• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.74.2014.tde-29012015-120018
Documento
Autor
Nome completo
Damião Wetimane Nguluve
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Pirassununga, 2014
Orientador
Banca examinadora
Herling, Valdo Rodrigues (Presidente)
Gomide, Catarina Abdalla
Oliveira, Patrícia Perondi Anchão
Pedreira, Carlos Guilherme Silveira
Silva, Saulo da Luz e
Título em português
Composição química, produção in vitro de gases da fermentação entérica e ácidos graxos de cadeia curta de gramineas forrageiras tropicais
Palavras-chave em português
Ácidos graxos
Digestibilidade in vitro
Forragens tropicais
Gases ruminais
Manejo do pasto
Nutrição animal
Resumo em português
A análise de alimentos para ruminantes consite na caracterização da sua composição química, que varia em função da edafoclimatologia e manejo agrotécnico ao longo do tempo. O manejo de desfolhação (28 e 42 dias), o genótipo e estações constituem fonte de variação da degradabilidade in vitro da matéria seca (DIVMS), acúmulo de gases no rúmen (PG), metano (CH4) e do perfil dos ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), com reflexos na eficiência da produção animal. A introdução dessas práticas no cultivo dos gêneros Brachiarias e Cynodon pode disponibilizar forragem de boa qualidade nutricional, com baixos teores de fibra. As dietas baseadas nas gramíneas tropicais são ricas e fibra e trazem controvérsias nos sistemas de produção de ruminantes, pela emissão de dióxido de carbono (CO2) e de CH4 entéricos, com efeito de estufa (GEE) na atmosfera, proposto para reduzir pela comunidade internacional. Contudo, a mitigação dos GEE exige a quantificação da sua produção por área, animal e por ano. Econmicamente, o CH4 enterico é uma perda de 2-12% de energia que poderia ser convertida em produto animal. O objetivo do estudo foi descrever e explicar os efeitos da frequência de desfolhação (28 e 42 dias), genótipo e estações do ano na composição química, DIVMS, PG, CH4, no perfil dos AGCC e no fator de partição (FP) da Brachiaria brizantha cv. Marandu, Brachiaria híbrida cv. Mulato II (Convert HD 364®) e do Tifton 85 (Cynodon spp.), cultivados em 2012/2013. A matéria seca (MS%) da forragem cortada a cada 42 dias aumentou nos dois anos de experimento e diminuiu para o Marandu e o Mulato II. A matéria mineral (MM) na forragem aumentou em corte de 42 dias e no 2º ano. A matéria orgânica (MO) foi maior para o Marandu e Mulato II nas duas frequências de corte, comparada com a do Tifton 85. As médias mais baixas de fibra em detergente neutro (FDN), ácido (FDA) e extrato etéreo (EE) foram observadas no corte de 28 dias segundo a ordem: FDN, MM, FDA Tifton 85 >Marandu > Mulato e para DIVMS foi Marandu > Mulato II > Tifton 85 no outono-inverno. A PG foi superior para todos os genótipos na primavera-verão em relação ao outono-inverno. Contrariamente, o CH4 teve aumentos de 11,7% (Marandu), 29,2% (Mulato) e 41,4% (Tifton 85), no outono-inverno. O volume de CH4 das espécies foi diferente nas colheitas de 28 d de rebrotação. O FP variou pouco entre frequências, mas sim com a as estações do ano. A relação estequiométrica do acetato, propionato, e butirato foi 6,2:3,0:1,0 (estação) a 7,5:3,2:1,0 (ano). As relações acetato: propionato e TAGCC: MSD tiveram padrão de variação constante ao longo dos tratamentos. Conclui-se que a DIVMS e o perfil de AGCC são menos afetados pelas estações do ano do que pelas frequências de corte e estas praticas tendem a melhorar a qualidade da forragem colhida na frequência de rebrotação mais longa. Os teores de PB, CC, MO, EE foram altos nas duas frequências de corte e no inverno.
Título em inglês
Chemical composition, in vitro rumen gas production, short chain volatile fatty acids of tropical forage grasses
Palavras-chave em inglês
Animal nutrition
Enteric fermentation
In vitro digestibility
Methane
Tropical forage grasses
Volatile fatty acids
Resumo em inglês
Ruminant feed analysis characterizes nutritional quality as described by its chemical composition (CC). The CC of forage grasses, however, varies with edaphoclimate, agronomic management (soil fertility, irrigation and harvesting frequency), which can change dry matter degradability (DMD), rumen gas production (GP), CH4, and volatile fatty acids (VTA) profile in the rumen, impacting animal production efficiency. The introduction of such practices in Brachiaria and Cynodon spp. Production system may enhance the production of green, high quality and nutritional forage. Hydrolyzed forage results in VFA, the energy that generate milk and meat. However, tropical grasses diets, rich in fiber, contribute for green house gas (GHG) and bring controversies in the system associated to the atmosphere global warming.The international community calls for GHG reduction quantifying the amount produced in the system. Economically, the emission of CH4 by the animal represents 2-12% energy loss that could be converted into animal products. The objective of the study is to describe and explain the effects of clipping frequency (28 and 42 days interval), season and year on CC, GP, CH4, in vitro DMD and PF of Brachiaria brizantha cv. Marandu, Brachiaria Hybrid cv. Mulato II (Convert HD 364®) and Tifton 85 [Cynodon dactylon (L.)], under intensive management, form 2011 to 2013. Forage desfoliated at 42 days (d) intervals increased dry matter (DM) and ash (MM) content of Tifton 85 and Brachiaria sp., respectively. Organic matter (MO) of Marandu and Mulato II is high on both cutting frequencies compared to that of Tifton 85.The lowest NDF, ADF and EE were recorded at 28d forage regrowth. The ranking of NDF, MM, FDA for forage was Tifton 85> Marandu> Mulato) and IVDMD (Marandu> Mulato II> Tifton 85) in autumn-winter. Gas production was high for all species in summer-spring than autumn-winter, while CH4 increased 11.7% (Marandu), 29.2% (Mulato II) and 41.4% (Tifton 85), in autumn-winter. Harvesting at 28 d interval changed CH4 yield for the species. The FP varied sitghtly between frequencies, but with the seasons. The averages of acetic, propionic, butyric acids followed stachiometric relationship of 6.2: 3.0: 1.0 to 7.5: 3.2: 1.0 for season and year. The acetate to propionate and AGCC to MSD ratio had constant pattern but changed over treatments. We conclude that fertilized and irrigated grasses's IVDMD and VFA are less affected by the seasons than the harvesting frequencies and these practices improve the quality of harvested forage in both regrowth frequencies. Forage PB, CC, MO and EE are higher in both summer and winter as well as in the long cutting interval.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DO7306038COR.pdf (1.49 Mbytes)
Data de Publicação
2015-02-11
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.