• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2014.tde-02072014-124620
Documento
Autor
Nome completo
Carlos Eduardo Pereira Oliveira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Santiago, Homero Silveira (Presidente)
Chaui, Marilena de Souza
Forlin, Enéias Junior
Oliva, Luís César Guimarães
Oliveira, Érico Andrade Marques de
Título em português
A Teoria Cartesiana da Criação
Palavras-chave em português
Criação
Descartes
Idealismo
Realismo
Tomás de Aquino
Resumo em português
Esta tese tem como objetivo expor a teoria cartesiana da criação, desenvolvida nas Meditações. Começando pela submissão dos fundamentos da tradição filosófica (o realismo e o idealismo) ao método da dúvida, a crítica cartesiana acabará por atingir a cosmologia cristã, consolidada por Tomás de Aquino sobre o realismo aristotélico, bem como as soluções idealistas favoráveis à existência de verdades, essências e naturezas eternas e incriadas. A partir daí, Descartes desenvolve uma concepção de criação cuja universalidade envolve a ideia de Deus, a coisa pensante, as coisas simples e universais e as coisas materiais. A universalidade da criação é uma exigência da ideia cartesiana de Deus como ser sumamente perfeito. Entendida como perfeição, a onipotência divina requer a dependência absoluta de todas as coisas em relação a Deus enquanto causa eficiente, isto é, causa criadora. Do contrário, há uma clara negação da onipotência e, consequentemente, da perfeição divina. Pretendemos ainda mostrar que a teoria cartesiana da criação é o fundamento da teoria da livre criação das verdades eternas, que alguns intérpretes consideram incompatível com o sistema cartesiano.
Título em inglês
The Cartesian Theory of Creation
Palavras-chave em inglês
Creation
Descartes
Idealism
Realism
Thomas Aquinas
Resumo em inglês
This thesis aims to expose the Cartesian theory of creation, developed in Meditations. Submitting the foundations of the philosophical tradition, namely realism and idealism, to the methodical doubt, Cartesian criticism will eventually reaches out the Christian cosmology, consolidated by Thomas Aquinas on Aristotelian realism, as well as the favorable idealistic solutions to the existence of truths, essences and eternal and uncreated natures. From there, Descartes develops a conception of creation whose universality involves the idea of God, the thinking thing, the simple and universal things and the material things. The universality of creation is a requirement of the Cartesian idea of God as a supremely perfect being. Understood as perfection, divine omnipotence requires the absolute dependence of all things in relation to God while efficient cause, that is, creative cause. Otherwise, there is a clear denial of the omnipotence and consequently of the divine perfection. We also intend to show that the Cartesian theory of creation is the foundation of the theory of the creation of the eternal truths, that some interpreters consider incompatible with the Cartesian system.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-07-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.