• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2012.tde-22022013-153330
Documento
Autor
Nome completo
Miley Antonia Almeida Guimarães
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Amado, Rosane de Sa (Presidente)
Alves, Ubiratã Kickhöfel
Souza, Paulo Chagas de
Título em português
Aspectos da fonologia do português como segunda língua por aprendizes anglófonos - uma análise via Teoria da Otimidade
Palavras-chave em português
Aquisição/aprendizagem de segunda língua
Fonologia
Português como segunda língua por anglófonos
Teoria da otimidade
Resumo em português
Nesta dissertação, são analisados, via Teoria da Otimidade (MCCARTHY; PRINCE, 1995; PRINCE; SMOLENSKY, 1993), dois aspectos da fonologia do português como segunda língua por aprendizes americanos e britânicos: a ausência de assimilação regressiva de vozeamento envolvendo a fricativa alveolar final em posição de fronteira de palavra e a produção de oclusivas nasais em posição final e de fronteira de palavra. Em inglês, a fricativa alveolar /s/ em coda final diante de segmento sonoro tende a manter seu status de vozeamento subjacente (GIMSON; CRUTTENDEN, 2008; MYERS, 2010; ROCA; JOHNSON, 1999); em contrapartida, em português, a fricativa alveolar, nessa mesma posição, compartilha do traço de sonoridade do segmento à sua direita (BISOL, 2005; FERREIRA NETTO, 2001; MATTOSO CÂMARA JR., 2007 [1970]). Ademais, as oclusivas nasais [m, n] não são licenciadas em posição de coda em português, a não ser diante de segmentos que lhes sejam homorgânicos (BISOL, 2005; CAGLIARI, 2007; MATTOSO CÂMARA JR., 2007 [1970]); em inglês, no entanto, essas oclusivas nasais podem ocorrer independentemente do ponto de articulação do elemento seguinte (EWEN; HULST, 2001; GIMSON; CRUTTENDEN, 2008; ROCA; JOHNSON, 1999). Cabe, portanto, ao aprendiz anglófono do português como segunda língua adquirir processos fonético-fonológicos não presentes em sua primeira língua, passando a vozear a fricativa alveolar final diante de segmento sonoro, p. ex. mai[s] árvores > mai[z] árvores, e a deixar de articular as oclusivas nasais em final de palavra, em favor da realização da vogal nasal do português, p. ex. co[m] arte > c[õw] arte. A partir do corpus, constituído por entrevistas com seis americanos e cinco britânicos, verificou-se que o tempo de residência no Brasil foi o fator mais significativo para a produção da fricativa alveolar vozeada e, juntamente com a qualidade da vogal, constituiu-se também como o fator mais relevante para a realização da vogal nasal. Pela análise da produção de aprendizes iniciantes, por meio do modelo baseado em restrições proposto pela Teoria da Otimidade, foi possível constatar a interação entre processos de marcação e de transferência do ranqueamento do inglês para a interlíngua do aprendiz.
Título em inglês
Aspects of the phonology of Portuguese as a second language by Anglophone speakers an analysis within Optimality Theory framework
Palavras-chave em inglês
Optimality theory
Phonology
Portuguese as a second language by anglophone speakers
Second language acquisition
Resumo em inglês
In this dissertation, two phonological aspects of Portuguese as a second language by American and British learners are analysed within Optimality Theory framework (MCCARTHY; PRINCE, 1995; PRINCE; SMOLENSKY, 1993): the lack of regressive voicing assimilation involving the final alveolar fricative in word-boundary context and the production of nasal stops in word-final and word-boundary contexts. In English, the alveolar fricative /s/ in word-final position preceding a voiced segment tends to maintain its underlying voicing value (GIMSON; CRUTTENDEN, 2008; MYERS, 2010; ROCA; JOHNSON, 1999); conversely, in Portuguese, the alveolar fricative in this same position agrees in voicing with the following segment (BISOL, 2005; FERREIRA NETTO, 2001; MATTOSO CÂMARA JR., 2007 [1970]). Moreover, the nasal stops [m, n] are not allowed in coda position in Portuguese, unless they precede homorganic segments (BISOL, 2005; CAGLIARI, 2007; MATTOSO CÂMARA JR., 2007 [1970]); on the other hand, in English, these nasal stops can occur regardless of the next segments place of articulation (EWEN; HULST, 2001; GIMSON; CRUTTENDEN, 2008; ROCA; JOHNSON, 1999). Therefore, the Anglophone learner of Portuguese as a second language is given the task of acquiring phonetic/phonological processes not present in their first language, having to voice the final alveolar fricative which precedes a voiced segment, e. g. mai[s] árvores > mai[z] árvores more trees, and to cease producing nasal stops in word-final position in favour of the production of Portuguese nasal vowels, co[m] arte > c[õw] arte with art. From the corpus, consisting of interviews with six American and five British learners, it was demonstrated that the time of residence in Brazil was the most significant factor for the production of the voiced alveolar fricative, and together with the quality of the vowel, it was also shown to be the most relevant factor in the production of the nasal vowel. Analysing the production of beginning learners within Optimality Theory constraint-based model, it was possible to attest the interaction between markedness effects and transfer of the English constraint ranking to the learners interlanguage.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-02-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.