• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.6.2014.tde-03112014-131343
Document
Auteur
Nom complet
Jaqueline Lopes Pereira França
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2014
Directeur
Jury
Fisberg, Regina Mara (Président)
Crispim, Sandra Patricia
Marchioni, Dirce Maria Lobo
Titre en portugais
Porções de alimentos e número de refeições realizadas por adultos e idosos do muncípio de São Paulo: relação com excesso de peso e perfil lipídico
Mots-clés en portugais
Consumo Alimentar
Número de Refeições
Obesidade
Perfil Lipídico
Sobrepeso
Tamanho da Porção
Resumé en portugais
Introdução: As contribuições do tamanho das porções dos alimentos e do número de refeições realizadas por dia para o aumento da prevalência do excesso de peso e para alterações no perfil lipídico em populações consumindo dieta ad libitum ainda não são bem estabelecidas, visto que a literatura apresenta resultados contraditórios. Objetivo: Avaliar a associação entre porções dos alimentos e o número de refeições realizadas com o excesso de peso e o perfil lipídico de adultos e idosos residentes do município de São Paulo. Métodos: Foram utilizados dados do estudo transversal de base populacional ISA - Capital 2008, referentes à amostra probabilística de residentes do município de São Paulo com 20 anos ou mais, de ambos os sexos. As informações, como dados socioeconômicos, antropométricos, de estilo de vida e inquérito alimentar, foram coletadas entre 2008 e 2010 por meio de visitas domiciliares e inquérito telefônico. No primeiro manuscrito da presente dissertação, os 1042 indivíduos foram classificados segundo o Índice de Massa Corporal (IMC) em duas categorias: com e sem excesso de peso. Dados de consumo alimentar foram obtidos por dois recordatórios alimentares de 24 horas (R24h). Os alimentos citados foram classificados em grupos e avaliados. Foi calculada a mediana da porção, percentual de relato e contribuição energética para homens e mulheres com e sem excesso de peso. Modelos de regressão logística foram utilizados para avaliar a associação entre o tamanho das porções de alimentos e o excesso de peso. No segundo manuscrito, foram utilizadas informações de 521 adultos e idosos que possuíam dados do perfil lipídico e o segundo R24h e não utilizavam hipocolesterolêmicos. Os indivíduos foram categorizados de acordo com o número de refeições realizadas ao longo de um dia: menos que três; três; mais que três refeições. Medianas e intervalos interquartis foram utilizados para descrever variáveis contínuas não-paramétricas e testes de tendência e Kruskal-Wallis foram utilizados para comparar esses valores entre as categorias de número de refeições. 9 Frequências das variáveis categóricas foram descritas e comparadas por testes quiquadrado de Pearson. Modelos lineares generalizados foram utilizados para avaliar a associação entre número de refeições e excesso de peso e, também, para ajustar as variáveis lipídicas segundo variáveis de confundimento, como IMC, idade, entre outras. As médias dos preditos gerados a partir dos modelos de cada uma das variáveis lipídicas foram comparadas entre as categorias de número de refeições por análise de variância e teste de tendência. Resultados: Foram observadas associações positivas entre o excesso de peso e os tamanhos de porção dos seguintes alimentos: arroz (p=0,003), bolos (p=0,050), pães (p=0,028), pizza (p=0,008) e salgados (p=0,012) após o ajuste pelas variáveis de controle. Menores valores de IMC (p=0,013) e de circunferência de cintura (p=0,004) foram observados nos indivíduos que consomem mais que três refeições por dia em relação aos que consomem menos que três. O consumo energético aumentou (p=0,001) enquanto a densidade energética da dieta diminuiu (phomens=0,01; pmulheres=0,032) com o aumento da categoria de refeições. Entre as mulheres, foram observados valores maiores de TG (p=0,038) e menores de HDL-col (p=0,049) na categoria que consome até três refeições. Conclusões: O tamanho da porção de alguns grupos de alimentos foi associado positivamente ao excesso de peso, enquanto nenhum grupo de alimento de baixa densidade energética foi relacionado inversamente. O número de refeições associou-se inversamente ao IMC e à circunferência de cintura na população estudada quando a ingestão energética se manteve constante. Contudo, o perfil lipídico apresentou-se melhor apenas no sexo feminino, quando o número de refeições foi maior. O controle do tamanho da porção de determinados alimentos e do número de refeições pode auxiliar na prevenção e controle do excesso de peso.
Titre en anglais
Food portion sizes and eating frequency of adults and elderly of São Paulo: relationship with overweight and lipid profile
Mots-clés en anglais
Diet
Eating Frequency
Lipid Profile
Obesity
Overweight
Portion Size
Resumé en anglais
Introduction: The contribution of food portion sizes and eating frequency to the rising prevalence of overweight and to lipid profile changes in populations consuming ad libitum diet is not well established, as contradictory results are presented in literature. Objective: Verify the association between food portion sizes, eating frequency, being overweight and lipid profile in a representative population sample of adults and elderly in São Paulo. Methods: The study considered data from cross-sectional population-based ISA-Capital 2008 with random sample of residents of São Paulo aged above 20 years and both sexes. Socioeconomic, anthropometric, lifestyle and diet information was collected between 2008 and 2010 in personal or phone interviews. In the first article of this dissertation, 1042 individuals were classified according to Body Mass Index (BMI) into two categories: with and without excess body weight. Food consumption data were obtained by two 24-hour food recall (R24h). The reported foods were classified into groups and evaluated. The median portion, reported percentage and energy contribution for men and women with and without EBW were calculated. Logistic Regression models were used to evaluate the association of food portion sizes with being overweight. In the second article, data from 521 adults and elderly who had information about lipid profile, the second R24h and did not use hipocolesterolemics were used. Individuals were classified according to eating frequency: less than three; three; more than three meals a day. Medians and interquartile ranges were used to describe non-parametric continuous variables and trend tests and Kruskal-Wallis were used to compare data across eating frequency categories. Pearson chi-squared tests were used to compare frequencies of categorical variables. General Linear Models were used to evaluate the association between eating frequency and being overweight and also to adjust the lipid variables according to confounding variables, as BMI and age. The means of 11 predicts generated from each model of the lipid variables were compared across eating frequency categories using variance analysis and trend tests. Results: Positive associations were observed between overweight and the food groups: rice (p=0.003), cakes (p=0.050), breads (p=0.028), pizza (p=0.008), and salted snacks (p=0.012) after adjusting for control variables. Individuals consuming more than three meals a day presented lower values of BMI (p=0.013) and waist circumference (p=0.004) comparing to those consuming less than three meals a day. Energy intake increased (p=0.001) while energy density of the diet decreased (pmen=0.01; pwomen=0.032) when increasing the categories of eating frequency. Women consuming less than three meals a day presented higher values of triglycerides (p=0.038) and lower values of high density lipoprotein (p=0.049) than the others. Conclusions: The portion size of some food groups was positively associated with being overweight, while none of the food groups with low energy density was negatively associated. Eating frequency was positively associated with BMI and waist circumference in this population when energy intake was constant. Lipid profile was better only for women, when eating frequency was higher. Controlling the portion size of certain foods and eating frequency can help to prevent and control excess body weight.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2015-11-30
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2019. Tous droits réservés.