• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2013.tde-12022014-114228
Documento
Autor
Nome completo
Glauce de Oliveira Alves
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Correa, Manoel Luiz Goncalves (Presidente)
Dias, Dylia Lysardo
Tenani, Luciani Ester
Título em português
Marcas proverbiais em redações de vestibular
Palavras-chave em português
Marcas proverbiais
Resumo em português
Esta pesquisa tem por objetivo investigar a realização do mecanismo das relações intergenéricas no emprego de marcas proverbiais diferentes formas de apresentação do provérbio na qualidade de gênero do discurso em redações de vestibular, a partir de estudo comparativo do funcionamento discursivo dessas marcas em dois conjuntos de textos, a saber: sessenta redações do vestibular da FUVEST/2006 (tema Trabalho) e sessenta redações do vestibular da FUVEST/2009 (tema Fronteiras), perfazendo o total de 120 textos. Nessas redações, foram reconhecidos os seguintes tipos de registro do provérbio a título de gênero do discurso, por mim denominados marcas proverbiais: (a) construção em que o provérbio aparece integralmente com o uso de aspas e/ou glosa; (b) construção em que o provérbio aparece de forma integral sem o uso de aspas nem de glosa; (c) enunciado organizado a partir da modificação da estrutura de um provérbio; (d) enunciado que alude ao sentido de um provérbio; e (e) construção que reproduz a estrutura de um enunciado proverbial. Sob um olhar enunciativo-discursivo, este trabalho se fundamenta, primordialmente, nos estudos do Círculo de Bakhtin, relacionados à perspectiva dialógica da linguagem e à teoria dos gêneros do discurso; em Maingueneau (1997, 2008b, 2010) em relação às suas considerações sobre as estratégias de captação e de subversão e sobre os aspectos da enunciação proverbial e; em Lysardo-Dias (2004), que compreende o provérbio como um gênero do discurso que se caracteriza pela inserção obrigatória em outro gênero. Os resultados desta pesquisa revelam que o funcionamento discursivo das marcas proverbiais resulta das relações intergenéricas. Esse mecanismo se constata não só pela inserção das marcas proverbiais na redação de vestibular, em que desempenham diversas funções argumentativas, mas também pelo fato de essas marcas apresentarem vestígios de outros gêneros nos quais o provérbio já se instalou. Num caso e no outro, esses vestígios são reconhecíveis tanto no conteúdo temático, quanto na construção composicional e no estilo do gênero. Contrariando a recomendação escolar de evitar o uso de expressões cristalizadas em redações de vestibular, os resultados se apresentam como contribuições para o ensino à medida que: (a) abrem a possibilidade de uma leitura de textos que permite compreendê-los como registros da dinamicidade dos gêneros do discurso; e (b) relativizam aquela recomendação escolar, tendo em vista que a qualidade do texto nem sempre está ligada à ausência de formas cristalizadas.
Título em inglês
Proverbial brands in college entrance essays
Palavras-chave em inglês
College entrance exam essay
Intergeneric connections
Proverbial brands
Resumo em inglês
This research to investigate the mechanism of intergeneric connections, in employment of proverbial brand - different ways of presenting the proverb as a discourse genre - in college entrance essays, from a comparative study of the discursive functioning of these brands into two sets of texts, namely: sixty essays of vestibular FUVEST/2006 (theme Labor) and sixty essays of vestibular FUVEST/2009 (theme Borders), totaling 120 texts. In these essays, were recognized following record types proverb as a discourse genre, for me called proverbial brands: (a) building where the proverb appears entirely with the use of quotation marks and/or gloss, (b) construction in which the proverb appears in full without using quotation marks nor gloss; (c) organized statement from the modification of the structure of a proverb; (d) utterance that alludes to the meaning of a proverb, and (e) construction that reproduces the structure of a proverbial utterance. Under a look enunciative-discursive, this work is based primarily on studies of the Bakhtin Circle, related to the dialogical perspective of language and the theory of speech genres, in Maingueneau (1997, 2008b, 2010) regarding his considerations on strategies for capture and subversion and on aspects of proverbial utterance and, in Lysardo-Dias (2004), who understands the proverb as a genre of discourse that is characterized by mandatory insertion into another genre. The results of this research reveal that the discursive functioning of proverbial brands results from the intergeneric connections. This mechanism turns out not only by the insertion of proverbial brands in writing entrance exam, where they play several argumentative functions, but also because these brands show traces of other genres in which the proverb has already been installed. In one case and in the other, these traces are recognizable both in thematic content, as in the compositional construction and the style of the genre. Contrary to the recommendation of school to avoid using expressions crystallized in college entrance essays, the results are presented as contributions to teaching as: (a) open the possibility of a reading of texts that allows to understand them as records of dynamicity of discourse genres; and (b) relativize that academic recommendation given that the text quality is not always linked to the absence of crystallized forms.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-02-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.