• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2001.tde-24052002-163759
Documento
Autor
Nome completo
Aura Rejane Gomes
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2001
Orientador
Banca examinadora
Mello, Leonel Itaussu de Almeida (Presidente)
Hirano, Sedi
Oliveira, Henrique Altemani de
Título em português
A Questão da Palestina e a Fundação de Israel
Palavras-chave em português
Conflito Árabe-Israelense
Diplomacia Americana na Palestina
Fundação de Israel
Questão da Palestina
Sionismo na Palestina
Sionismo nos EUA
Resumo em português
O objetivo deste trabalho foi compreender, do ponto de vista da política internacional, os fatores que viabilizaram a fundação de Israel no território da Palestina, provocando um dos mais prolongados e dramáticos conflitos da história contemporânea. A criação de Israel, decidida na ONU, em 1947, violou os direitos fundamentais do povo árabe palestino (70% do total da população nesse ano), garantidos pela Carta das Nações Unidas e pelo Pacto da Sociedade das Nações, ambos fontes do Direito Internacional, e violou o título jurídico adquirido pelos árabes através do acordo firmado com os países da Entente, durante a Primeira Guerra Mundial, que garantia a independência da Palestina, causando revolta generalizada no mundo árabe, já profundamente ressentido do imperialismo ocidental na região. Considerando a conjuntura internacional desse período, delineada pela Guerra Fria, e considerando que os principais atores do sistema internacional tinham consciência de que tal decisão causaria a hostilidade dos países árabes, acarretando altíssimos custos militares, políticos e econômicos, uma vez que a Liga Árabe declarou não reconhecer uma decisão que considerava ilegal, tivemos interesse em conhecer quais foram as expectativas de ganhos que levaram os EUA, a ex-URSS e outros países a assumirem os riscos e os custos dessa decisão. Várias conclusões foram obtidas. Os EUA não tinham nenhuma expectativa de ganho com o apoio à criação de Israel, pelo contrário, esse evento acarretou pesados custos à nação norte-americana, advertidos permanentemente pelos Secretários de Estado e Defesa. A decisão pró-Israel foi uma iniciativa do Presidente Truman para defender seu interesse pessoal nas eleições seguintes, quando pretendia contar com o apoio da comunidade judaica de seu país. A posição de Truman garantiu a forte pressão dos EUA, na forma de chantagem e suborno, sobre vários países que sustentavam posições contrárias, na votação da partilha, na ONU. Quanto à decisão soviética, não há uma compreensão conclusiva. Stalin, durante muitos anos, um antagonista intransigente ao projeto sionista, surpreendeu a todos apoiando de última hora a criação de Israel, na votação na ONU. Grande parte dos estudiosos considera que o objetivo soviético era simplesmente prejudicar a Grã Bretanha. Aparentemente, nessa mudança de posição momentânea, houve um equívoco nos cálculos políticos, percebido pouco tempo depois, levando esse país a reconsiderar novamente sua posição em favor dos árabes. Grande parte dos países de ambos os blocos assumiram simplesmente o alinhamento automático às decisãos das duas superpotências. Por último, cabe destacar que o interesse do Brasil era permanecer alinhado com os EUA e, nesse sentido, Oswaldo Aranha, como Presidente da Assembléia Geral, prestou um serviço fundamental. No dia da votação, devido à avaliação de que a proposta pró-Israel seria derrotada, Oswaldo Aranha decidiu encerrar mais cedo os trabalhos, adiando a votação, dando, assim, aos sionistas o tempo que necessitavam para “convencer” os países contrários, a fim de mudar seu voto.
Título em inglês
The Palestinian Question and the Foundation of Israel
Palavras-chave em inglês
American Diplomacy in Palestine
Arab-Israeli Conflict
Fundation of Israel
Palestine Question
Zionism in Palestine
Zionism in USA
Resumo em inglês
The aim of this research was understand, through the aproach of international policy, the factors that make possible to establish Israel in Palestine, event that caused one of the most extended and dramatic conflicts of contemporary history. The creation of Israel, decided at UN in 1947, violated the fundamental rights of the Palestinian Arab people (70% of the whole population in that year), rights that were assured by the UN Charter and by the Pact of the League of Nations, both sources of international law, and violated the juridical title acquired by Arab people through the agreement signed with the countries of the Entente, during the First World War, that guaranteed the independence of Palestine, provoking uprising in the whole Arab world, already deeply resentful of Western imperialism in the region. We had the interest to know what was the expectation of profits that led USA, former USSR and other countries to assume the risks and costs of this decision, taking into account the international scenery of the Cold War in 1947 and that the main actors of international system was aware that such decision would cause the hostility of Arab countries bringing high military, plitical and economic costs, since that Arab League declared not recognize that illegal decision. The conclusion was that USA didn’t have any expectation of gains supporting the creation of Israel, on the contrary, this event caused heavy costs to American nation. The decision of support Israel was a initiative of President Truman to defend his personal interest in the following election, opposing the Secretary of State and Secretary of Defense, because he wanted guarantee the vote of American Jews. The decision of Truman assured the strong prssure of United States by extortion and bribery over many countries to make them to vote on behalf of the creation of Israel. We didn’t find a conclusive understanding about the Soviet decision. Stalin, that was for many years an intransigent antagonist to the Zionist project, surprised everybody supporting the creation of Israel at UN. Mostly of scholars consider that the Soviet intent was just to damage Britain. There seemingly was a mistake in the Soviet political calculation, perceived later, leading this country to change its position. Many countries of both blocs only asumed an automatic alignment with the decisions of the two superpowers. Finally, it’s important to point out that Brazilian interest was to remain aligned with the USA and, in this sense, Oswaldo Aranha, the President of General Assembly, was very useful. In the day of partition voting, due to appraisal that the pro-Israel proposal would be defeated, Oswaldo Aranha simply decided finish earlier the session, postponing the voting, in order to give time to Zionists make pressure and suborn over the opponent countries, to change their votes.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
TeseAuraGomes.pdf (332.31 Kbytes)
Data de Publicação
2003-11-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.