that is the voice of the Other. Crime fiction, thus, is a genre based on a relentless quest, motivated by an enigma that the detective has to solve. Traditionally, this demand is well succeeded. But we never see the detective, satisfied after another job well done, going back home, which proves that, in a way, not even he is convinced that the enigma is solved. In a way, the model character of the detective reflects, as some authors suggest, the work of the literary critic. The endless search, the monologue that hides the enigma, the necessity of narrative authority all this elements are important to our work. Then, what is the responsibility of the critic? Is he willing to sacrifice his authority for the truth?
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-01-08
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.