• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.6.2018.tde-08102018-081017
Documento
Autor
Nome completo
Paulo Augusto Ribeiro Neves
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Cardoso, Marly Augusto (Presidente)
Bloch, Katia Vergetti
Gigante, Denise Petrucci
Rondo, Patricia Helen de Carvalho
Saunders, Claudia
Título em português
Estado nutricional de vitamina A na gravidez e associação com desfechos materno-infantis no estudo MINA-Brasil
Palavras-chave em português
Anemia
Deficiência de Vitamina A
Estudos Longitudinais
Gravidez
Peso ao Nascer
Resumo em português
Introdução - Exposições adversas relacionadas ao estado nutricional na gestação têm sido associadas a desfechos desfavoráveis para a saúde materno-infantil. Nesse contexto, a deficiência de vitamina A (VA) é uma das carências nutricionais mais relevantes para a saúde dessa parcela da população, especialmente nos países em desenvolvimento. Objetivos - a) investigar preditores da concentração de retinol sérico no início do terceiro trimestre de gestação (Artigo 1), b) investigar a associação entre estado nutricional de VA durante a gestação e anemia materna no parto e peso ao nascer (Artigo 2) e c) investigar a prevalência e fatores associados com a cegueira noturna gestacional (XN) e anemia materna no parto (Artigo 3) em Cruzeiro do Sul, Acre, Amazônia Ocidental Brasileira. Métodos - Trata-se de estudo de coorte de nascimentos (MINA-Brasil: Saúde e Nutrição Materno-Infantil no Acre), a partir do recrutamento de gestantes do município. Entre fevereiro/2015 e maio/2016, gestantes inscritas no prénatal da área urbana foram rastreadas (n = 587) e dois inquéritos realizados: 1ª avaliação com 16-20 semanas de gravidez e a 2ª avaliação com 27-30 semanas de gestação. Informações sobre condições sociodemográficas, ambientais, histórico de saúde e estilo de vida, medidas antropométricas, coleta de sangue em jejum e exame de ultrassonografia foram obtidas pela equipe de pesquisa. Posteriormente, entre julho/2015 e junho/2016, foi realizado registro diário das internações para parto na única maternidade do município com coleta de informações sobre desfechos de interesse para o presente estudo. Modelos de regressão múltiplos de Poisson e lineares foram utilizados nas análises estatísticas, ao nível de significância P<0,05. Resultados - No Artigo 1 (n = 422), a presença de fumante no domicílio foi inversamente associado às concentrações de retinol sérico na gravidez (β: -0,087; IC 95%: -0,166, -0,009); por outro lado, a sazonalidade (inverno amazônico - β: 0,134; IC 95%: 0,063, 0,206), o consumo semanal de frutos amazônicos (ricos em carotenoides - β: 0,087; IC 95%: 0,012, 0,162) e a concentração de retinol entre 16-20 semanas de gestação (β: 0,045; IC 95%: 0,016, 0,074) foram positivamente associados à concentração de retinol sérico no início do terceiro trimestre gestacional. No Artigo 2 (n = 488), independente do momento avaliado na gestação, a deficiência de VA foi associada ao risco para anemia materna (RP: 1,39; IC 95%: 1,05, 1,84) e inversamente associada com as concentrações de hemoglobina materna no parto (β: -3,34; IC 95%: -6,48, -0,20), após ajuste para covariáveis. No mesmo sentido, associação inversa também foi observada para o peso ao nascer (β: -0,10; IC 95%: -0,20, -0,00), contudo, perdendo a significância estatística após ajuste para concentrações de ferritina plasmática. No Artigo 3 (n = 1.525), altas prevalências de cegueira noturna gestacional (11,54%) e anemia materna no parto (39,38%) foram encontradas nesta população. Os fatores associados à cegueira noturna foram o número de pessoas no domicílio (cinco ou mais- RP: 2,06; IC 95%: 1,24, 3,41), fumo na gestação (RP: 1,78; IC 95%: 1,15, 2,78) e ter realizado menos de seis consultas de pré-natal (RP: 1,61; IC 95%: 1,08, 2,40). Os fatores associados à anemia materna foram: ser adolescente (< 19 anos - RP: 1,18; IC 95%: 1,01, 1,38), malária na gestação (RP: 1,22; IC 95%: 1,01, 1,49), não ter usado suplementos na gestação (RP: 1,27; IC 95%: 1,01, 1,62) e o número de consultas de pré-natal (< 6 consultas - RP: 1,40; IC 95%: 1,15, 1,70) Conclusão - Em município da Amazônia Ocidental Brasileira, a carência de VA associou-se ao risco para anemia no parto e foi inversamente associada à hemoglobina materna e o peso ao nascer do bebê. Estratégias e ações para promoção da alimentação saudável e nutrição da mulher no pré-natal precisam ser reavaliadas visando redução dos efeitos adversos da carência de VA para o binômio mãe-filho.
Título em inglês
Vitamin A status during pregnancy and its association with mother-infant outcomes in the MINA-Brazil study
Palavras-chave em inglês
Anemia
Birth Weight
Longitudinal Studies
Pregnancy
Vitamin A Deficiency
Resumo em inglês
Introduction - Adverse exposures related to antenatal nutrition care have been associated with poor maternal and child outcomes. In this sense, vitamin A (VA) deficiency is a relevant public health issue for this vulnerable population, especially in developing countries. Objectives - a) to investigate the predictors of serum retinol at the beginning of the third trimester of pregnancy (Article 1), b) to investigate associations between the VA status during pregnancy with the occurrence of maternal anemia and birth weight (Article 2), and c) to investigate the prevalence, as well as the associated factors with gestational night blindness and maternal anemia (Article 3) in Cruzeiro do Sul, Acre State, Western Brazilian Amazon. Methods - Prospective birth cohort study (MINA-Brazil: Maternal and Child Health and Nutrition in Acre State), starting with recruitment of pregnant women. Between February/2015 and May/2016, pregnant women registered in antenatal clinics in the urban area of Cruzeiro do Sul were screened (n = 587) and two follow-up surveys were performed: the 1st one between 16 to 20 weeks of pregnancy and the 2nd one between 27 to 30 weeks of pregnancy. Socioeconomic, environmental, health history and lifestyle, anthropometric measures, blood samples, and ultrasounds data were gathered by the research team. Subsequently, between July/2015 and June/2016, daily visits to the municipal maternity hospital were performed in order to register all births and the outcomes of interest for this study. Multiple Poisson and linear regression models were used for statistical analysis, at P<0.05. Results - In the Article 1 (n = 422), having a smoker in the household was inversely associated with serum retinol in pregnancy (β: -0.087; 95% CI: -0.166, - 0.009); on the other hand, the seasonality (Amazonian winter - β: 0.134; 95% CI: 0.063, 0.206), the weekly consumption of Amazonian carotenoid-rich fruits (β: 0.087; 95% CI: 0.012, 0.162), and serum retinol in the first assessment (β: 0.045; 95% CI: 0.016, 0.074) were positively associated with serum retinol at the beginning of the third trimester of pregnancy. In the Article 2 (n = 488), regardless the period assessed, VA deficiency was associated with the risk for maternal anemia (PR: 1.39; 95% CI: 1.05, 1.84), as well as it was inversely associated with maternal serum hemoglobin (β: -3.34; 95% CI: -6.48, - 0.20), after adjustment for covariates. Similarly, inverse association was observed for the birth weight (β: -0.10; 95% CI: -0.20, -0.00), even though it was no longer associated after adjustment for plasma ferritin. In the Article 3 (n = 1,525), high prevalence rate of gestational night blindness (11.5%) and maternal anemia (39.4%) were observed. Associated factors with gestational night blindness were the number of people in the household (five or more- PR: 2.06; 95% CI: 1.24, 3.41), smoking during pregnancy (PR: 1.78; 95% CI: 1.15, 2.78), and the completeness of less than six antenatal care visits (PR: 1.61; 95% CI: 1.08, 2.40). Associated factors with maternal anemia were being teenage (< 19 years - PR: 1.18; 95% CI: 1.01, 1.38), gestational malaria (PR: 1.22; 95% CI: 1.01, 1.49), did not use any supplementation during pregnancy (PR: 1.27; 95% CI: 1.01, 1.62), and the number of antenatal care visits (< 6 visits - PR: 1.40; 95% CI: 1.15, 1.70). Conclusion - In a city in the Western Brazilian Amazon, the VA deficiency was associated with the risk for maternal anemia and was inversely associated with maternal serum hemoglobin and the birth weight. The current strategies and interventions targeting antenatal nutrition care must be reviewed in order to reduce the adverse effects for mother-child binomial caused by VA deficiency.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-10-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.