• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.59.2006.tde-18052009-160841
Documento
Autor
Nome completo
Elaine Cristina Minto
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2006
Orientador
Banca examinadora
Gorayeb, Ricardo (Presidente)
Bazon, Marina Rezende
Laprega, Milton Roberto
Título em português
Ensino de habilidades de vida para adolescentes vinculados a instituições profissionalizantes, no município de Ribeirão Preto/SP
Palavras-chave em português
Adolescente
Comportamento de risco
Habilidades de Vida
Locus de controle
Promoção de Saúde
Resumo em português
A adolescência é um período de vulnerabilidade para comportamentos de risco. Devido às mudanças físicas e psicológicas da puberdade, a necessidade de experimentar o novo e início do comportamento sexual, o adolescente está mais vulnerável a aquisição de comportamentos como fumar, beber e ter comportamento sexual desprotegido. Para promover a saúde e aumentar a competência psicossocial dos adolescentes, a Organização Mundial de Saúde preconiza o Ensino de Habilidades de Vida. Este programa consiste no ensino de dez habilidades (emocionais, cognitivas e sociais) que aumentam a capacidade dos jovens adotarem comportamentos positivos e adaptativos no cotidiano. São elas: autoconhecimento, lidar com emoções e estresse, comunicação eficaz, relacionamento interpessoal, empatia, pensamento crítico, pensamento criativo, tomada de decisão e resolução de problemas. A literatura aponta que o conjunto dessas habilidades promove a saúde dos adolescentes e previne comportamentos de risco. Este estudo tem o objetivo é avaliar os efeitos do programa Ensino de Habilidades de Vida entre adolescentes vinculados a instituições profissionalizantes, sobre os comportamentos de risco e o locus de controle. Participaram 45 adolescentes de duas instituições no município de Ribeirão Preto, com 24 e 21 participantes em cada uma delas. A faixa etária situava-se entre 14 e 17 anos e 11 meses, a população era predominantemente do sexo masculino e a maioria estudante. Formaram-se oito grupos, quatro por instituição, durante os anos de 2003 e 2004, com média de seis participantes cada. Foram realizados 16 encontros, com freqüência semanal e duração de uma hora e meia em uma, e uma hora na outra instituição. Para avaliar a intervenção, no 4º e 15º encontros foram aplicados dois questionários, um sobre comportamentos de risco para a saúde e a escala de Locus de Controle de Levenson. No 16º encontro, foi realizada uma entrevista em grupo. Do 5º ao 14º encontros foram desenvolvidas as habilidades de vida, uma por encontro. A metodologia utilizada foi interativa e participativa, através de jogos, dramatizações e discussões. As variáveis dependentes eram: comportamentos de risco para o tabaco, álcool, drogas ilícitas, sexo desprotegido, locus de controle e o relato dos participantes sobre os efeitos do programa no cotidiano. Os resultados quantitativos, em ambas as instituições, não demonstraram diferenças estatisticamente significativas entre pré e pós intervenção nos dois instrumentos. A prevalência de uso na vida para o beber e fumar apresentaram-se acima da média nacional. Diminuíram os episódios de beber excessivo e aumentaram as respostas sobre o beber moderado, de 1 a 2 doses por ocasião. Os resultados qualitativos demonstraram que as habilidades de vida relacionadas ao autocontrole ajudam diante de situações de estresse na família, com amigos, na escola e com parceiros. Com relação aos comportamentos de risco, as habilidades mais frequentemente associadas foram tomada de decisão e pensamento crítico. Conclui-se que a aprendizagem cognitiva sobre como utilizar as habilidades de vida pode facilitar respostas mais ajustadas em situações futuras. Nos relatos observa-se mudanças de comportamento como pausar antes de agir, refletir antes de decidir, ouvir com atenção e adotar comportamentos saudáveis para lidar com o estresse.
Título em inglês
Life Skills Training a program with adolescents from professionalizing institutions in the city of Ribeirão Preto/SP
Palavras-chave em inglês
adolescence
health promotion
Life Skills
Locus of Control
risk behavior
Resumo em inglês
Adolescence is a period of vulnerabilities for risk behaviors. Because of the physical and psychological changes in puberty, the need to seek novelties and the beginning of sexual behavior, the adolescent is left more vulnerable to begin behaviors like smoking, drinking and having unprotected sex. To promote health and increase the adolescent psychosocial competence, the World Health Organization recommends a program of Life Skills Training. This program consists of ten skills (emotional, cognitive and social) that increase the ability of the youth to adopt positive and adaptive behaviors when confronted with quotidian situations. They are: self-knowledge, dealing with emotions and with stress, effective communication, interpersonal relationships, empathy, critical thought, creative thought, taking decisions and problem resolutions. The literature shows that this group of skills promotes health among adolescents and prevents risk behaviors. The aim of this study is to evaluate the effects of a program of Life Skills Training on risk behavior and Locus of Control among adolescents who attend a professionalizing institution. Forty five adolescents from two institutions in the city of Ribeirão Preto participated in this study, the institutions having 24 and 21 participants respectively. Their ages were between 14 and 17 and 11 months, the population was mostly masculine and the majority was students. They were divided into 8 groups, 4 from each institution, during the years 2003 and 2004, with the mean of 6 participants per group. Sixteen meetings were held, one per week, with durations of one and half hours at one institution and one hour at the other. To evaluate the intervention, at the 4th and 15th meeting two questionnaires were used, one about risk behavior for health and the other a scale of Locus of Control from Levenson. At the 16th meeting a group interview was conducted. Between the 5th and the 14th meeting the Life Skills were developed at the rate of one per meeting. The methodology used was interactive and participative, using games, role-plays and discussions. The dependent variables were: risk behavior for tobacco use, alcohol use, illicit drugs, unprotected sex, Locus of Control and the report of the participants about the effects of the program in their quotidian. The quantitative outcomes, in both institutions, didnt show statistical significant difference between pre and post intervention for any of the instruments. The prevalence of life use for drinking and smoking were above the national mean. Episodes of excessive drinking decreased while responses to moderate drinking increased, about 1 to 2 per occasion. The qualitative results showed that the Life Skills related to self control helped when confronted with stress situations within the family, between friends, in the school and between partners. With relation to risk behaviors, the skills more associated were decision making and critical thought. It was concluded that cognitive learning about how to use the life skills can facilitate responses more adjusted in future situations. In the reports it is possible to observe changes in behaviors such as pausing before acting, reflecting before deciding, an increase in attention span and the adopting of healthy behavior in dealing with stress.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
dissertacao.pdf (5.32 Mbytes)
Data de Publicação
2009-05-19
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.