• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.7.2015.tde-01072015-105252
Documento
Autor
Nome completo
Silvia de Lima Vieira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Padilha, Katia Grillo (Presidente)
Nogueira, Lilia de Souza
Silva, Juliana Bastoni da
Título em português
Carga de trabalho de enfermagem em UTI oncológica: estudo comparativo entre pacientes clínicos e cirúrgicos
Palavras-chave em português
Carga de trabalho enfermagem
Jornada de trabalho enfermagem
Neoplasias
Unidades de Terapia Intensiva da assistência
Resumo em português
Introdução: Os recentes avanços no diagnóstico, tratamento e terapia de suporte têm melhorado o prognóstico e ampliado a sobrevida dos pacientes com câncer. No entanto, ao lado dos benefícios, complicações decorrentes da doença e dos tratamentos têm aumentado o tempo de internação desses pacientes em unidades de terapia intensiva (UTI) clínicas e cirúrgicas, com diferentes demandas de cuidados. Objetivo: Comparar a carga de trabalho de enfermagem entre os pacientes oncológicos clínicos e cirúrgicos admitidos em UTI. Método: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e comparativo, realizado em duas UTIs de um instituto de alta complexidade em oncologia, sendo uma clínica e a outra cirúrgica, no período de abril a junho de 2014. Foram coletados dados demográficos e clínicos dos pacientes e a carga de trabalho de enfermagem, mensurada pelo Nursing Activities Score (NAS). Estatísticas descritivas, testes de associação e correlação foram realizadas para tratamento dos dados, considerando-se valores de p<0,05 para a significância estatística. Resultados: A casuística compôs-se de 766 pacientes adultos admitidos na UTI para tratamento clínico e cirúrgico, com permanência mínima de 24 horas na unidade. A maioria da amostra era do sexo masculino (56,4%), com média de idade 59,8 anos (dp=15,1) para pacientes clínicos e 60,8 anos (dp=13,9) para os pacientes cirúrgicos (p=0,626), cuja permanência na UTI foi em média de 7,2 dias e 4,1 dias respectivamente (p<0,001). Em Comparação com os cirúrgicos, houve predominância de pacientes oncológicos submetidos a tratamento clínico (p<0,001), que apresentaram, em média, maior comorbidade (p<0,001), maior gravidade(p<0,001), presença de metástases (p<0,001), maior tempo de permanência na Unidade (p<0,001) e maior mortalidade (p< 0,001). A média NAS dos pacientes clínicos (88,0%) foi maior que dos cirúrgicos (82,1%), com, (p<0,001). Nos dois tipos de tratamento, pacientes do gênero feminino (p=0,035), não sobreviventes (p< 0,001) e portadores de câncer hematológico e sarcomas/melanomas (p=0,414 e p=0,153, respectivamente) apresentaram carga de trabalho de enfermagem mais elevadas. Observou-se na admissão e saída da UTI, que pacientes não sobreviventes, apresentaram médias NAS maiores em relação aos sobreviventes (p<0,001). Também as intervenções de enfermagem no primeiro dia de internação foram diferentes entre os grupos em 11 (47,8%) dos 23 itens do instrumento do NAS. A carga de trabalho de enfermagem de pacientes clínicos apresentou correlação com a gravidade SAPS3 (p<0,001), enquanto a dos pacientes cirúrgicos correlacionou-se com o Índice de Comorbidade de Charlson e tempo de permanência (p=0,047 e p<0,001, respectivamente). Em todos os meses do estudo, as horas de cuidados requeridas pelos pacientes das UTIs clínica e cirúrgica foram maiores do que as disponíveis pela equipe de enfermagem. Conclusão: Pacientes oncológicos submetidos a tratamento clínico em UTI exigiram maior carga de trabalho comparativamente aos cirúrgicos. Observou-se déficit de horas de enfermagem tanto na UTI clínica como cirúrgica, durante o período do estudo.
Título em inglês
Nursing workload in Oncology ICU: a comparative study between clinical and surgical patients
Palavras-chave em inglês
Assistance Intensive Care Units
Neoplasms
Working hours nursing
Workload nursing
Resumo em inglês
Introduction: Recent advances in diagnosis, treatment and supportive therapy have improved prognosis and increased the survival of patients with cancer. However, along with the benefits, complications of the disease and treatments have increased the length of stay of these patients in clinical and surgical intensive care units (ICUs), with different demands of care. Objective: Compare the nursing workload required by clinical and surgical oncology patients admitted to the ICU. Method: This is a cross-sectional, descriptive and comparative study, carried out in two ICUs of a highly complex oncology institute, being one of them clinical and the other one surgical, from April to June 2014. We have collected demographic and clinical data of patients and the nursing workload, measured by the Nursing Activities Score (NAS). Descriptive statistics, association and correlation tests were performed for data treatment, considering p<0.05 for statistical significance. Results: The study was composed of 766 adult patients admitted to the ICU for clinical or surgical treatment, with a minimum stay of 24 hours at the unit. Most of the sample was composed of male patients (56.4%), with an average age of 59.8 years (standard deviation=15.1) for clinical patients and 60.8 years (standard deviation=13.9) for surgical patients (p=0.626), with an average ICU stay of 7.2 and 4.1 days, respectively (p<0.001). Compared to surgical patients, there was a predominance of oncology patients undergoing clinical treatment (p<0.001), which showed, on average, more comorbidity (p<0.001), greater severity (p<0.001), presence of metastases (p<0.001), increased length of stay at the ICU (p<0.001) and higher mortality rates (p< 0.001). The average NAS in clinical patients (88.0%) was higher than in surgical patients (82.1%), with (p<0.001). In both types of treatment, female patients (p=0.035), non-survivors (p< 0.001) with blood cancer and sarcomas/melanomas (p=0.414 and p=0.153, respectively), showed higher nursing workload. At ICU admission and discharge, we noticed that non-survivors showed higher average NAS when compared to survivors (p<0.001). In addition, nursing interventions on the first day of admission were different between the groups in 11 (47.8%) of the 23 items of the NAS tool. The nursing workload of clinical patients showed correlation with the SAPS3 severity (p<0.001), while the workload of surgical patients was correlated with the Charlson Comorbidity Index and the length of stay (p=0.047 and p<0.001, respectively). During all the months of study, the time of patient care required at the clinical and surgical ICUs was higher than the time available by the nursing team. Conclusion: Oncology patients undergoing clinical treatment at the ICU demanded more workload than surgical patients did. There was a deficit of nursing hours both in the clinical and in the surgical ICU during the study.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-09-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.