• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Ana Cristina Balsamo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2009
Orientador
Banca examinadora
Graziano, Kazuko Uchikawa (Presidente)
Muller, Suzana
Ribeiro, Silma Maria Cunha Pinheiro
Schneider, Rene Peter
Silva, José Guilherme Nogueira da
Título em português
Avaliação da eficácia da limpeza e desinfecção de alto nível na remoção do biofilme em canais de endoscópios
Palavras-chave em português
Biofilme
Desinfecção
Endoscópio
Enfermagem em central de material
Limpeza
Resumo em português
Os endoscópios são equipamentos aprovados para serem reutilizados, apesar de apresentarem estrutura interna complexa, composta por canais longos com lúmens estreitos, o que permite a aderência de matéria orgânica e microrganismos, favorecendo assim a formação de biofilmes. Estes dificultam o processamento eficaz, representando um desafio no reuso desses equipamentos. A formação do biofilme é inevitável ao longo do processamento dos endoscópios e há grande dificuldade em removê-lo completamente. Em razão disso, pesquisas atuais apontam-no como possível responsável pela transmissão de infecções exógenas e efeitos adversos que se manifestam em pacientes submetidos a endoscopias gastrointestinais. Essa realidade tem trazido à tona a preocupação em erradicá-lo. Assim, este estudo teve como objetivos avaliar a ação da desinfecção de alto nível na remoção de biofilme após limpeza prévia com escovação em corpos amostrais, simulando os canais de endoscópios flexíveis e comparar os produtos comercialmente disponíveis no mercado nacional para a remoção do biofilme dos endoscópios. Trata-se de uma pesquisa experimental, laboratorial e comparativa. Foram utilizados tubos de revestimento interno de politetrafluoretileno (Teflon®) e a Pseudomonas aeruginosa como microrganismo teste, formadora de biofilme. Foi montado um modelo validado para o desenvolvimento do biofilme. Os corpos amostrais contaminados foram submetidos inicialmente ao processo manual de limpeza com detergente enzimático e escovação. Em seguida, os corpos amostrais foram submetidos a cinco métodos de desinfecção de alto nível, quais sejam: o ácido peracético com concentração de 0,09% a 0,15%, o sistema Steris®, o glutaraldeído a 2%, e a água eletrolítica ácida. Foram extraídos três segmentos, de aproximadamente três milímetros representando o início, meio e fim de cada corpo amostral e analisados com o auxílio da microscopia eletrônica de varredura quanto a presença de biofilme. Conclui-se que nenhum método testado removeu 100% dos biofilmes e que essa remoção depende da interação entre o método de limpeza e a desinfecção posterior. Verificou-se que o método que mais removeu fisicamente o biofilme foi o glutaraldeído a 2% em reprocessadora automática, provavelmente justificado pelo double brushing, uma vez que o equipamento tem uma fase de limpeza no início de seu ciclo. O método que se mostrou mais eficaz na remoção de biofilme e outros resíduos constituídos de bactérias isoladas e da matriz de exopolissacarídeos, foi sistema Steris®. O método que se mostrou menos eficaz na remoção do biofilme e outros resíduos foi a água eletrolítica ácida. Considerando que a água é uma fonte de biofilme, sugeri-se utilizar filtros para a água do enxágüe e a rinsagem final dos canais com álcool. A despeito de tecnologias atualmente disponíveis para o processamento de canais dos endoscópios, nenhum dos métodos testados na presente investigação foi completamente eficaz para remover os biofilmes frente ao desafio imposto. Resta, portanto, recomendar que práticas baseadas em protocolos das sociedades sejam rigorosamente seguidas, apesar do tempo requerido para as boas práticas e optar, preferencialmente pelo processo automatizado, a fim de diminuir o erro humano
Título em inglês
Evaluation of cleaning efficacy and high level disinfection whem removing biofilm from endoscopes channels
Palavras-chave em inglês
Biofilm
Cleaning
Disinfection
Endoscopy
Nursing central supply
Resumo em inglês
Endoscope is equipment approved to be reused in spite of its complex internal structure, consisting of long channels with narrowed lumens, allowing adherence of organic material and microorganisms, favoring formation of biofilm, making difficult an effective procedure, which is a challenge in the reuse of this equipment. The biofilm formation during endoscopic procedures is inevitable and it is very difficult to entirely remove it. Consequently, recent researches report it as the probable factor responsible by transmissions of exogenous infections and for the side effects found in patients submitted to gastrointestinal endoscopy procedures. This picture brought the concern to eradicate it. Thus, the objectives of this study were to evaluate the action of high level disinfection to remove biofilm after prior cleaning and brushing in body samples, simulating flexible endoscopic channels and to compare products commercially available in the national market to remove the biofilm from endoscopes. This is an experimental, laboratory and comparative research. Tubes of internal politetrafluorethylen (Teflon) and the Pseudomonas aeruginosa as a test microorganism to form the biofilm. A validated model was designed to develop the biofilm. The contaminated body samples were initially submitted to manual cleaning process with enzymatic cleansing and brushing. Next, these bodies were submitted to five high-level disinfection methods, as follows: peracetic acid at 0.09% and 0.15% of concentration, Steris System, 2% glutaraldehyde and acid electrolytic water. Three segments were removed, measuring approximately three millimeters, representing the beginning, the middle and the end of each body sample. These segments were analyzed by means of screening electronic microscopy in relation to biofilm presence. It was concluded that no tested method removed 100% of biofilm and that this removal depends on the interaction between the cleaning method and later disinfection. It was observed that the most effective procedure to physically remove the biofilm was the 2% glutaraldehyde, in automatic reprocessing method, probably due to double brushing since the equipment had a cleaning phase at the beginning of the cycle. The most effective method to remove the biofilm and other residues of isolated bacteria and of exopolysaccaride matrix was the SterisSystem method. The less effective method to remove biofilm and other residues was the acid electrolic water. Considering that water is the biofilm source, it was suggested to use filters for the water when cleansing and to rinse the channels with alcohol at the end. Regarding new technologies available for processing endoscope channels, none of the tested methods in the present investigation was totally effective to remove biofilm in face of the challenge presented. So, we may suggest that the good practices recommended by the several existing societies be strictly followed, in spite of the time needed for this process. Automated process is suggested as the best option to decrease human error
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-05-20
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.