• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2014.tde-26032015-100830
Documento
Autor
Nome completo
Silvio Ricardo Gomes Carneiro
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Safatle, Vladimir Pinheiro (Presidente)
Arantes, Paulo Eduardo
Chaui, Marilena de Souza
Chaves, Ernani Pinheiro
Farr, Arnold Lorenzo
Título em português
Poder sobre a vida: Herbert Marcuse e a biopolítica
Palavras-chave em português
Biopolítica
Foucault
Marcuse
Normalização
Repressão
Resumo em português
A pesquisa apresenta a teoria marcuseana do poder como perspectiva crítica no debate contemporâneo acerca do conceito foucaultiano de biopolítica. À primeira vista, tal relação parece controversa, ao reconhecer que Foucault desenvolve seu conceito paralelamente à crítica contra Marcuse. Ora, o conceito foucaultiano de biopolítica descreve jogos de poder como administração dos corpos e também como um modo de cálculo da vida da população. Tal concepção contraria diretamente a hipótese marcuseana do poder repressivo, um modelo crítico que tem em vista uma camada verdadeira e subjacente de poder, recalcada nas formações sociais e subjetivas estabelecidas. Com esse quadro, como reunir os dois autores na crítica do poder, assumindo a biopolítica como premissa da teoria do poder? De fato, a aproximação seria impossível ao partir da aposta marcuseana em uma civilização nãorepressiva, presente em Eros e Civilização. Contudo, com a análise do avanço da racionalidade instrumental no pós-Guerra em O Homem Unidimensional, Marcuse avalia a possibilidade de um poder não-repressiva. Afinal, na nova ordem social não se apresenta mais um controle repressivo dos corpos, mas sim uma excitação da vida e dos corpos em movimento. Seria este um sinal de concordância entre os autores? E ainda, dada esta nova correspondência, é possível aproveitar a crítica foucaultiana à biopolítica para redimensionar não apenas as reflexões de Marcuse sobre o poder, como também as passagens contemporâneas entre a teoria crítica e a genealogia do poder?
Título em inglês
Power over life: Herbert Marcuse and biopolitics
Palavras-chave em inglês
Biopolitics
Foucault
Marcuse
Normalization
Repression
Resumo em inglês
This research presents Marcuses theory of power as an essential perspective for the contemporary debate on the Foucaultian concept of biopolitics. This would seem a rather controversial choice at a first glance, as, admittedly, the development of Foucaults concept occurred alongside that of his critique of Marcuse. Indeed, Foucaults conception of biopolitics describes games of power that include the administration of the bodies and the calculated management of the life of a given population a notion entirely adverse to Marcuses repressive hypothesis of power, a critical model that assumes a real, subjacent layer of power that is repressed in established social and subjective formations. Given these differences, as well as an adoption of biopolitics as a fundamental premise for a theory of power, how are the two authors to be brought together for a critique of power? Such an approximation would certainly be impossible in light of Marcuses arguments, in Eros and Civilization, for the possibility of a non-repressive civilization. Still, through the analysis of the advancement of instrumental rationality in the postwar period conducted in One- Dimensional Man, Marcuse will revise his former perspective on non-repressive power; after all, the new social order no longer features a repressive control of bodies, but rather an excitation of life, and of bodies to motion. Could that be understood as a sign of agreement between the authors? Furthermore, given this new correspondence, would it be possible to employ Foucaults critique to add dimensions not only to Marcuses reflections on power, but to contemporary mediations between critical theory and the genealogy of power?
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-03-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.