• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2015.tde-03122015-154055
Documento
Autor
Nome completo
João Paulo Lazzarini Cyrino
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Scher, Ana Paula (Presidente)
Medeiros, Alessandro Boechat de
Sândalo, Maria Filomena Spatti
Santos, Marcello Modesto dos
Storto, Luciana Raccanello
Título em português
O sincretismo passivo-reflexivo: um estudo translinguístico
Palavras-chave em português
Construção passiva
Construção reflexiva
Morfologia
Morfossintaxe
Sincretismo morfológico
Verbos anticausativos
Resumo em português
Por sincretismo passivo-reflexivo pode-se compreender a ocorrência de uma mesma marca morfológica em construções reflexivas, passivas e anticausativas. O fenômeno, bastante comum entre as línguas, tem sido tratado pela Teoria Gerativa, principalmente, de duas formas diferentes: por um lado, diz-se que o sincretismo passivo-reflexivo é consequência de uma propriedade sintática em comum compartilhada pelos contextos de inserção e, por outro, que - na verdade - os contextos em que o morfema se insere compartilham de uma mesma representação semântica. Do que se tem visto, ambas as formas de abordar o fenômeno são problemáticas: as explicações que fornecem, além de apresentarem alguns problemas teóricos, não se aplicam a tantas línguas quanto o esperado. Essas abordagens também tem levado pouco em conta importantes observações da linguística comparativa, que vem lidando com fenômenos dessa natureza desde o final dos anos 60. Esta tese investiga o sincretismo em questão em um grupo abrangente de línguas e une suas observações com conclusões da tipologia linguística e teoria gerativa, buscando desvendar duas questões, fundamentalmente: (i) por que o fenômeno é tão comum entre as línguas e (ii) qual o estatuto da marca compartilhada. Essas perguntas puderam ser respondidas levando em conta contribuições clássicas da linguística como a primeira definição de verbos anticausativos (Nedjalkov & Silnickij, 1969) e o estudo dos tipos de alternâncias de valência. Por outro lado, o modelo da Morfologia Distribuída (Halle & Marantz, 1993), desenvolvimento recente da Teoria Gerativa, possibilitou uma abordagem mais transparente da relação entre morfologia e sintaxe, permitindo melhor compreensão dos ambientes estruturais em que ocorre o sincretismo. O fenômeno é considerado um caso de sobreaplicação de anáforas, no sentido de Heinat (2006), na estrutura sintática. Essa sobreaplicação só é possível dadas algumas condições, sendo a principal delas a dependência morfológica da marca sincrética. Essa dependência morfológica é derivada ou durante a derivação sintática, ou após a inserção de material fonológico, conforme prevê a Morfologia Distribuída. As diferentes distribuições que o sincretismo apresenta entre as línguas podem ser explicadas por propriedades sintáticas da língua, assim como pelo momento da derivação em que a anáfora torna-se morfologicamente dependente, o que também diferencia clíticos/pronomes fracos de afixos.
Título em inglês
The passive-reflexive syncretism: a crosslinguistic study.
Palavras-chave em inglês
Anticausative verbs
Morphological syncretism
Morphology
Morphosyntax
Passive constructions
Reflexive constructions
Resumo em inglês
The Passive-Reflexive Syncretism is a term describing the sharing of the same morphological marking in Reflexive, Passive and Anticausative Constructions. The phenomenon is widely seen across languages and Works within the Generative Framework have been attempting to account to it in basically two ways: (i) by understanding the syncretism as a consequence of a common syntactical property among the contexts sharing the morpheme or (ii) by understanding it as a consequence of a common semantic representation among these contexts. It is shown that both approaches are problematic in theoretical and empirical means. Besides this, they have not been taking into account important insights from comparative linguistics, which has been dealing with these phenomena since the end of the 60's. The present thesis investigates the syncretism in depth, taking into account a significant number of languages and linking its observations with contributions from Linguistic Typology and Generative Theory, in an attempt to address two fundamental questions: (i) Why this syncretism is so common across languages? (ii) What is the status of the shared marking. These questions could be answered by taking into account classical definitions in linguistics, such as the first definition of anticausative verbs (Nedjalkov & Silnickij, 1969) and the definitions for the different valency alternations. On the other hand, the Distributed Morphology development from Generative Grammar (Halle & Marantz, 1993) allowed for a transparent approach towards the relation between morphology and syntax, contributing to a better understanding of the structural environments involved in the syncretism. The phenomenon is considered a case of superaplication of anaphors, in Heinat's (2006) sense, in the syntactic structure. This superaplication is only possible given some conditions, being the main one the Morphological Dependency of the syncretic marking. This dependency is derived either during syntactic derivation or after the insertion of phonological content, as told by the Distributed Morphology's view on the Architecture of Grammar. The different distributions shown by the syncretism across languages can be explained by both syntactic properties of the language and the moments described above, when the anaphor becomes morphological dependent, which also helps differentiating clitics/weak pronouns from affixes.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-12-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.