• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Danilo Sales do Nascimento França
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Silva, Marcia Regina de Lima (Presidente)
Barone, Ana Claudia Castilho
Guimaraes, Antonio Sergio Alfredo
Marques, Eduardo Cesar Leão
Telles, Edward Eric
Título em português
Segregação racial em São Paulo: residências, redes pessoais e trajetórias urbanas de negros e brancos no século XXI
Palavras-chave em português
Desigualdades
Redes pessoais
Relações raciais
Segregação residencial
Sociologia urbana
Resumo em português
Esta tese propõe uma interpretação sobre a relevância da segregação residencial como dimensão estruturante das relações raciais no Brasil, a partir da análise de dados da Região Metropolitana de São Paulo. Comparações com situações de segregação racial típicas de cidades norte-americanas, aliadas a narrativas de dissimulação das manifestações do racismo no Brasil, têm alimentado discursos que desprezam a importância da segregação para as relações raciais, argumentando que em nossas cidades ocorre segregação apenas por classe social. Esta pesquisa posiciona-se contrariamente a tais discursos e apresenta evidências da segregação residencial por raça nos diferentes estratos sociais. Por um lado, através de abordagens quantitativas mais tradicionais que partem dos diferenciais de localização das residências de grupos sociais, constatamos pequenos níveis de segregação racial em camadas sociais mais baixas que se tornam significativos nas camadas médias e altas. Os brancos de classes médias e superiores residem nas áreas mais privilegiadas da metrópole, estando muito isolados e distantes de todos os outros grupos, até mesmo de negros de classe média e alta. Trata-se, portanto, de segregação residencial por raça e classe. Por outro lado, a partir de uma crítica das formas como a própria noção de segregação residencial tem sido mobilizada pela sociologia, propomos uma abordagem mais aprofundada que revele em que medida a separação das moradias se associa a diferenciais de integração social e acesso à cidade. Para tanto, empreendemos uma estratégia empírica baseada no mapeamento de trajetos e locais frequentados pelos indivíduos no espaço da cidade e na espacialização de suas redes pessoais de relações. As informações foram coletadas através de pesquisa qualitativa na qual entrevistamos 28 indivíduos de classe média negros e brancos, mulheres e homens em três diferentes áreas da cidade de São Paulo: São Miguel Paulista, Tatuapé e Itaim Bibi. Demostramos a importância do local de residência na medida em que a maior parte dos relacionamentos pessoais e dos locais frequentados localizam-se no entorno do distrito no qual residem os entrevistados. Ou seja, na medida em que negros e brancos estão residencialmente segregados, são segregadas também suas redes pessoais e locais frequentados. Além disso, nossos resultados apontam que brancos, independentemente do local de residência, possuem redes pessoais compostas preponderantemente por outros brancos e frequentam mais as áreas nobres da metrópole. Nossos achados realçam o papel do espaço urbano em processos de fechamento social que reforçam barreiras à integração de negros nas classes médias. Ademais, argumentamos que as classes médias se organizam como grupos de status cujas fronteiras são fortemente baseadas, não apenas em características raciais, mas também no espaço urbano (habitado e frequentado).
Título em inglês
Racial segregation in São Paulo: residences, personal networks and urban trajectories in the 21st century
Palavras-chave em inglês
Inequalities
Personal networks
Race relations
Residential segregation
Urban sociology
Resumo em inglês
This thesis proposes an interpretation on the relevance of residential segregation as a structuring dimension of race relations in Brazil, based on the data from the Metropolitan Region of São Paulo. Comparisons with cases of racial segregation typical of North American cities, coupled with narratives that disguise manifestations of racism in Brazil, have fueled discourses that despise the importance of segregation for race relations, arguing that in our cities segregation occurs only by social class. This research opposes such discourses and presents evidence of residential segregation by race in the different social strata. On the one hand, through more traditional quantitative approaches based on the differentials of location of residences, we find small levels of racial segregation in lower social strata that become significant in the middle and upper classes. The white middle and upper classes reside in the most privileged areas of the metropolis, being very isolated and distant from all other groups, even from middle and upper-class blacks. This is, therefore, residential segregation by race and class. On the other hand, from a critique of the ways in which the very notion of residential segregation has been mobilized by sociology, we propose a more in-depth approach that reveals the extent to which the separation of housing is associated with differentials of social integration and access to the city. Therefore, we undertook an empirical strategy based on mapping of paths and places frequented by individuals in the city space and on the spatial distribution of their personal networks of relationships. The information was collected through qualitative research in which we interviewed 28 middle class individuals blacks and whites, women and men in three different areas of the city of São Paulo: São Miguel Paulista, Tatuapé and Itaim Bibi. We demonstrate the importance of place of residence to the extent that most of the personal relationships and the places attended are located around the district in which the respondents reside. That is, to the extent that blacks and whites are residentially segregated, their personal networks and urban paths are also segregated. In addition, our results indicate that whites, regardless of their place of residence, have personal networks that are predominantly composed of other whites and frequent more the elite areas of the metropolis. Our findings highlight the role of urban space in social closure processes that reinforce barriers to the integration of blacks in the middle classes. Furthermore, we argue that the middle classes are organized as status groups whose boundaries are strongly based not only on racial characteristics, but also in urban space (inhabited and frequented).
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-02-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.