• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.59.2014.tde-10022015-171402
Documento
Autor
Nome completo
Mara Soares Frateschi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2014
Orientador
Banca examinadora
Cardoso, Carmen Lucia (Presidente)
Dimenstein, Magda Diniz Bezerra
Saeki, Toyoko
Título em português
Reabilitação psicossocial e estratégia saúde da família: desafios no cuidado à saúde mental
Palavras-chave em português
Atenção Primária à Saúde
Estratégia Saúde da Família
Reabilitação Psicossocial
Saúde Mental
Resumo em português
A Estratégia Saúde da Família (ESF) tem se destacado como uma importante alternativa para a (re)inserção da pessoa em sofrimento mental na sociedade, em conformidade com a Reforma Psiquiátrica. A Reabilitação Psicossocial é compreendida como uma abordagem que visa a emancipação da pessoa, a redução da discriminação, a valorização das capacidades individuais e sociais e a criação de um sistema de apoio de longa duração. Este estudo objetivou conhecer e compreender as ações desenvolvidas pela ESF no que se refere à Reabilitação Psicossocial em saúde mental, a partir da perspectiva dos profissionais, usuários e familiares. A coleta de dados foi realizada em duas Unidades de Saúde da Família (USF) de Ribeirão Preto-SP e os participantes foram 26 profissionais, 3 usuárias e 2 familiares. Os instrumentos utilizados para a coleta foram a entrevista individual aberta e a observação participante. O material foi submetido à análise seguindo a abordagem qualitativa e utilizou-se como ferramenta a Análise de Conteúdo Temática. A análise possibilitou a construção de seis categorias temáticas, a saber: 1) Contextos e relações: Necessidades apontadas como sendo o motivo pela procura por ajuda na USF; 2)Ações: o desafio de cuidar da saúde mental no território- indica as ações desenvolvidas pelas USFs, ou seja, estratégias tradicionais, escuta qualificada, cuidado longitudinal, trabalho em equipe e estratégias coletivas; 3) O contato com o sofrimento mental e o preparo para o trabalho: caminhos para a transformação das práticas - sugere que o olhar para a pessoa em sofrimento mental, em sua múltipla e complexa existência, oportuniza transformações das práticas por meio da desmistificação da loucura; 4) Dificuldades encontradas no processo de cuidado da saúde mental - aponta a falta de preparo técnico e psicológico, o excesso de demanda e a insuficiência da rede, como possíveis entraves dos processos de trabalho; 5) Avaliação do cuidado ofertado em saúde mental pelas USFs - indica que, numa perspectiva clínica tradicional, os serviços foram considerados efetivos e adequados, entretanto, os entrevistados evidenciaram um processo de transformação das práticas, indicando a necessidade de avançar em estratégias psicossociais; 6) Transformações do cuidado em saúde mental: Concepções dos participantes acerca da pessoa em sofrimento mental e da viabilização da desinstitucionalização e da Reabilitação Psicossocial - aborda os significados atribu¬ídos pelos entrevistados ao sofrimento mental e aos processos de cuidado, indicando que tais compreensões interferem nas práticas e posturas instituídas. Os resultados apontaram que o sofrimento mental é correlato ao contexto e às relações estabelecidas pelas pessoas. Destaca-se que os serviços estão avançando em direção a estratégias mais dialógicas e espontâneas, todavia, estas ainda são colocadas em prática de forma individual. Conclui-se que o processo de transformação das práticas é lento e implica a superação de armadilhas cotidianas que dificultam o investimento em ações que transcendam as estratégias tradicionais, avançando para o coletivo, buscando novas formas de pensar e fazer saúde. Neste sentido, este estudo traz avanços relativos à viabilização das práticas de cuidado em saúde mental no território visando o comprometimento com a pessoa em seu percurso de vida.
Título em inglês
Psychosocial Rehabilitation and Family Health Strategy: Challenges in mental health care.
Palavras-chave em inglês
Family health strategy
Mental health
Primary health care
Psychosocial rehabilitation
Resumo em inglês
The Family Health Strategy (FHS) has stood out as an important alterative for (re)inserting people in mental suffering into society, in accordance with the Brazilian Psychiatric Reform. Psychosocial rehabilitation is understood as an approach aiming at the subjects emancipation, reduction of discrimination, appreciation of individual and social capabilities and the creation of a long-term support system. The objective of this study was to learn and understand the actions developed by the FHS in terms of psychosocial rehabilitation in mental health, from the perspective of professionals, users and families. Data were collected from two Family Health Units (FHUs) in Ribeirão Preto, São Paulo state, and study participants were 26 professionals, 3 users and 2 family members. Open individual interviews and participant observation were the instruments used for data collection. The material was submitted to analysis following the qualitative approach, and the Thematic Content Analysis was used. The analysis allowed for the construction of six categories, namely: 1) Contexts and relationships: Needs pointed as being the reason for reaching the FHS for help; 2)Actions: the challenge of delivering mental health care in the units territory- indicating the actions developed by the FHUs, that is, traditional strategies, qualified listening, longitudinal care, teamwork, and collective strategies; 3) The contact with mental suffering and the training for this work: paths to transform the practices suggesting that looking at the person in mental suffering, in his/her multiple and complex existence, enables transformations in the practices by demystifying madness; 4) Difficulties found in the mental health care process pointing to the lack of technical and psychological preparation, the excessive demand and the insufficient network as possible hindrances in the work processes; 5) Evaluation of the mental health care provided by the FHUs indicating that, from a traditional clinical perspective, the services were considered effective and appropriate, however, the interviewees evidenced a process of transformation of the practices, demonstrating the need for making progress in psychosocial strategies; 6) Transformations in mental health care: Conceptions of the participants regarding the person in mental suffering and the process of making deinstitutionalization and psychosocial rehabilitation feasible approaching the meanings attributed by the interviewees to mental suffering and to the care processes, showing that such understandings interfere in the established practices and conducts. The results showed that mental suffering is correlated to the context and to the relationships established among people. Services are advancing towards more dialogical and spontaneous strategies, however, these strategies are still placed into practice individually. In conclusion, the process of transforming practices is slow and implies overcoming the daily traps that make it difficult to invest in actions that transcend traditional strategies, advancing towards the collective and searching for new ways of thinking and doing health. In this sense, this study provides progress regarding the feasibility of care practices in mental health in the territory of FHUs, aiming at committing to people throughout their life journey.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-03-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.