• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2008.tde-04022009-170524
Documento
Autor
Nome completo
Maria de Fátima de Almeida Baia
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Santos, Raquel Santana (Presidente)
Ferreira Netto, Waldemar
Matzenauer, Carmen Lúcia Barreto
Título em português
O modelo prosódico inicial do português brasileiro: uma questão metodológica?
Palavras-chave em português
Acento
Aquisição de linguagem
Modelo prosódico inicial
Prosódia
Resumo em português
O objeto específico desta pesquisa de mestrado é investigar qual o modelo prosódico inicial na aquisição do português brasileiro (doravante PB) e a possível influência da metodologia utilizada nos resultados. Partindo da pressuposição de que há uma gramática inicial, dada pela gramática universal (CHOMSKY, 1981), autores que lidam com línguas germânicas afirmam que o troqueu é o modelo prosódico default na aquisição (cf. GERKEN, 1994; FIKKERT, 1994), e o mesmo é defendido por estudos que lidam com outras famílias lingüísticas (cf. ADAM & BAT-EL, 2007 para o hebraico; PRIETO, 2005 para o catalão, por exemplo). No entanto, os dados infantis do PB trazem complicações para a suposta tendência trocaica universal, pois estudos observacionais (naturalísticos) encontram uma tendência iâmbica (SANTOS, 2001, 2007; BONILHA, 2004; BAIA, 2006). Apesar de haver no cenário da literatura brasileira debates e estudos recentes a respeito do modelo prosódico inicial (cf. RAPP, 1994; BONILHA, 2004; SANTOS, 2006, 2007), algumas questões ainda permanecem. A maior parte desses trabalhos é composta por estudos observacionais e não experimentais, o contrário do que normalmente acontece na literatura estrangeira. O único estudo experimental no PB conhecido até então é o de Rapp (1994), o qual afirma haver uma tendência trocaica nos dados iniciais do PB. Enquanto a autora aponta uma tendência trocaica, nenhum estudo observacional a confirma; ao contrário, estes estudos levantam indícios a favor de uma tendência iâmbica inicial (BONILHA, 2004; SANTOS, 2006, 2007; BAIA, 2006). Logo a pesquisa aqui conduzida visa verificar se há influência da metodologia empregada nos resultados apresentados pela literatura brasilera. Para isso, nesta dissertação, são utilizadas as duas metodologias na análise dos dados (a experimental e a observacional): no estudo experimental, são analisados dados de 42 crianças na faixa etária de 1;5 3;0 anos, e no estudo observacional, são analisados dados de uma criança (LUI) na mesma faixa etária do estudo experimental. Os resultados obtidos por meio dos dois estudos realizados nesta pesquisa corroboram o que é afirmado pelo estudo experimental de Rapp (1994) e pelos estudos observacionais (SANTOS, 2006, 2007; BONILHA, 2004; BAIA, 2006). Dessa maneira, os resultados apresentam a mesma discrepância a respeito da tendência prosódica inicial presente na comparação entre os estudos que adotam diferentes métodos. No entanto, foi encontrada uma explicação para o que ocasiona tal discrepância. Notou-se que os iambos diminuem se o léxico particular e os verbos são excluídos dos dados. Sem o léxico particular e verbos, há uma predominância de SW em DES e DEX. Dessa maneira, a diferença entre os resultados do estudo experimental e dos estudos observacionais está relacionada com a metodologia empregada e, particularmente, com o inventário lexical e classe gramatical considerados na análise. Por fim, acredita-se que o estudo que desconsidere todos os tipos de produções infantis não pode afirmar, categoricamente, uma outra tendência inicial. Por essa razão, afirma-se que o PB apresenta uma tendência iâmbica inicial, tendência defendida pelos estudos observacionais (BAIA, 2006; SANTOS, 2007) que lidam com a produção lexical infantil na sua totalidade, embora não se trate de uma tendência forte e seja apenas uma tendência aparente de acordo com os resultados estatísticos deste estudo. Palavras-chave: acento, prosódia, modelo prosódico inicial, aquisição de linguagem
Título em inglês
The initial prosodic template of brazilian portuguese: a methodological question?
Palavras-chave em inglês
Initial prosodic template
Language acquisition
Prosody
Stress
Resumo em inglês
This research aims at investigating the initial prosodic template in the acquisition of Brazilian Portuguese (henceforth BP) and the influence of the methodology on the results presented by Brazilian literature so far. Following the view that there is an initial grammar (universal grammar) (CHOMSKY, 1981), authors who deal with Germanic languages state that the trochee is the initial prosodic template (see GERKEN, 1994; FIKKERT, 1994), and the same is claimed by studies that deal with languages from other families (see ADAM & BAT-EL, 2007 about Hebrew acquisition; PRIETO, 2005 about Catalan acquisition, for example). However, data from Brazilian children bring complications for this trochaic bias when show the results of observational studies (naturalistic studies), which point out an iambic bias instead (SANTOS, 2001, 2007; BONILHA, 2004; BAIA, 2006). Besides the discussions and recent studies about the prosodic initial template (see RAPP, 1994; BONILHA, 2004; SANTOS, 2006, 2007) that have been conducted by Brazilian researchers, some questions still remain. Most of these studies on BP acquisition are observational and they assert that there is an initial iambic bias, whereas there is only one experimental study (RAPP, 1994), which states that there is a trochaic bias. Therefore, the research conducted here aims at analyzing the influence of the employed methodology on the results. To make it possible, two methodologies are used in the analysis of data (the experimental and observational): in the experimental study, we analyze data of 42 children at age 1;5 3;0 years old, and in the observational study, we analyze data of a child (LUI) who is the same age of experimental group. The results corroborate what has been stated by the experimental study (RAPP, 1994) and by the observational ones (Santos, 2006, 2007; BONILHA, 2004; BAIA, 2006) because it was found the same discrepancy showed by these studies. But there is an explanation. It was noted that the number of iambs decreases if the particular lexicon (familiar words and lexical creations) and verbs are kept out of the data. Without this sort of words, there is a predominance of SW in DES and DEX. Thus, the difference between the results of the experimental study and observational ones is due to the employed methodology, particularly, due to the lexical inventory considered in the analysis. Finally, we believe that if the study does not take into account all types of childrens productions it can not state, categorically, any initial prosodic bias. Therefore, this study agrees with what has been stated by observational studies, i.e. BP early data show an iambic bias (BAIA, 2006; SANTOS, 2007), also, this was observed in the analysis of DES. However, the statistical results did not show any significant predominance of a specific prosodic template. Santos (2007) claims that there is not a universal prosodic template. For that reason we find a trochaic bias in Germanic languages and an iambic bias in BP
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-02-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.