• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2019.tde-27022019-125330
Documento
Autor
Nome completo
Cassio Marinho Siqueira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Tanaka, Clarice (Presidente)
Casarotto, Raquel Aparecida
Greve, Julia Maria D Andrea
Souza, Fábio Melo Bessa de
Título em português
A influência do equilíbrio postural no teste 3º dedo ao solo
Palavras-chave em português
Amplitude de movimento articular
Cinética
Controle postural
Equilíbrio postural
Fenômenos biomecânicos
Fenômenos do sistema nervoso
Resumo em português
A avaliação da flexibilidade dos músculos da cadeia posterior é uma abordagem comum na prática clínica. O teste do terceiro dedo ao solo (DS) é frequentemente utilizado por ser de fácil aplicação e por ter se mostrado confiável e reprodutivo. O resultado do teste é a distância entre o terceiro dedo da mão e o solo e reflete a amplitude máxima permitida por esta cadeia muscular. Porém, o movimento para a execução do teste desloca para frente e para baixo grande parte da massa corporal exigindo respostas posturais para se evitar um risco de queda à frente. Foi levantada a hipótese de que o resultado desse teste possa variar de acordo com a demanda de equilíbrio do teste e a habilidade do indivíduo em realizar tais ajustes de equilíbrio. Objetivo: Verificar a influência do equilíbrio postural na flexibilidade mensurada pelo teste DS avaliada através de três paradigmas com os seguintes objetivos específicos: 1) verificar se a minimização da demanda de equilíbrio postural influencia o resultado do teste; 2) verificar se condições de aclive ou declive, que alteram as demandas de equilíbrio, influenciam no resultado do teste DS e; 3) verificar se é possível, através de uma rápida abordagem, orientar o indivíduo a executar uma estratégia de equilíbrio que melhore seu desempenho no teste DS. Métodos: 20 voluntários adultos jovens (6 homens e 14 mulheres) foram avaliados sobre uma plataforma de força em postura bípede quieta e em 6 testes DS em diferentes condições de demandas de equilíbrio na seguinte ordem: 1) Teste padrão (TP); 2) teste com suporte de equilíbrio (TS); 3) re-teste da condição padrão (re-teste); 4) teste em aclive (TAc); 5) teste em declive (TDc) 6) teste com orientações prévias de equilíbrio (TOr). Em cada um destes testes além da medida a distância entre o 3o dedo ao solo, foi calculada a posição média do Centro de Pressão (CP) através dos dados da plataforma de força e os ângulos articulares do tornozelo, joelho, quadril, lombar e tronco através de imagens digitais do voluntário em perfil. O ângulo de flexão total com a somatória dos ângulos também foi calculado. No paradigma 1 as variáveis foram comparadas entre condições TP, TS e re-teste. No paradigma 2 foram comparadas as condições TP, TAc e TDc. No paradigma 3 foram comparadas as condições TP e TOr. Os paradigmas 1 e 2 utilizaram a ANOVA para medidas repetidas com nível de significância p < 0,05 e teste post-hoc t de Student com correção de Bonferroni. Adicionalmente, no paradigma 1 foi realizado o teste de correlação de Pearson entre o resultado do teste DS e o CP. No paradigma 3 foi utilizado o teste T de Student com nível de significância p < 0,05. Resultados: O paradigma 1 mostrou melhora de 73% no resultado do teste DS, deslocamento anterior do CP, além de maior flexão de tornozelo e tronco na condição TS em relação ao TP. O ângulo de flexão total foi 30º maior na condição TS. O re-teste mostrou sinais de aprendizagem com resultados intermediários entre o TP e o TS. O CP correlacionou-se negativamente com o resultado do teste DS. O paradigma 2 mostrou grande melhora no resultado do teste DS em TAc em comparação a TDc e TP com maior flexão de tornozelo e maior flexão na soma das articulações. O paradigma 3 mostrou melhora de 62% no resultado do teste DS com deslocamento anterior do CP e maior flexão de tornozelo, lombar, tronco e soma dos ângulos em TOr em comparação com TP. Conclusão: O teste DS mostrou grande influência do equilíbrio postural. Condições com menor demanda de equilíbrio apresentaram resultados melhores que a condição com maior demanda. Na condição padrão de teste, o resultado foi melhor nas estratégias em que o CP é deslocado à frente. A instrução para que os indivíduos adotassem esta estratégia de equilíbrio levou a melhores resultados
Título em inglês
Influence of postural balance on the Toe-Touch test result
Palavras-chave em inglês
Biomechanical phenomena
Kinetics
Nervous system phenomena
Postural balance
Postural control
Range of motion
Resumo em inglês
Flexibility evaluation is a standard assessment in clinical and in sports settings. The Toe-touch test (TTT) is a common assessment tool to evaluate posterior muscular chain flexibility. It is a simple, reliable and reproductive test. But the test procedure implies a balance demand as it requires a great amount of body mass to be forward displaced. It was then hypothesized that the balance demand during the TTT and the subject's ability to deal with it may affect the flexibility measured by the test. Objective: The main objective was to verify the influence of postural balance on the flexibility measured by the TTT by means of three experimental paradigms with the following specific purposes: 1) to verify whether the minimization of the balance demand during the test may improve test results; 2) to verify whether the test outcome might be influenced by ground inclination (toes up or toes down); and 3) To verify if it is possible to briefly guide the subject to perform a better balance strategy to deal with the balance demand of the test. Methods: 20 young adults (6 men and 14 women) volunteered to participate. They were evaluated over a force platform during quiet stance and during 6 trials of the TTT under the following balance conditions: 1) Standard balance condition TTT (ST); 2) TTT with a balance support device (SupT); 3) ST re-test; 4) TTT over an inclined surface with toes up (TUT); 5) TTT over an inclined surface with toes down (TDT); 6) TTT with balance instructions (InsT). For each test it was calculated the mean position of the Center of Pressure (CP), the ankle, knee, hip, lumbar and trunk angles, as well as the sum of all these angles and the TTT outcome, i.e., the distance from the third finger to the ground. In the first experimental paradigm these variables were compared between tests ST, SupT and re-test. In the second paradigm the comparisons were performed between tests ST, TUT and TDT. And, finally, tests ST and InsT were compared in the third paradigm. In paradigms 1 and 2 the repeated measure ANOVA was performed with significance level of p < 0.05 and T student tests with Bonferroni correction as post-hoc tests. Additionally, the Pearson correlation test was used to calculate the correlation between CP and the tests outcomes. For the third paradigm it was used the T student test with significance level p < 0.05. Results: The first paradigm showed an average improvement of 73% in the test outcome associated by a forward CP displacement and greater ankle and trunk flexion in SupT compared to ST. The SupT also showed a greater flexion of 30? in the sum of angles. Re-test of ST showed learning effects with intermediary results between ST and SupT. Additionally, it was found a negative correlation between CP position and test outcome, the forward the CP, the better the test result. The second paradigm showed a great test improvement in TUT with greater flexion in ankle and in the summed angles compared to TDT and ST. And paradigm 3 showed an improvement of 62% in test outcome associated with forward CP displacement and greater ankle, lumbar, trunk and summed angles in InsT compared to ST. Conclusions: The TTT is highly influenced by balance. Test outcome was improved under less demanding conditions than those with more demanding condition. In the standard balance condition, test outcome was better when the balance strategy involved the forward displacement of the CP. The instruction to the subject to adopt that balance strategy lead to better test outcome
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-03-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.