• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.7.2010.tde-30032010-111338
Documento
Autor
Nome completo
Maria Angélica Mendes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Cruz, Dina de Almeida Lopes Monteiro da (Presidente)
Angelo, Margareth
Lima, Antonio Fernandes Costa
Pettengill, Myriam Aparecida Mandetta
Pimenta, Cibele Andrucioli de Mattos
Título em português
Papel clínico do enfermeiro: desenvolvimento do conceito
Palavras-chave em português
Competência clínica
Formação de conceito
Papel da enfermeira
Relações enfermeiro-paciente
Resumo em português
Recente profusão de novos papéis profissionais do enfermeiro e mudanças nas práticas da enfermagem têm sido descritas mundialmente e exercem impacto no tipo de cuidado provido e nas formas de sua provisão. O interesse deste estudo é a ideia de papel clínico, que, apesar de ser uma expressão comumente usada no cotidiano, é pouco explorada em termos conceituais. Este estudo teve como objetivo desenvolver o conceito de papel clínico do enfermeiro. A Metodologia de Análise Qualitativa de Conceito foi aplicada em suas três fases: Identificação dos Atributos, Verificação dos Atributos e Identificação das Manifestações do Conceito. Na primeira fase, os atributos abstratos e universais do conceito foram identificados, utilizando-se a Análise Crítica da Literatura, que resultou no estudo de 24 publicações. Na segunda fase, aplicou-se a Teoria Fundamentada nos Dados para verificar os atributos do papel clínico na experiência do enfermeiro. Nessa fase, realizou-se estudo com sete enfermeiros assistenciais do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo. Os dados foram coletados por entrevistas abertas, que foram analisadas e interpretadas em categorias inter-relacionadas, com a derivação de um modelo teórico da experiência do papel clínico do enfermeiro. Na terceira fase, os dados das fases anteriores foram comparados e integrados, possibilitando a proposição teórica do conceito. Os resultados da análise evidenciaram que papel clínico do enfermeiro é um processo psicossocial resultante da interação do enfermeiro com o paciente, com o contexto e consigo mesmo. Autonomia clínica configurou-se como elemento central da interação do enfermeiro com o paciente na experiência do papel clínico. O significado da experiência do papel clínico foi expresso no empoderamento do enfermeiro pelo exercício da autonomia clínica, que mostra o alcance de resultados manifestados na própria interação do enfermeiro com o paciente, consigo mesmo ou com o contexto. Os dados indicaram ter o paciente como o centro do cuidado, ter finalidades e intencionalidade como atributos principais do papel clínico. O desempenho do papel clínico requer que o enfermeiro tome posse da autonomia clínica, que a exerça nas interações e nas ações junto ao paciente e se perceba empoderado por esse exercício. Papel clínico é uma competência que se articula como uma forma de poder, mediado pela autonomia clínica. A autonomia clínica concede ao enfermeiro o poder de pensar, de imaginar, de planejar o cuidado e de influir na saúde do paciente. A análise do conceito do papel clínico contribuirá para reflexões sobre as dimensões envolvidas na prática e no ensino de enfermagem e para informar não só as políticas de ensino e de práticas profissionais, mas também as políticas de saúde.
Título em inglês
The clinical role of the nurse: concept development
Palavras-chave em inglês
Clinical competence
Concept formation
Nurse-patient relations
Nurses role
Resumo em inglês
Recent profusion of new professional roles of the nurse and changes in the practice of nursing have been worldwide described and have an impact on the type of care provided as well as on the forms of its provision. The interest of this study is the idea of the clinical role, which inspite of being a commonly used daily expression, is little explored in conceptual terms. This study has had as an objective the development of the concept of the clinical role of the nurse. The Methodology of Qualitative Analysis of Concept has been applied in its three phases: Identification of the Attributes, Verification of the Attributes and Identification of the Manifestations of the Concept. In the first phase, abstract and universal attributes of the concept have been identified using Critical Analysis of Literature, which resulted in the study of 24 publications. In the second phase, Grounded Theory has been applied to verify the attributes of the clinical role in the nurses experience. In this phase, a study has been carried out with seven assistential nurses from the São Paulo Universitys Hospital. Data has been collected by open interviews, which has been analysed and interpreted in interrelated categories, deriving to a theorical model of the nurses clinical roles experience. In the third phase, the data of the previous phases were compared and integrated, permitting the theorical proposition of the concept. The results of the analysis have proved that the nurses clinical role is a psychosocial process resulting from the interaction of the nurse with the patient, with the context and with himself. Clinical autonomy has configured as a central element in the interaction of the nurse with the patient in the clinical roles experience. The significance of the clinical roles experience has been expressed in the empowerment of the nurse through the exercise of clinical autonomy, which shows the range of achieved results shown in the nurses interaction with the patient, with himself or with the context. Data has indicated to have the patient as the center of attention, to have purposes and intentions as the main attributes of the clinical role. The performance of the clinical role requires that the nurse takes lead of the clinical autonomy, exercises it during interactions and actions with the patient and feels empowered by this exercise. The clinical role is an ability which, through clinical autonomy, is articulated as a form of power. Clinical autonomy concedes the nurse the power to think, to imagine, to make care plans and to influence the patients health. The analysis of the clinical roles concept will help to have reflections about the dimensions involved in the practice and teaching of nursing and to inform, not only the educational and professional practices politics, but health politics as well.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2010-05-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.