• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2014.tde-14012015-173903
Documento
Autor
Nome completo
Jonas Moreira Madureira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Estevao, Jose Carlos (Presidente)
Mammi, Lorenzo
Nascimento, Carlos Arthur Ribeiro do
Oliveira, Carlos Eduardo de
Teixeira, Rodrigo Guerizoli
Título em português
O intelecto e a imaginação no conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquino: aristotelismo e neoplatonismo
Palavras-chave em português
Filosofia Medieval
Imaginação
Intelecto
Tomismo
Resumo em português
Em diversas passagens, Tomás de Aquino afirma que é impossível o nosso intelecto, unido ao corpo, inteligir algo em ato sem se converter aos fantasmas (conversio ad phantasmata). Segue-se, portanto, que a conversão aos fantasmas [i.e., o direcionamento natural do intelecto para as imagens recebidas pelos sentidos] é a condição de possibilidade da intelecção humana. Agora, se tal intelecção depende da conversão aos fantasmas, e estes, por sua vez, dependem da afecção dos entes materiais sobre os sentidos, conclui-se que o conhecimento intelectual humano só é possível a partir do conhecimento sensível. Se é correta essa simplificação, então, podemos continuar perguntando pela questão que, de fato, interessará aqui, a saber, se é possível o conhecimento dos incorpóreos, dos quais não existem fantasmas (imagens recebidas). Ora, se é indubitável que dos incorpóreos não temos fantasmas, então, como poderíamos inteligilos, uma vez que a intelecção humana depende necessariamente da conversio ad phantasmata? Para dar conta dessa problemática, propomos primeiro explicar porque a conversão aos fantasmas é a conditio sine qua non da intelecção humana. Somente depois disso, consideraremos o objetivo central desta investigação que é explicitar como Tomás de Aquino argumenta a favor da possibilidade do conhecimento de Deus, do qual não temos fantasmas
Título em inglês
Intellect and imagination in the knowledge of God according to Thomas Aquinas: aristotelism and platonism
Palavras-chave em inglês
Imagination
Intellect
Medieval Philosophy
Thomism
Resumo em inglês
In several passages, Thomas Aquinas states that it is impossible for our intellect, united to the body, can actually to understand without conversion to the phantasms (conversio ad phantasmata). It follows therefore that the conversion to the phantasms (i.e., the natural direction of the intellect to the images received by the senses) is the condition of possibility of human intellection. Now, if such intellection depends on the conversion to the phantasms, and these, in turn, depend on the affection of the material ones on the senses, it is concluded that the human intellectual knowledge is only possible from sensitive knowledge. If this simplification is correct, then we can keep asking the question that really concern us here, namely, the question of the possibility of knowledge of incorporeal things, of which there are no phantasms (received images). While it is no doubt that we have no phantasms of incorporeal things, so how could we to understand them, since human intellection necessarily depends on the conversio ad phantasmata? To resolve this issue, we propose first explain why the conversion to the phantasms is the conditio sine qua non of human intellection. Only after that, we consider the main objective of this research: to explain how Aquinas argues for the possibility of knowledge of God, of which we have no phantasms
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-01-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.