• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.6.2015.tde-30042015-115515
Documento
Autor
Nome completo
Tatiane Guimarães Pereira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Reis, Alberto Olavo Advincula (Presidente)
Moreno, Diva Maria Faleiros Camargo
Zioni, Fabiola
Título em português
Atitudes e intervenções de profissionais que atuam junto a mulheres grávidas ou com bebês em contexto prisional
Palavras-chave em português
Prisões
Relações mãe-Filho
Saúde Mental
Saúde Pública
Resumo em português
Introdução: A relação mãe e bebê, movida por cuidados repetitivos providos de afeto, deve ser disponibilizada ao bebê para sua constituição como sujeito psíquico e social. Para a parceria se efetivar, a díade necessita de um ambiente favorável representado por uma rede de cuidados potente e sustentadora. A maternidade, em contexto prisional, assume especial complexidade pela inserção e efeitos do aprisionamento. Tal efeito se estende aos profissionais que atuam em meio a essas repercussões que moldam suas atitudes no dispositivo prisional. Objetivo: Identificar atitudes e intervenções de profissionais que trabalham em contexto prisional em relação às gestantes e mães com bebês presas. Método: Foi aplicado um questionário destinado a caracterizar o perfil dos participantes e entrevista semidirigida com oito profissionais com atuação voltada às grávidas e às mães com bebês no contexto prisional escolhidos a partir da técnica bola de neve. Buscou-se contemplar os olhares de várias esferas: Defensoria Pública do Estado de São Paulo, Pastoral Carcerária, Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) e ex-servidores das unidades materno-infantis. Os discursos construídos foram submetidos à análise de conteúdo na modalidade temática. Utilizaram-se dois referenciais teóricos: a dimensão psíquica de Winnicott e a dimensão social de Krech. Resultados: Os profissionais revelam potências e impotências que, ao serem compartilhadas de forma coletiva, mostram-se edificadoras da atuação interdisciplinar. Tal atuação revela as ideias defendidas pelas áreas em que trabalham, como as esferas sociais, jurídicas e religiosas movidas por ideais pautados nos direitos humanos e a segurança próxima da lógica da punição. Sobre a maternidade na prisão, o imaginário coletivo que atribui à mãe um lugar social quase sagrado também ocorre atrás das grades. A função materna, permeada pela vitalidade, é inserida paradoxalmente em situação de mortificação subjetiva. Essa complexidade traz aos profissionais profunda lamentação e esperança de transformação da presa a partir da maternidade. Também há simbolizações destrutivas em relação ao bebê, visto como herdeiro da biografia transgressora da mãe. Para atuação nessa situação, há a necessidade de apoio aos profissionais nos intra e extramuros, como a sustentação familiar, seus valores, religiosidade, amparo teórico e atuação multiprofissional. Assim, desejam transformações que oxigenem e aliviem o ar aprisionado por tanta mortificação que eles e os presos respiram e pulsam do mesmo cotidiano com espaços de capacitação e reflexão. Conclusão: Movimentos pendulares de potência e impotência, segregação e criatividade, modelam as atitudes dos profissionais aprisionados na lógica institucional. Muitas vezes tal lógica impede a atuação espontânea como também revela espaços de novas reconfigurações, na tentativa de levar vivacidade à desesperança impregnada nas paredes e atitudes de alguns presos e profissionais que ali habitam.
Título em inglês
Attitudes and interventions of professionals who work with pregnant women or babies in the prison context
Palavras-chave em inglês
Mental Health
Mother-Child Relations
Prisons
Public Health
Resumo em inglês
Introduction: The mother-child relationship, driven by repetitive provided care affection, should be available to the baby for its establishment as psychological and social subject. For the partnership goes through, the dyad needs a favorable environment represented by a network of powerful and supportive care. The motherhood, in the prison context, is particularly complex by the insertion and effects of imprisonment. This effect extends to professionals in the midst of these repercussions that shape the prison device. Objective: To identify attitudes and interventions of professionals working in the prison context in relation to pregnant women and mothers arrested with babies. Method: A questionnaire aimed to characterize the profile of participants and semistructured interviews with eight professionals with performance directed to pregnant women and mothers with their babies in the prison setting chosen from the technique "snowball". We tried to cover the eyes of various spheres: Public Defenders Office for the State of São Paulo, Prison Ministry, National Penitentiary Department (DEPEN) and former employees of the mother and child units. The speeches built were subjected to content analysis in the thematic mode. Two theoretical frameworks were used: the psychic dimension by Winnicott and the social dimension by Krech. Results: The professionals show power and impotence that, when shared collectively, are shown builders of the interdisciplinary approach. This action reveals the ideas in the areas in which they work, such as social, legal and religious spheres driven by ideals guided on human rights and the next logical security of the punishment. About motherhood in prison, the collective picture that gives the mother an almost sacred place in society also occurs behind bars. The maternal function, permeated with vitality, is inserted paradoxically in a situation of subjective mortification. This complexity brings to deep lamentation in the professionals and hope to transform the inmate from motherhood. There are also destructive symbolization in relation to the baby, seen as heir to the transgressive biography of the mother. To act in this situation, there is a need to support professionals in the intra and extramural, such as family support, their values, religiosity, theoretical support and multidisciplinary expertise. So wish transformations oxigenem and relieve the trapped air by so much mortification that they and the prisoners breathe and pulsate the same everyday with spaces of training and reflection. Conclusion: Commuting power and impotence, segregation and creativity, shape the attitudes of professionals imprisoned in the institutional logic. Often such logic prevents spontaneous action but also shows areas of new reconfigurations in an attempt to bring liveliness to hopelessness impregnated the walls and attitudes of some prisoners and professionals who live there.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-07-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.