• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Paula Bauab Jorge
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Negrão, Esmeralda Vailati (Presidente)
Foltran, Maria José Gnatta Dalcuche
Viotti, Evani de Carvalho
Título em português
O clítico se no português brasileiro
Palavras-chave em português
Clítico se
Conceitualização de eventos
Gramática Cognitiva
Português brasileiro
Voz média
Resumo em português
O presente trabalho tem como objetivo investigar o uso do clítico se nas construções do português brasileiro, a partir de dados da modalidade oral. Tendo em vista que esse clítico está associado a uma diversidade de significados, buscamos identificar em quais tipos de construções ele é empregado e como ele contribui para a interpretação das sentenças em que aparece. Para isso, recorremos a dois corpora de língua oral: (i) C-ORAL-BRASIL e (ii) Projeto SP2010: Amostra da fala paulistana. O primeiro reflete a fala mineira, ao passo que o segundo retrata a produção de falantes paulistanos. Os dados foram tratados pelo viés da Gramática Cognitiva, uma vez que essa perspectiva teórica possibilitou-nos olhar para fatores relevantes para o entendimento da voz média. A proposta de Langacker (2008) acerca dos diferentes tipos de construções, assim como a de Maldonado (2006) no que concerne à elaboração da força indutora do evento, serviu de base para a análise das sentenças que se encontram em uma zona intermediária entre construções impessoais, de um lado, e construções absolutas, de outro. Dentro desse contínuo, a elaboração da força indutora se dá em graus variados. Nas sentenças impessoais, o clítico introduz no evento uma força indutora que, embora seja humana, é genérica ou arbitrária. Nas sentenças médias de proeminência terminal, o se representa uma força indutora externa ainda mais esquemática, o que faz com que o foco da sentença recaia sobre a porção final do evento. Além disso, há os casos em que a força indutora é ainda menos elaborada, remetendo a uma energia mínima, próxima das construções absolutas. Estas não envolvem a conceitualização de uma força indutora. Para entender o contínuo reflexivo-médio, partimos dos trabalhos de Kemmer (1993, 1994), que ressalta fatores como a distinguibilidade dos participantes e a prototipicidade da ação, e de Maldonado (2006), que destaca o grau de controle exercido pelo sujeito. Enquanto as construções reflexivas envolvem maior distinguibilidade na conceitualização das facetas do participante e maior controle por parte deste, as médias refletem uma conceitualização indistinguível do participante e, em diversos casos, menor grau de controle. Além disso, a proposta acerca do experienciador médio (Maldonado, 2006) mostra que o clítico tem relação com o nível de envolvimento do participante no evento. Com base nas análises desenvolvidas dentro desse quadro teórico, bem como nas evidências empíricas fornecidas pelos corpora, defendemos que o clítico está associado a um processo de energização do evento (Maldonado, 2006), seja conferindo a introdução de uma força indutora, seja indicando maior envolvimento do participante. Com este estudo, pretendemos contribuir para o entendimento do papel do clítico se no português brasileiro e sua relação com a conceitualização de eventos.
Título em inglês
Clitic se constructions in Brazilian Portuguese
Palavras-chave em inglês
Brazilian Portuguese
Clitic se
Cognitive Grammar
Event conceptualization
Middle voice
Resumo em inglês
The present study aims at investigating the use of clitic se in Brazilian Portuguese constructions, by means of empirical analysis. Considering this clitic is associated with a variety of meanings, this research has tried to identify in what types of constructions it is used and how it contributes to the interpretation of the sentences. In order to accomplish this goal, two oral language corpora were examined: (i) C-ORAL-BRASIL and (ii) Projeto SP2010. The first one reflects the dialect spoken in Minas Gerais, and the second portrays the dialect spoken in the city of São Paulo. Data were treated according to Cognitive Grammars perspective, since this theoretical approach has pointed out some aspects that proved to be relevant for the understanding of the middle voice. Langackers (2008) proposal about the different types of constructions, as well as Maldonados (2006) thesis concerning the elaboration of the inductive force of the event, was taken as a starting point for the analysis of the sentences located in an intermediate zone between impersonal constructions, on one side, and absolute constructions, on the other side. Within this zone, the inductive force can be elaborated in different degrees. In impersonal constructions, clitic se introduces a human force that has a generic or arbitrary interpretation. In middle sentences that exhibit prominence in the final part of the event, the clitic represents an external and highly schematic inductive force it is precisely this schematization that causes the effect of final prominence. Furthermore, there are cases in which the inductive force has an even lower level of elaboration. In such cases, the clitic makes reference to a minimal level of energy, one that is closer to absolute constructions (in which no inductive force is conceptualized). In order to understand the reflexive-middle continuum, we departed from Kemmers study (1993, 1994) which emphasizes aspects such as the relative distinguishability of participants and the expectation that initiator and endpoint have the same identity and Maldonados work (2006), which highlights the degree to which the participant controls the event. While reflexive constructions involve greater distinguishability in the conceptualization of the participant and greater control exerted by him/her, middle constructions reflect that the participant is being conceived as a unitary entity and that, in many cases, this participant does not exert as much control over the event. Besides, Maldonados (2006) proposal regarding the middle experiencer shows that the clitic is related to the degree the participant is involved in the event. Based on the analyses developed within this theoretical frame and on empirical evidence, we defend that the clitic is associated with a process of energization of the event (Maldonado, 2006). This is accomplished either by introducing an inductive force or by indicating a greater involvement of the participant in the event. In this study, we intend to contribute to the understanding of the role played by clitic se in Brazilian Portuguese constructions and its relationship with event conceptualization.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-08-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.