• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2015.tde-05112015-132622
Documento
Autor
Nome completo
Ricardo Martins Rizzo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Grespan, Jorge Luis da Silva (Presidente)
Arcary, Valerio
Coggiola, Osvaldo Luis Angel
Musse, Ricardo
Silva, Marco Aurélio Nogueira de Oliveira e
Título em português
Espectros vencidos: a teorização negativa do sistema internacional em Marx e Engels
Palavras-chave em português
Capitalismo
Diplomacia
Engels
História moderna da Europa
Inglaterra
Marx
Marxismo
Mercado mundial
Relações internacionais
Revolução
Russia
Século XIX
Sistema internacional
Resumo em português
Parte significativa dos escritos de Marx Engels sobre política internacional são marcados por uma dificuldade teórica, que não deixou de causar desconforto na própria tradição marxista: diante dos êxitos da contra-revolução após 1848, e de uma perspectiva revolucionária plasmada na crítica ao sistema internacional herdado do Congresso de Viena em 1815, as categorias centrais do materialismo hitórico pareciam perder capacidade de formulação política. Se o avanço da concorrência capitalista no mercado mundial possibilitava que as contradições sociais dos países mais avançados fossem universalizadas, por meio da universalização das relações de produção burguesas, o sistema internacional parecia atuar em sentido contrário, permitindo que os tempos sociais do atraso arbitrassem o ritmo das transformações políticas na Europa. Negada pelo sistema internacional, a marcha da história social em Marx e Engels dá lugar a uma teorização negativa. Suas categorias clássicas dão lugar a outras. Classes sociais cedem terreno, em Engels, aos povos sem história. Em Marx, a causalidade é substituída pela analogia; processos, por indivíduos; realidades sociais concretas, por encarnações abstratas. A contemporaneidade política de tempos sociais divergentes que caracteriza a complexa duração do absolutismo na Europa fornece o terreno em que os problemas da teorização negativa eclodem. O fato de que o Estado absolutista de tipo oriental por excelência, a Rússia czarista, pudesse de alguma forma empregar, por meio de sua diplomacia, a coerção de tipo feudal encarnada em sua própria formação para arbitrar o ritmo das revoluções burguesas no ocidente, em pleno século XIX, constitui a principal negatividade com que Marx e Engels se depararam ao pretenderem retomar a marcha revolucionária interrompida em 1815.
Título em inglês
Defeated spectra: the negative theorization of the international system in Marx and Engels
Palavras-chave em inglês
Capitalism
Diplomacy
Engels
England
International relations
International system
Marx
Marxism
Modern European History
Nineteenth century politics
Revolution
Russia
World market
Resumo em inglês
An important part of Marx and Engels's writings on international politics is characterized by a theoretical difficulty, one which has been the cause of significant uneasiness in the Marxist tradition itself. Faced with the strides of counter-revolution in Europe after 1848, and departing from a revolutionary standpoint centered on the criticism of the international system as set forth by the Vienna Congress in 1815, the core categories of dialectic materialism seemed to loose power of political formulation. If the advancement of capitalist competition in the world market was bound to universalize the social contradictions of the most advanced countries, by the universalization of bourgeois production, the international system, on the other hand, appeared as the medium by means of which the social temporalities of backwardness managed to impose themselves on the European political order. Denied by the international system, the march of social history in Marx and Engels gives room to the a negative theorization. Its classic categories give way to new ones. In Engels, social classes give way to nonhistorial peoples; in Marx, causality is replaced by analogy, processes by individuals, concrete social realities by abstract representations. The international coexistence of different political temporalities that characterizes the complex duration of absolutism in Europe sets the stage for the problems of the negative theorization. The fact that the most typical form of oriental absolutist State, czarist Russia, could successfully deploy its feudal coercion, through its diplomacy, to dictate the rhythm of bourgeois revolutions in the West in the nineteenth century constitutes the main negativity with which Marx and Engels are faced in their quest to resume historys course after its interruption in 1815.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-11-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.