• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.6.2018.tde-21062018-105510
Documento
Autor
Nome completo
Eliana Tiemi Masuda
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Waldman, Eliseu Alves (Presidente)
Conde, Mônica Tilli Reis Pessôa
Lopes, Marta Heloisa
Sato, Ana Paula Sayuri
Zanetta, Dirce Maria Trevisan
Título em português
Doença meningocócica invasiva nas capitais da Região Sul do Brasil: características e tendências
Palavras-chave em português
Doença Meningocócica Invasiva
Epidemiologia
Imunização
Neisseria meningitidis
Tendência
Resumo em português
Objetivos: Analisar a tendência, descrever mudanças no comportamento da doença meningocócica invasiva (DMI) e estimar o impacto da vacina conjugada do meningococo C (VCMC) nas capitais da região Sul do Brasil, no período de 1991 a 2015, assim como, investigar as características sociodemográficas, econômicas e de intervenções tecnológicas associadas aos casos pertencentes a cluster da doença no município de Curitiba (PR), no período de 2001 a 2014. Métodos: As áreas de estudo englobaram as capitais da Região Sul do Brasil: Curitiba (PR), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS), a população de estudo abrangeu os casos de DMI notificados entre 1991 a 2015 à vigilância da doença e residentes nessas capitais. A definição de caso adotada foi a padronizada pelo Ministério da Saúde. As fontes de dados foram: vigilância da DMI, o Instituto Adolfo Lutz, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. A tendência da incidência e mortalidade da DMI foi determinada pelo modelo de regressão polinomial. A intensidade e a direção da relação linear entre a taxa de incidência e os indicadores socioeconômicos, de saúde e sorogrupo foram analisadas pelo coeficiente de correlação de Pearson. O impacto da VCMC foi estimado pela Fração Prevenida na População, comparando as taxas de incidência de 2012 e 2015 com as de 2009. Investigou-se os potenciais fatores associados a casos pertencentes a cluster no período de 2001 a 2014 por meio das estimativas de odds ratio não ajustada e ajustadas pela regressão logística múltipla não condicional, com os respectivos intervalos de confiança de 95%. Resultados: No período de estudo, a DMI apresentou três comportamentos distintos nas capitais da região sul: i) epidêmico na década de 1990, ii) declínio das taxas na década de 2000, antes da introdução da VCMC na rotina de imunização e, iii) estacionário com taxas baixas entre 2011 e 2015, sob a influência da VCMC. Observamos nesses períodos a influência de fatores biológicos, socioeconômicos e de saúde na incidência dessas capitais. No estudo mais detalhado em Curitiba, apresentou-se associado aos casos pertencentes a cluster, ajustados no tempo e pela idade, residir em bairros de baixa renda (OR: 2,3, IC95%:1,1-4,5). O sorogrupo predominante foi o B com 65,4%, seguida pelo C com 24,5% e 8,3% pelo W. Possivelmente, em virtude da baixa incidência do sorogrupo C, não se verificou a redução na incidência total da DMI, nestas capitais. Entretanto, no período posterior a VCMC, os casos pelo sorogrupo C foram raros ou zerados na faixa etária destinada a vacinação em Curitiba e Florianópolis. Em Porto Alegre foram registrados casos pelo sorogrupo C na faixa etária vacinada e o sorogrupo W se destacou. Conclusão: A partir do início desse século houve declínio expressivo da incidência da DMI nas capitais da região Sul do país, antes mesmo da introdução da vacina, aproximando-se das taxas de DMI encontradas em países de elevada renda. Tais resultados são consistentes, com trabalhos que mostram uma associação da DMI com as condições de vida e grau de desenvolvimento das populações.
Título em inglês
Invasive meningococcal disease in the capitals of the Southern Region of Brazil: characteristics and trends
Palavras-chave em inglês
Epidemiology
Immunization
Invasive Meningococcal Disease
Neisseria meningitidis
Trend
Resumo em inglês
Objectives: To analyze the trend and describe changes in the epidemiology of invasive meningococcal disease (IMD) and to estimate the impact of the meningococcal conjugate C vaccine (MCCV) in the capitals of the southern region of Brazil, from 1991 to 2015, as well as to investigate the sociodemographic, economic and technological interventions associated to the cases belonging in cluster of the disease in the city of Curitiba (PR), from 2001 to 2014. Methods: The study areas included the capitals of the States of Southern Brazil: Curitiba (PR), Florianópolis (SC) and Porto Alegre (RS), the study population considered cases of IMD reported between 1991 and 2015 to surveillance and residents in these capitals. The IMD case definition adopted was that standardized by the Ministry of Health. The data sources were the surveillance of the IMD, the Adolfo Lutz Institute, the Brazilian Institute of Geography and Statistics and the Institute of Research and Urban Planning of Curitiba. The trend of IMD incidence and mortality was determined by the polynomial regression model. The intensity and direction of the linear relationship between the incidence rate and socioeconomic indicators, health and serogroup were analyzed by the Pearson correlation coefficient. The impact of the MCCV was estimated by the Prevented Fraction for the Population comparing the incidence rates of 2012 and 2015 with those of 2009. We investigated the potential factors associated with cases belonging in cluster between 2001 and 2014 by the unadjusted and adjusted odds ratio estimates by the multiple unconditional logistic regression, with the respectives confidence intervals of 95%. Results: Between 1991 and 2015, IMD presented three distinct periods in the capitals of the southern region: i) epidemic in the 1990s, ii) decline in rates from 2000 to 2010, before the introduction of MCCV in immunization routine and (iii) stationary at low rates in 2011 to 2015, under the influence of MCCV. In this period, we observed the influence of biological, socioeconomic and health factors on the incidence of these capitals. In more detailed study in Curitiba, it was associated with cases belonging in cluster, adjusted in time and by age, to live in low-income neighborhoods (OR: 2.3, 95% CI: 1.1-4.5). Serogroup B was predominant with 65,4%, followed by C with 24,5% and 8,3% by W. Possibly, due to the low incidence of serogroup C, there was no reduction in the total incidence of IMD in these capitals. However, *in the period after MCCV, serogroup C cases were rare or zero in the age group destinedfor vaccination in Curitiba and Florianópolis. In Porto Alegre, cases were registered by serogroup C in the vaccinated age group and serogroup W was relevant. Conclusion: From the beginning of this century there was a significant decline in the incidence of IMD in the capitals of the southern region of the country, even before the introduction of the vaccine, approaching IMD rates found in high income countries. These results are consistent, with studies showing an association of IMD with living conditions and the degree of population development.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-06-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.