• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.61.2013.tde-10092013-103715
Documento
Autor
Nome completo
Andressa Sharllene Carneiro da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2013
Orientador
Banca examinadora
Trindade, Inge Elly Kiemle (Presidente)
Felix, Giedre Berretin
Gonçalves, Cristina Guedes de Azevedo Bento
Título em português
Análise comparativa da atividade velofaríngea aferida por rinometria acústica e nasofaringoscopia
Palavras-chave em português
Fala
fissura palatina
insuficiência velofaríngea
nasofaringe
rinometria acústica
Resumo em português
Objetivo: Analisar a atividade velofaríngea (VF) de indivíduos com disfunção velofaríngea (DVF) aferida por rinometria acústica, comparativamente à atividade observada por nasofaringoscopia. Modelo: Estudo clínico prospectivo. Participantes: 25 indivíduos com fissura de palato±lábio reparada e DVF residual, adultos, de ambos os sexos. Variáveis analisadas: Variação volumétrica da nasofaringe (V) na produção da plosiva velar /k/ relativamente ao repouso, aferida por rinometria, e, padrão e extensão do movimento VF no /k/, avaliados por juízes, em registros nasofaringoscópicos. Resultados: Observou-se uma redução média no volume da nasofaringe (V) de 15%, significantemente menor (p<0.05) que a variação percentual de referência (30%). Em 72% dos pacientes, a redução foi <3cm3, resultado compatível com o diagnóstico da DVF, e em 28%, foi 3cm3, apesar da DVF. O padrão de gap circular (CI) foi observado em 76% dos casos e o coronal (CO) em 24%. A extensão do movimento VF foi julgada adequada(A), moderada(M) e inadequada(I) em 64%, 24% e 18%, respectivamente. O V não diferiu entre CI e CO e entre A, M e I. Tendência a aumento do V com o aumento da extensão do movimento foi observada. A concordância entre os métodos no diagnóstico da DVF ocorreu em 56% dos casos. Conclusão: A rinometria foi capaz de identificar o comprometimento da atividade VF na maioria dos indivíduos estudados. Contudo, a variação volumétrica da nasofaringe não mostrou correlação com o padrão e a extensão do movimento VF, possivelmente por questões metodológicas. Estudos complementares são necessários para definir a acurácia do teste rinométrico na identificação da DVF.
Título em inglês
Comparative analysis of velopharyngeal activity assessed by acoustic rhinometry and nasoendoscopy
Palavras-chave em inglês
Acoustic rhinometry
cleft palate
nasopharynx.
speech
velopharyngeal insufficiency
Resumo em inglês
Objective: To analyze velopharyngeal (VP) activity of subjects with VP dysfunction (VPD) by acoustic rhinometry, compared to the activity observed by nasoendoscopy. Model: Prospective clinical study. Participants: 25 adults with repaired cleft palate±lip and residual VPD, of both genders. Outcome measures: Nasopharyngeal volume change (V) during the production of the velar plosive /k/ compared to the rest condition, measured by rhinometry, and VP closure pattern and VP structures movement during /k/ production, rated by blinded judges by observing nasoendoscopy recordings. Results: A mean nasopharyngeal volume decrease of 15% was observed, significantly lower (p<0.05) than the reference percentage of change (30%). In 72% of patients reduction was <3cm3, compatible with VPD diagnosis, and in 28%, there was a change 3cm3, despite VPD. A circular gap (CI) was observed in 76% of patients and a coronal gap (CO) in 24%. The VP movement was judged to be adequate (A), moderate (M) and inadequate (I) in 64%, 24% and 18%, respectively. V did not differ between CI and CO and between A, M and I. A tendency for a V increase with increasing VP movement was observed. Absolute agreement between the two methods was observed in 56% of patients. Conclusion: Rhinometry was able to identify the impairment of VP activity in most subjects. However, nasopharyngeal volume changes showed no correlation with the pattern and range of VP movement, possibly due to methodological issues. Additional studies are needed to define the rhinometric test's accuracy in identifying VPD.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DissAndressaSilva.pdf (1.57 Mbytes)
Data de Publicação
2013-09-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.