• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2018.tde-27112018-124020
Documento
Autor
Nome completo
Cátia Cristina Benevenuto de Almeida
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Santiago, Homero Silveira (Presidente)
Chaui, Marilena de Souza
Itokazu, Ericka Marie
Oliveira, Fernando Bonadia de
Rezende, Cristiano Novaes de
Título em português
Memória e história em Espinosa, uma física dos corpos
Palavras-chave em português
Corpo
História
Limite
Marca
Memória
Resumo em português
Esta pesquisa destina-se à interpretação de memória e história à luz do movimento dos corpos; desse movimento que se estende à intercorporeidade constituem-se os registros ou o que chamamos de marcas corporais, que são as impressões que o corpo retém através de suas relações com os outros corpos. Nossa perspectiva de leitura pretende afastar a base temporal da memória e história para fundamentá-la sob o universo corpóreo. Esse estudo nos permitirá a retomada de dois termos que, a nosso ver, são primordiais para os desdobramentos e afirmação da tese: os vestigia corporis que são justamente as marcas corporais de que estamos falando. Em verdade, os vestigia são, mais uma vez, uma preciosa fonte de investigação e reflexão. Em nossa pesquisa de mestrado eles serviram para pensarmos a superstição; um corpo marcado pelo preconceito e devaneios da imaginação; um corpo marcado pela servidão. Propomos agora que essas mesmas impressões corporais sejam voltadas para pensarmos a Memória, seus usos, coletivo e político, e a História. Essas impressões, portanto, serão nosso principal material. O nosso percurso inicial será apresentar o corpo e os meandros de suas relações, para isso, o recurso à física espinosana, ela nos assegurará que a teoria das marcas fundamente a memória, pois esses registros fixados aos corpos estão submetidos às suas próprias leis. Em função destas marcas é que podemos rememorar, acessar o passado. O recurso às marcas também permitirá que retiremos do tempo o estatuto de guardião absoluto do passado e, portanto, da história. Com isso, poderemos afirmar que a Memória espinosana é também a História, ou seja, são uma e mesma coisa, sobretudo porque se constituem por uma FÍSICA dos corpos.
Título em inglês
Memory and History in Spinoza, a physics of bodies
Palavras-chave em inglês
Body
History
Limit
Mark
Memory
Resumo em inglês
This research is intended for the interpretation of memory and history in light of the movement of bodies; of this movement of bodies are the registers or what we call body marks, which are the impressions that the body retains through its relations with other body (s). This perspective of reading removes the temporal basis of memory and history, taking them to the bases of the corporeal universe. For this study, we return to two terms that, in our view, are the key to most of our developments throughout the text, as well as within Spinoza's philosophy: vestigia corporis. Indeed, these terms are once again a precious source of inquiry and reflection. In our master's research the vestigia corporis, which are these marks or bodily impressions, which we have mentioned above, have served to think superstition; a marked body, immersed in prejudices and enveloped by the misunderstandings of the imagination, therefore an easy target to be carried away by the webs of this achievement of the human mind which is superstition. We now propose that these same bodily impressions be turned to thinking of Memory, its uses, collective and political, and History. Our initial course will be to present the body and the intricacies of its relations, for this, the use of the Spinozas physics, it assures us that the theory of marks bases the memory, because they are records fixed to the bodies and submitted their laws; in function of these records is that we can recall, access the past. We need 'material' so that the memory recognizes itself as such; and where else could this material of recognition and recollection of data be, if not in the human body? In so doing, we will withdraw from time the status of absolute guardian of the past and hence of history. With this, we will affirm that the Spinozas Memory is also History. We can say them, Memory and History in Spinoza are one and the same, above all, because they are constituted by a PHYSICS of bodies.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-11-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.