• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Fernanda Sabatini
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Scagliusi, Fernanda Baeza (Presidente)
Akerman, Marco
Batista, Sylvia Helena Souza da Silva
Jaime, Patrícia Constante
Título em português
Os efeitos de uma intervenção interdisciplinar, não prescritiva e pautada na abordagem "Health at Every Size®" nas percepções de mulheres na condição de obesidade acerca do prazer alimentar
Palavras-chave em português
Health at Every Size®
Intervenção Não Prescritiva
Mulher
Obesidade
Prazer
Resumo em português
Introdução: Novas condutas terapêuticas e de prevenção frente à obesidade tornam-se objetos de estudo, entre elas a abordagem Health at Every Size® (HAES®). A abordagem HAES® aponta para o prazer em comer como crucial para a promoção de saúde e sustentabilidade no tratamento. A condenação cultural do prazer em paralelo à negligência do prazer no tratamento da obesidade forma um cenário de crítica, em que a mulher obesa é alvo de múltiplas desvantagens, entre elas a culpabilização do comer. Assumimos, para este estudo, a importância de aprofundar-se nas relações entre novas perspectivas no cuidado à mulher obesa e o estímulo ao prazer em comer. Objetivos: Investigar as percepções de mulheres na condição de obesidade acerca do prazer em comer antes e após uma intervenção interdisciplinar, não prescritiva e pautada na abordagem do HAES®. Métodos: Estudo qualitativo a partir de um ensaio clínico randomizado controlado com seguimento de sete meses nos anos de 2015 e 2016. Incluiu 97 mulheres na condição de obesidade de 25 a 50 anos de idade, com índice de massa corporal entre 30 e 39,9Kg/m², sendo alocadas em dois grupos: Intervenção e Controle. Ao final do estudo, 39 mulheres concluíram no grupo Intervenção (62,90 por cento ) e 19 concluíram no Controle (54,28 por cento ). Para os dois grupos, as atividades tiveram como linha condutora a abordagem do HAES®. O grupo Intervenção trouxe uma proposta original, com oferta de atividade física 3 vezes na semana, acompanhamento nutricional individual e oferta de discussões no formato de cinco oficinas filosóficas. O grupo Controle baseou-se ao modelo tradicional de aplicação da abordagem HAES®, com palestras expositivas bimestrais. A construção dos dados ocorreu a partir de grupos focais. Para análise das transcrições dos grupos, foi realizado o método de Análise de Conteúdo, sendo construídos temas pela técnica de Cutting e Sorting, os quais fundamentaram a argumentação teórica neste estudo. Resultados: Vinte e três temas sobre as percepções do prazer em comer das mulheres estudadas foram construídos. Após a intervenção, foram construídos de maneira significativa para o grupo Intervenção temas sobre maior autocontrole e reflexão sobre os próprios desejos; sensação de empoderamento para escolher o que e quando comer; aumento do prazer em comer acompanhada; aumento do prazer em comer comidas feitas por si própria; aumento dos discursos sobre comer sem culpa; diminuição da sensação de não sentir prazer e ainda diminuição do comer por emoções como ansiedade. Conclusão: A nova intervenção proposta promoveu efeitos positivos na relação das mulheres com o prazer em comer, evidenciando a desculpabilização do prazer em comer e melhora de outros aspectos da prática alimentar, como a comensalidade. Percebemos que este efeito se deu sobretudo a partir do estímulo a um processo reflexivo sobre corpo, comida e saúde, ficando claro que o prazer em comer sem culpa é um desfecho necessário quando falamos da saúde da mulher obesa
Título em inglês
Effects of a non-prescriptive and interdisciplinary intervention based on Health at Every Size approach in obese women perceptions about pleasure of eating
Palavras-chave em inglês
Health at Every Size®
Non-prescriptive Intervention
Obesity
Pleasure
Woman
Resumo em inglês
Introduction: New therapies and prevention practices directed to obesity become objects of study. The Health at Every Size® (HAES®) approach is one of them. The HAES® approach indicate the pleasure in eating as crucial for health promotion and sustainability of treatments. The cultural condemnation of pleasure and its disregard in the treatment of obesity created a critic scenario in which the obese woman is target of multiple disadvantages, such as blame for eating. We assume, for this study, the importance to deepen the relationship between new approaches to the care of obese woman and the encouragement of pleasure of eating. Objectives: To investigate obese women perceptions about the pleasure of eating, before and after an interdisciplinary, non-prescriptive and based on HAES® approach intervention. Methods: Qualitative study branch of a randomized controlled clinical trial, conducted over seven months in 2015 and 2016. It included 97 obese women, with 25 to 50 years old, with a body mass index between 30 and 39, 9 kg/m². The women were randomized to two groups: intervention and control. At the end, 39 women concluded in the Intervention Group (62.90 per cent ) and 19 in Control Group (54.28 per cent ). The two groups received activities based on HAES® approach. The Intervention Group, however, brought an original proposal, with physical activity 3 times a week, individual nutritional counseling and philosophical discussions in form of workshops. The Control Group received traditional model of HAES® approach application, with bimonthly expository lectures. The data construction occurred from Focus Groups. Analysis of the Focus Groups transcripts was conducted with Analysis of Content method, in which themes were built of Cutting and Sorting technique, and were used to theoretical arguments that substantiated this study. Results: Twenty-three themes about the perceptions of pleasure in eating of the studied women were built. After the intervention, more significantly for the Intervention Group, themes manifested greater self-control on the own desires; increased hunger and satiety response; sense of empowerment to choose what and when to eat; increase of the pleasure in eating accompanied; increase of the pleasure in eating food made by herself; increase of speeches about "eat without guilt"; decreased perception of not feeling pleasure and even decreased eating by emotions such as anxiety. Conclusion: The new proposed intervention promoted positive effects on women's relationship with pleasure in eating, showing decrease of guilt on pleasure in eating and improvements of other aspects of the eating practices, such as commensality. We realize that this effect occurred mainly due to stimulus to a reflection about body, food and health, becoming clear that the pleasure in eating without guilt is a necessary outcome when we talk about obese woman health
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-11-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.