• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.6.2006.tde-18062007-104000
Documento
Autor
Nome completo
Aline Medeiros da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2006
Orientador
Banca examinadora
Latorre, Maria do Rosario Dias de Oliveira (Presidente)
Cristofani, Lilian Maria
Russo, Iêda Chaves Pacheco
Título em português
Avaliação das perdas auditivas em crianças e adolescentes com câncer
Palavras-chave em português
Câncer infantil
Ototoxicidade
Perda de audição
Quimioterapia
Resumo em português
Introdução – As crianças e adolescentes com câncer recebem tratamentos que têm os mais diversos efeitos colaterais, entre eles, a ototoxicidade, que é a capacidade de provocar lesão em estruturas da orelha interna e que pode levar à perda auditiva. Objetivos – Estimar a prevalência de perda auditiva e os fatores associados à ocorrência desta nas crianças e adolescentes tratados no Instituto de Tratamento do Câncer Infantil – ITACI, utilizando três classificações propostas na literatura. Métodos – Foram analisados 94 pacientes atendidos no ITACI, no período de 2003 e 2004. Como a avaliação audiológica não é feita de rotina neste Instituto, os pacientes transferidos e os que foram a óbito não puderam ser incluídos no estudo. Os indivíduos foram submetidos a uma anamnese para verificar qualquer comprometimento auditivo. Em seguida, foi feita a inspeção visual do meato acústico externo, para verificar a presença de qualquer ocorrência que pudesse impedir a realização dos exames audiológicos. Foi realizada a avaliação dos limiares auditivos utilizando-se procedimentos de resposta condicionada (por meio da audiometria tonal liminar, audiometria lúdica condicionada ou audiometria com reforço visual), com a finalidade de determinar os limiares auditivos. Por fim, foram realizadas a timpanometria e a pesquisa dos reflexos acústicos, para avaliar as condições da orelha média. A caracterização da amostra foi realizada por meio da estatística descritiva e a análise da concordância no diagnóstico da perda auditiva para as três classificações, por meio da estatística Kappa. A análise dos fatores associados à presença de perda auditiva foi realizada por meio do teste associação pelo qui-quadrado e modelos de regressão logística univariados e múltiplos. Resultados – Os resultados mostraram prevalência de perda auditiva de 42,5% utilizando a classificação proposta pela American Speech-Language-Hearing Association (ASHA), 40,4% de acordo com a classificação proposta pelo Pediatric Oncology Group Toxicity (POGT) e 12,8% pela classificação de Perda Auditiva Bilateral (PAB). A concordância no diagnóstico de perda auditiva pelas classificações POGT e PAB, e para PAB e ASHA foi fraca (respectivamente, k=0,36 e k=0,33). Já a concordância entre as classificações ASHA e POGT foi quase perfeita (k=0,96). O único fator de risco para perda auditiva, pelas três classificações adotadas, foi o uso da cisplatina e este efeito foi potencializado com o uso concomitante da ifosfamida. Conclusões – A perda de audição é um efeito colateral importante nas crianças e adolescentes com câncer. A monitorização auditiva é fundamental, visto que possibilita a detecção precoce das perdas auditivas e a revisão do tratamento, além de identificar a progressão da seqüela. Recomenda-se que sejam feitas avaliações audiológicas periódicas, mesmo após o término do tratamento e que seja adotada uma classificação que contemple as perdas auditivas discretas, como a proposta pela ASHA.
Título em inglês
Hearing loss in children and adolescents with cancer
Palavras-chave em inglês
Chemotherapy
Childhood cancer
Hearing loss
Ototoxicity
Resumo em inglês
Introduction – The treatment of childhood cancer has several side effects and the ototoxicity is one of them. It can affect the inner ear structures and may lead to a hearing loss. Aim – To estimate the prevalence of hearing loss and risk factors in children and adolescents attended at the Childhood Cancer Treatment Institute (ITACI), using three classifications proposed in the literature. Methods – 94 patients admitted at ITACI between 2003 and 2004 were analyzed. The evaluation of hearing loss is not usually done in this institution and, because of this, the patients who were transferred and those who died could not be evaluated. The parents answered a questionnaire about demographic and clinical conditions. Then, the visual inspection of the external auditory meatus was done in order to verify if there were clinical conditions to perform the audiologic evaluation. The audiologic evaluation was done using pure tone audiometry (conditioned audiometry, play audiometry or visual reinforcement audiometry), tympanometry and tests of acoustic reflexes. The statistical analysis was done using descriptive statistics, the Kappa statistics, chi-squared test and univariate and multiple logistic regression models. Results – The prevalence of hearing loss was 42,5% using the American Speech-Language-Hearing Association (ASHA) classification, 40,4% using the Pediatric Oncology Group Toxicity (POGT) classification and 12,8%, using the bilateral hearing loss (PAB) classification. The agreement on the diagnosis of hearing loss was weak for POGT and PAB (k= 0.36) and for PAB and ASHA (k=0.33). The agreement between ASHA and POGT was almost perfect (k=0.96). The only risk factor for hearing loss for all classifications was the use of cisplatin and its effect was higher if the patients use also the ifosfamide. Conclusions – Hearing loss is an important side effect in children and adolescents with cancer treated with cisplatin. It is recommended a periodic audiological monitoring, even after the patient has finished the treatment. It can early detect a hearing loss, the schedule of treatment can be reviewed and the speech-language pathologist may be indicated to address the consequences of the hearing loss. It is recommended to adopt a classification that can detect slight hearing loss (ASHA).
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DISSERT.pdf (2.61 Mbytes)
Data de Publicação
2007-09-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.