• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.74.2018.tde-17102018-135358
Documento
Autor
Nome completo
Daniel Silva Antonelo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Pirassununga, 2018
Orientador
Banca examinadora
Silva, Saulo da Luz e (Presidente)
Castillo, Carmen Josefina Contreras
Chardulo, Luis Artur Loyola
Cônsolo, Nara Regina Brandão
Goulart, Rodrigo Silva
Pereira, Angélica Simone Cravo
Título em português
Desempenho, características de carcaça e qualidade de carne de bovinos de diferentes grupos genéticos suplementados com ácidos graxos poli-insaturados
Palavras-chave em português
Análise sensorial
Crescimento animal
Gordura intramuscular
Óleo de soja
Perfil de ácidos graxos
Resumo em português
Este trabalho foi desenvolvido para avaliar o efeito da suplementação com ácidos graxos poli-insaturados (AGPI) sobre o desempenho, características de carcaça e qualidade de carne de bovinos de diferentes predisposições genéticas para deposição de gordura intramuscular (GIM). Foram utilizados 60 machos não-castrados, dos quais 30 Nelore (NE) e 30 cruzados Nelore x Aberdeen Angus (NA), com uma média de 363 ± 28 kg de peso vivo inicial e 24 meses de idade. Os animais foram designados a um delineamento em blocos casualizados (peso vivo inicial) com um arranjo fatorial 2 x 2 (dieta e grupo genético), usando 15 repetições por tratamentos. Os animais foram alimentados durante 133 dias com uma das seguintes dietas: CO - dieta controle, sem adição de óleo de soja; OS - dieta controle contendo 3,5% de óleo de soja em substituição ao milho grão moído. Foi analisado o ganho médio diário (GMD), a eficiência alimentar (EA), a ingestão de matéria seca (IMS) e o peso vivo animal. No abate, foi avaliado o peso (PCQ) e o rendimento (RCQ) de carcaça quente, bem como a área de olho de lombo (AOL), a espessura de gordura subcutânea (EGS) e o escore de marmorização da carne. Amostras do músculo Longissimus foram utilizadas para avaliação da força de cisalhamento (CS), comprimento de sarcômero, análise sensorial e metaboloma da carne, bem como a vida útil e oxidação lipídica e o perfil de ácidos graxos e sua implicação na saúde humana. Todos os dados foram analisados utilizando o procedimento MIXED do software SAS. Não houve interação entre dieta e grupo genético para a maioria das características avaliadas, de modo que seus efeitos podem ser considerados separadamente. Animais alimentados com a dieta OS apresentou maior GMD (P = 0,0392) e EA (P = 0,0020) sem modificar a IMS e as características de carcaça quando comparado aos alimentados com a dieta CO. Não houve efeito da dieta em relação à FC e a cor da carne, porém a carne dos animais alimentados com OS apresentaram menores notas de aceitação geral (P < 0,0001), maciez (P < 0,0001) e suculência (P = 0,0009), além de uma tendência de menores notas de sabor (P = 0,0533) quando comparados aos animais CO. Não houve efeito da dieta sobre a quantidade de GIM, porém a carne de animais alimentados com a dieta OS tiveram menor proporção dos ácidos graxos da família n3 (P = 0,0287), reduzindo também a relação n-6:n-3 (P = 0,0256) e o índice de qualidade (P = 0,0133) da carne para a saúde humana. Em relação ao grupo genético, os animais NA tiveram maior IMS (P = 0,0479) e tenderam a ter maior GMD (P = 0,0907) e peso vivo ao abate (P = 0,0596) do que animais NE, sem alterar a EA e qualquer característica de carcaça. Não houve efeito do grupo genético em relação à FC, porém a carne dos animais NE apresentaram maiores notas de aceitação geral (P = 0,0440) e sabor (P = 0,0444) do que as dos animais NA. A carne de animais NE apresentaram maiores valores de L* (P = 0,0003) e b* (P = 0,0023) e, consequentemente, maiores valores de croma (P = 0,0358) e ângulo de inclinação (P = 0,0073) comparados à carne de animais NA. Não houve efeito do grupo genético sobre a quantidade de GIM, além de nenhuma modificação na proporção de ácidos graxos. Além disso, o metaboloma da carne foi modificado (P < 0,10) tanto pela dieta quanto pelo grupo genético em 8 e 15 metabólitos, dos 31 identificados, respectivamente. Isoleucina, glicerol, carnitina e betaína tiveram maior concentração na carne de animais alimentados com OS, enquanto que glutamina, glutamato, carnosina e fumarato foram mais presentes no grupo CO. Por outro lado, acetato, succinato, glutamato, colina, glicose, carnosina, acetil-carnosina, glicerato, anserina e inosina monofosfato tiveram maior concentração na carne de animais NE, enquanto que isoleucina, alanina, metionina, creatinina e glicina foram mais presentes na carne de animais NA. Em conclusão, a suplementação com AGPI melhora os índices de desempenho, mas piora as características sensoriais e o índice de qualidade da carne para a saúde humana, independentemente do grupo genético alimentado. Do mesmo modo, a utilização de animais NA melhora os índices de desempenho, mas piora as características sensoriais da carne, enquanto que o grupo genético tem efeitos mínimos sobre o perfil de ácidos graxos da carne e consequentemente não altera a saudabilidade da carne, independentemente da dieta ofertada. Além disso, a partir dos resultados do metaboloma da carne pode-se sugerir que a quantidade de alguns metabólitos, como a carnosina e o glutamato, pode estar relacionada com mudanças na avaliação sensorial do consumidor, principalmente em relação ao sabor da carne.
Título em inglês
Performance, carcass traits and meat quality of cattle from different genetic groups supplemented with polyunsaturated fatty acids
Palavras-chave em inglês
Animal growth
Fatty acid profile
Intramuscular fat
Sensory analysis
Soybean oil
Resumo em inglês
This work was carried out to evaluate the effect of supplementation with polyunsaturated fatty acids (PUFA) on performance, carcass traits, meat quality attributes and meat metabolome of cattle from different genetic predispositions for intramuscular fat (IMF) deposition. Sixty non-castrated animals, 30 Nellore (NE) and 30 crossbred Nellore x Angus (NA), with an average of 363 ± 28 kg initial body weight and 24 months old, were used in this study. The animals were assigned to a randomized complete block design (initial body weight), with a 2 x 2 factorial arrangement (diet and genetic group), using 15 replicates per treatment. They were evaluated in a 133-d feeding study with one of the following diets: CO - control diet without soybean oil inclusion; SO - control diet containing 3.5% soybean oil inclusion replacing the ground corn grain. Average daily gain (ADG), feed efficiency (G:F), dry matter intake (DMI), and body weight were evaluated. At slaughter, hot carcass weight (HCW), dressing percentage (DP), Longissimus muscle area (LMA), backfat thickness (BFT), and meat marbling score were also evaluated. Samples from Longissimus muscle were used to evaluate the shear force (SC), length of sarcomere, sensorial analysis and meat metabolome were evaluated, as well as shelf life, lipid oxidation, and fatty acid profile and their implication in human health. All data were analyzed using the MIXED procedure of SAS software. There was no diet x genetic group interaction for most traits evaluated, so their effects can be considered separately. In relation to the diet, SO treatment increased ADG (P = 0.0392) and G:F (P = 0.0020) without modifying the DMI and any carcass traits when compared to the CO treatment. There was no effect of the diet in relation to the meat SF and color, but the meat from animals fed SO had lower grades for overall liking (P < 0.0001), tenderness (P < 0.0001) and juiciness (P = 0.0009), besides a trend for lower flavor scores (P = 0.0533) when compared to animals fed CO. No effect of the diet on the amount of IMF was observed, but the meat of animals fed SO diet had a reduction in the proportion of n-3 fatty acids (P = 0.0287), also reducing the n-6: n-3 ratio (P = 0.0256) and the meat quality index (P = 0.0133) for human health. In relation to the genetic group, NA animals had higher IMS (P = 0.0479) and tended to have higher ADG (P = 0.0907) and body weight at slaughter (P = 0.0596) than NE animals, without modifying G:F and any characteristic evaluated in the carcass. No effect of the genetic group on the SF was observed, but the meat from NE animals had higher ratings for overall liking (P = 0.0440) and flavor (P = 0.0444) when compared to the NA animals. In addition, the meat from NE animals had higher values of L* (P = 0.0003) and b* (P = 0.0023) and, consequently, higher values of chroma (P = 0.0358) and hue angle (P = 0.0073) compared to meat from NA animals. There was no effect of the genetic group on the amount of IMF, without any modification in the proportion of fatty acids. Moreover, the meat metabolome was modified (P < 0.10) by both the diet and the genetic group in 8 and 15 metabolites of the 31 identified, respectively. Isoleucine, glycerol, carnitine and betaine had higher concentrations in the meat from animals fed SO, whereas glutamine, glutamate, carnosine and fumarate were in greater concentration in the CO meat. On the other hand, acetate, succinate, glutamate, choline, glucose, carnosine, acetyl-carnosine, glycerate, anserine and inosine monophosphate had higher concentrations in NE meat, whereas isoleucine, alanine, methionine, creatinine and glycine were in greater concentration in the NA meat. In conclusion, PUFA supplementation improves performance rates, but it worsens the sensory characteristics and meat quality index for human health, regardless of the fed genetic group. Similarly, using NA animals improves the performance rates, but it worsens the sensorial characteristics of the meat, whereas the genetic group has minimal effects on the fatty acid profile of the meat and consequently does not alter the healthiness of the meat, regardless of the diet offered. Moreover, from the meat metabolome data, it can be suggested that the amount of some metabolites, such as carnosine and glutamate, may be related to changes in the sensorial evaluation of the consumer, especially in relation to the meat flavor.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DO8435312COR.pdf (1.68 Mbytes)
Data de Publicação
2018-10-31
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.