• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.59.2007.tde-07012009-222425
Documento
Autor
Nome completo
Lilian Paula Degobbi Bergamo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2007
Orientador
Banca examinadora
Bazon, Marina Rezende (Presidente)
Costa Junior, Áderson Luiz
Marturano, Edna Maria
Título em português
Maus-tratos físicos de crianças: contribuições para a avaliação de fatores de risco psicossociais
Palavras-chave em português
abuso físico
avaliação
fatores de risco
infância
maus-tratos
Resumo em português
Sabe-se que o fenômeno dos maus-tratos se constitui em uma problemática complexa que envolve na sua etiologia vários fatores, sendo necessária a observação deste fenômeno por uma perspectiva multidimensional. A abordagem Ecológico-Sistêmica do desenvolvimento humano e o modelo teórico Transacional pressupõem, respectivamente, a existência de diversos contextos e variáveis de risco que se influenciam mutuamente para a produção dos maus-tratos. Dentro disto, numerosas pesquisas, principalmente no âmbito internacional, têm encontrado associação significativa entre a problemática dos maus-tratos e variáveis no nível ontogenético, no microssistema, e no exossistema, dispondo-se inclusive de um conhecimento quanto às especificidades referentes a cada tipo de maus-tratos em particular. Neste panorama, o presente trabalho teve como objetivo verificar se a associação entre determinados fatores de risco atinentes à figura do cuidador e os maus-tratos físicos seria encontrada na realidade brasileira. Vale destacar que os fatores priorizados no estudo referem-se a aspectos psicológicos, como a angústia, nível de estresse associado à função parental, nível de apoio social, estilo parental e histórico de maus-tratos na própria infância. Para tanto, comparou-se dois grupos de pais/cuidadores, sendo um notificado ao Conselho Tutelar devido a abusos físicos contra os filhos (Grupo Clínico) e outro sem histórico conhecido de abuso (Grupo de Comparação), ambos constituídos por trinta participantes (n=60), pareados entre si em características sócio-demográficas, como nível econômico e educacional, situação conjugal e número de filhos / crianças sob seus cuidados. O primeiro grupo foi recrutado a partir dos registros do Conselho Tutelar e o segundo foi composto por conveniência, a partir de indicações, na comunidade. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados tiveram a função de avaliar um ou mais fatores de risco, sendo eles: o Child Abuse Potential Inventory CAP; o Índice de Estresse Parental ISP; o Inventário de Estilos Parentais IEP; o Questionário de Apoio Social - QAS e a Entrevista da História da Infância do Adulto. É necessário sublinhar que também foi utilizado um Questionário de Caracterização Sócio-demográfica, sendo que os dados coletados com este instrumento permitiam caracterizar os respondentes para proceder à equiparação dos grupos, mas também levantar algumas informações referentes a variáveis de risco no plano sócio-demográfico. Cada instrumento foi corrigido segundo seus próprios critérios, sendo que os dados obtidos puderam ser categorizados e comparados estatisticamente por meio do teste t de Student para amostras independentes ou Mann Whitney Rank Sum Test, quando necessário. Os dados obtidos com a História da Infância do Adulto foram, primeiramente, analisados descritivamente, por meio da obtenção de freqüências e porcentagens e, quando possível, utilizou-se o teste Qui-quadrado ou o teste Exato de Fisher, para também comparar estatisticamente os grupos, adotando-se como nível de significância p 0,05. Os resultados encontrados indicaram diferenças significativas (p< 0,05) entre os grupos para a maioria das dimensões que compõem a Escala de Abuso do CAP: angústia, rigidez, problemas com a criança e consigo e problemas com os outros, verificando-se um maior potencial de risco para os participantes do grupo clínico em relação ao grupo de comparação. Quanto ao ISP, os grupos apresentaram diferenças em relação à dimensão características da criança e no escore total, indicando que o grupo clínico vive mais estresse nas interações com a criança do que o grupo de comparação. No IEP os grupos se diferenciaram somente na dimensão monitoria positiva, denotando que o grupo clínico emprega com menos freqüência práticas positivas na educação dos filhos que o grupo de comparação. O QAS diferenciou os grupos nas dimensões de apoio afetivo, de interação social positiva e no escore total, apontando também que os participantes do grupo clínico se percebem com menos apoio social do que o grupo de comparação. A análise da História da Infância indicou que de forma geral, os adultos pertencentes ao grupo clínico viveram mais situações difíceis na infância que o grupo de comparação, sendo que estas, por vezes, se configuraram em situações de maus-tratos. Os grupos se diferenciaram também no que se refere a duas variáveis sócio-demográficas específicas: a idade do responsável por ocasião do nascimento do primeiro filho e o grau de satisfação com o bairro, denotando que os participantes do grupo clínico eram mais jovens que os do grupo de comparação por ocasião do nascimento do primeiro filho, tendo em média 19 anos, e que também eram mais insatisfeitos com o local de moradia que os do grupo de comparação. Os resultados permitem dizer que as variáveis que discriminam os dois grupos compõem indicadores de risco para os maus-tratos físicos em nosso contexto sócio-cultural, corroborando o que é apresentado na literatura científica, quanto aos fatores que reiteradamente têm se mostrado associados ao problema no âmbito internacional. Todos eles, tomados em separado ou conjuntamente, podem servir para orientar o desenvolvimento e a avaliação de programas de prevenção primária e/ou secundária, na comunidade.
Título em inglês
Physical maltreatment of children: contributions to the evaluation of psychosocial risk factors
Palavras-chave em inglês
evaluation
infancy
maltreatment
physical abuse
risk factors
Resumo em inglês
Child maltreatment is a complex problem that involves in your etiology several factors, being necessary a multiform perspective to understand it. The Ecological-Systemic approach of human development and the Transactional theoretical model presuppose, respectively, the existence of several contexts and variables of risk that are influenced itself mutually for the production of the maltreatments. The present study aimed to establish whether exists or not association between certain risk factors relating to parents and physical abuse in Brazilian reality. The psychological aspects investigated were: distress, level of stress associated to the parental function, level of social support, parental style and historical of maltreatments in the own childhood. Two groups composed by thirty participants were compared (n=60): the first one was composed by parents who were reported to child protection agencies due to physical abuse against their children (Clinical Group) and the second one had no historical abuse (comparison group) composed by convenience form indications from the community. Both group were matched in social-demographics characteristics, as economic and educational level, conjugal situation and number of own children or children under its cares. The instruments used for data collection were: Child Abuse Potential Inventory CAP; the Parenting Stress Index ISP; the Inventário de Estilos Parentais IEP; the Questionário de Apoio Social QAS and the Entrevista da História da Infância do Adulto. Instruments were codified and statistical analyses were made to compare data from the two groups. Significance level was p 0,05. Results pointed out significant differences between the two groups for most of the dimensions from CAP Abuse Scale: distress, rigidity, problems with child and self, and problems from others. It was also verified a higher risk potential for physical abuse related to the participants of the clinical group. With regards to ISP, the groups presented differences related to the child's characteristic dimension and in its total score, pointing that clinical group has more stress during interactions with their children than comparison group. The IEP showed differences between groups only for the dimension of positive supervision, denoting that the clinical group uses less frequently positive practices in the children's education. QAS differentiated the groups in the dimensions of affective support, of positive social interaction and in the total score which means that clinical group has less social support than the comparison group. The analysis of the history of the Childhood indicated that in a general way, the adults belonging to the clinical group had lived more difficult situations than the comparison group. The two groups also differed in two specific social-demographic variables: the age of mother/father at the first child's birth and the satisfaction degree related to neighborhood, denoting that the participants of the clinical group were younger in the occasion of the first child's birth (median= 19 years old) and that they were also more unsatisfied with the home place. The results allow us to say that the variables that discriminate the two groups are indicators of risk for physical maltreatments in our social-cultural context. That corroborate with what is pointed in the scientific literature, with relation to factors that repeatedly have been showed associated to the problem of physical maltreatment in the international ambit. These results may help us, in Brazilian context, guiding the development and the evaluation of primary or secondary prevention programs in the community.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-04-13
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.