• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Alessandra Ferreira Barbosa Lee
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Voos, Mariana Callil (Presidente)
Barsottini, Orlando Graziani Povoas
Fen, Chien Hsin
Pompeu, José Eduardo
Título em português
Avaliação da função executiva e da fluência verbal em pacientes com doença de Parkinson
Palavras-chave em português
Cognição
Doença de Parkinson
Envelhecimento
Função executiva
Gânglios da base
Transtornos dos movimentos
Resumo em português
Pacientes com doença de Parkinson (DP) apresentam diversos sintomas não motores, dentre eles, alterações cognitivas. Déficits de função executiva podem ser observados desde os estágios iniciais da DP e impactam na independência funcional e na qualidade de vida. A função executiva é essencial para a realização de atividades de vida diária, que requerem integração cognitivo-motora. A realização de atividades cotidianas depende não só do sistema motor, mas também da interpretação e do processamento sensorial/ perceptual e da seleção e do planejamento da melhor estratégia motora. Sendo assim, um grande número de atividades de vida diária pode ser afetado por déficits na função executiva em pacientes com DP. Nessas tarefas, os componentes cognitivos e motores competem por recursos atencionais, o que pode prejudicar o desempenho em um ou em ambos os componentes. Entretanto, os estudos são muito direcionados para a análise de tarefas-duplas que envolvam equilíbrio em ortostatismo e marcha, mas contemplam pouco outras tarefas motoras. Os objetivos desse estudo foram (1) comparar o desempenho de pacientes com DP com o de um grupo controle nos testes de função executiva (Trail Making Test) e de fluência verbal (fluência semântica e fonêmica e diadococinesia oral /pataka/) e (2) investigar possíveis correlações entre função executiva e fluência verbal. O estudo foi realizado de maneira transversal, em uma única sessão, em uma avaliação de cerca de 50 minutos. Quarenta pacientes com DP (idade entre 50 e 79 anos, Hoehn & Yahr entre 2 e 3) e quarenta controles (com idade e escolaridade semelhantes) foram avaliados com o Trail Making Test, a fluência verbal semântica e fonêmica e o teste de diadococinesia oral. Na parte A do TMT, os participantes conectaram círculos numerados de 1 a 25, em sequência. Na parte B, os participantes conectaram círculos alternando números e letras (1-A-2-B-3-C-4-D-5-E-6-F-7-G-8-H-9-I-10-J-11-K-12-L-13). No teste de fluência verbal fonêmica, foi solicitado que os participantes dissessem palavras começando com a letra F. No teste de fluência verbal semântica, os participantes disseram o maior número de animais possível, em 60 segundos. No teste de diadococinesia oral, os participantes repetiram a sequência /pataka/ o mais rápido possível. Os grupos foram comparados por meio de análises de variância e as relações entre as variáveis foram investigadas pelo teste de correlação de Pearson. A análise de variância mostrou diferenças significativas entre grupos (F1,78=10,55; p=0,002) e entre partes do Trail Making Test (F1,78=154,02; p < 0,001). A parte B apresentou tempos maiores que a parte A (p < 0,001). Pacientes com DP disseram menos palavras nos testes de fluência verbal, em comparação aos controles (p < 0,001). Pacientes com DP repetiram a sequência /pataka/ menos vezes que os controles (p=0,019). Houve forte correlação entre o teste de fluência verbal fonêmica e a parte B do Trail Making Test (valor de r=-0,874 e p=0,001) e entre a diadococinesia oral e as partes A e B do Trail Making Test (valor de r=-0,824 e p=0,001). A correlação entre a parte B do Trail Making Test, que é uma medida de função executiva e reflete a habilidade de integração cognitivo-motora e as tarefas de fluência verbal, evidencia a importância do controle motor para as tarefas de fala. A tarefa da fala fornece não somente sobrecarga cognitiva, mas também motora para pacientes com DP. Esse conhecimento é importante para a prática clínica, uma vez que é necessário detectar a natureza do acometimento e da tarefa para usá-las de maneira adequada em programas de reabilitação
Título em inglês
Assessment of executive function and verbal fluency in patients with Parkinson´s disease
Palavras-chave em inglês
Aging
Basal ganglia
Cognition
Executive function
Movement disorders
Parkinson disease
Resumo em inglês
Patients with Parkinson´s disease (PD) can present several non-motor symptoms, including cognitive deficits. Executive function deficits can be observed since the early stages of PD and impact on functional independence and quality of life. The executive function is essential to the activities of daily living, which require cognitive-motor integration. The performance of activities of daily living depends not only on the motor system, but also on the sensory/ perceptual interpretation and processing and the selection and planning of the best motor strategy. Therefore, many activities of daily living can be affected by deficits in the executive function in patients with PD. In such tasks, cognitive and motor components compete for attentional resources, which may impair the performance of one or both tasks. However, most studies focus on to the analysis of dual-tasks involving orthostatic balance and gait, but they do not approach other motor tasks. The objectives of this study were (1) to compare the performance of patients with PD with a control group in executive function (Trail Making Test) and verbal fluency tests (semantic and phonemic and oral diadochokinesis /pataka/) and (2) to investigate possible correlations between executive function and verbal fluency. This was a cross-sectional study and the tests were performed individually in a 50-minute single session. Forty people with PD (aged 50 - 79 years, Hoehn & Yahr 2 - 3) and forty controls (with similar age and education) were evaluated with Trail Making Test (TMT, executive function), phonemic/semantic verbal fluency and oral diadochokinesis (/pataka/) tests. In part A of Trail Making Test, participants connected circles with the numbers 1-25, in sequence. In part B, participants connected circles in a sequence with alternated numbers and letters (1-A-2-B-3-C-4-D-5-E-6-F-7-G-8-H-9-I-10-J-11-K-12-L-13). In the phonemic verbal fluency test, participants were instructed to say words beginning with the letter F. In the semantic verbal fluency test, participants were instructed to say out loud as many animals as they could remember, in 60 seconds. In the oral diadochokinesis test, participants were asked to say the /pataka/ sequence as fast as they could. Groups were compared by analyses of variance and the relationships between the variables were investigated by Pearson correlation tests. Analysis of variance showed significant differences between groups (F1,78=10.55; p=0.002) and between Trail Making Test parts (F1,78=154.02; p < 0.001). Part B showed longer times than part A (p < 0.001). People with PD said fewer words in both fluency tests, compared to controls (p < 0.001). People with PD repeated the sequence /pataka/ less times than controls (p=0.019). There was a strong correlation between the phonemic verbal fluency test and the part B of Trail Making Test (r=-0.874 and p=0.001) and between the oral diadochokinesis test and both parts of the Trail Making Test (r=-0.824 e p=0.001). The correlation between the part B of Trail Making Test, which is an executive function measure and reflects the cognitive-motor integration ability, and the verbal fluency tests, evidences the importance of motor control for speech tasks. Speech tasks not only provide cognitive overload, but also motor overload in patients with PD. This knowledge is important in clinical practice, in which therapists must detect the nature of the disability and the task to use this information properly in rehabilitation programs
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-04-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.