• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2008.tde-21012009-103514
Documento
Autor
Nome completo
Silvio Ricardo Gomes Carneiro
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Safatle, Vladimir Pinheiro (Presidente)
Fausto, Ruy
Maar, Wolfgang Leo
Título em português
O discurso ontológico e a teoria crítica de Herbert Marcuse: gênese da filosofia da psicanálise (1927-1955)
Palavras-chave em português
Antropologia
Herbert Marcuse
Ontologia
Psicanálise
Teoria crítica
Resumo em português
O projeto de uma filosofia da psicanálise em Eros e Civilização apresenta a teoria crítica da economia libidinal da sociedade industrial avançada, configurada pela angústia de uma estrutura cultural cujas possibilidades abertas para a gratificação dos desejos logo são impedidas pela dialética fatal própria à lógica da dominação. Esta escolha expressa uma trajetória intelectual que sempre se questionou pela revolução que nunca aconteceu. Desde a juventude, Marcuse procurou conferir bases seguras para esta perspectiva. Justamente por esta busca, o filósofo depara-se com a ontologia fenomenológica de Heidegger, absorvendo questões existenciais fundantes, sobretudo, a da relação entre o homem e o mundo. Isto não significa uma filiação direta de Marcuse ao pensamento heideggeriano, mas uma relação permeada por divergências. Esta trajetória intelectual, de outro modo, não se desenvolve por um afastamento da ontologia, como muitos comentadores propõem ao valorizar a perspectiva antropológica de Marcuse. Contrariamente, nossa pesquisa aponta o aprofundamento do discurso ontológico do filósofo, não mais apoiado no esvaziamento positivo do Dasein, mas na concretude negativa da dinâmica histórica. Esta ontologia alcança camadas profundas da história da dominação, cuja arqueologia é apresentada pela teoria psicanalítica das pulsões. Eros e Civilização alcança, pois, o limiar entre natureza e cultura, encontrando aí não apenas a lógica da dominação, mas também possibilidades para sua superação, formulada por uma lógica da gratificação em uma civilização não-repressiva.
Título em inglês
The ontological discurse and the critical theory of Herbert Marcuse: genesis of philosophy of psychoanalysis (1927-1955)
Palavras-chave em inglês
Anthropology
Critical theory
Herbert Marcuse
Ontology
Psychoanalysis
Resumo em inglês
The project of philosophy of psychoanalysis in Eros and Civilization presents a critical theory of the libidinal economy of advanced industrial society, that is configurated upon the anxiety of a cultural structure, in which the possibilities of gratification of desires are soon prevented by the fatal dialectics of the logic of domination. Such a choice reflects an intelectual trajectory that was always inquired about a revolution that never happened. Since his youth, Marcuse tried to stablished steady bases to this revolutionary perspective. And exactly for this reason, the philosopher was lead to dial with the phenomenological ontology of Heidegger, incorporating fundamental existencial questions, above all, that of the relations between man and the world. It does not mean a direct filiation between Marcuse and the heideggerian thought, but a relation full with divergences. Otherwise, this intelectual trajectory doesn´t develop from a removal of ontology, like many commentators propose, giving a value to an anthropological view in Marcuse. Our research points towards the deeping of the ontological discourse by the philosopher, no more based on the positive empting of Dasein, but on the negative concretude of the historical dynamics. This ontology reachs deep layers of the history of domination, the archeology of which is showed by the psychoanalytical theory of instincts. Eros and Civilization reaches then the boudary between nature and culture and finds there, not only the logics of domination, but also the possibilities of its overcoming formulated in terms of a logics of gratification in an unrepressive civilization.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-01-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.