• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Danilo Peron Meireles
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Goulart, Alessandra Carvalho (Presidente)
Alencar, Airlane Pereira
Lima, Danielle Bivanco de
Santos, Itamar de Souza
Título em português
Valor prognóstico da espessura médio-intimal da artéria carótida na mortalidade de curto e longo prazo na estratégia de registro de síndrome coronariana aguda (ERICO)
Palavras-chave em português
Doença da artéria coronária
Doenças cardiovasculares
Espessura íntima-média carotídea
Prognóstico
Sobrevida
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A aterosclerose nas artérias carótidas pode determinar um prognóstico ruim em indivíduos após a ocorrência da síndrome coronariana aguda (SCA). Assim, buscamos avaliar a mortalidade associada à espessura médio-intimal carotídea (EMIC) nos participantes do estudo da Estratégia de Registro de síndrome coronariana aguda (ERICO). MÉTODOS: A EMIC foi avaliada por ultrassonografia modo B para avaliação do risco de mortalidade em 180 dias, 1, 2 e 3 anos. Realizamos as curvas de sobrevivência de Kaplan-Meier e os modelos de regressão logística de Cox para avaliar a mortalidade de todas as causas, doença cardiovascular (DCV) e doença arterial coronariana (DAC) por tercis da EMIC em modelos brutos, ajustados por idade e sexo e ajustes multivariados. RESULTADOS: Entre 644 indivíduos com SCA (idade média de 61 anos), observamos uma EMIC mediana de 0,74 mm (0,40-1,90). Além do envelhecimento, menor escolaridade, hipertensão, diabetes e dislipidemia foram associadas aos maiores valores de EMIC (3º tercil: 0,81-1,90 mm). Durante 3 anos de acompanhamento, observamos 65 mortes (10,1%), as taxas brutas de mortalidade por casos foram progressivamente maiores nos tercis EMIC em todos os períodos, sendo as taxas mais altas observadas em participantes com maior EMIC (3º tercil) (180 dias: 6,6% vs. 1 ano: 9,0% vs. 2 anos: 12,3% vs. 3 anos: 16,0%, P < 0,05). Nas análises brutas, as taxas de sobrevivência mais baixas (todas as causas, DCV e DAC, p log-rank valores < 0,005) e maiores razões de risco de morte para todas as causas e DCV (de 1 a 3 anos) e para DAC (2 e 3 anos) foram observados. No entanto, não mantivemos resultados significativos após ajuste para a idade. CONCLUSÃO: A EMIC foi influenciada principalmente pelo envelhecimento. A EMIC não foi um bom preditor de mortalidade por todas as causas, DCV ou DAC no estudo ERICO
Título em inglês
Prognostic value of carotid intima-media in the short and long-term mortality in the strategy of registry of acute coronary syndrome (ERICO) study
Palavras-chave em inglês
Cardiovascular disease
Carotid intima-media thickness
Coronary heart disease
Prognosis
Survival
Resumo em inglês
BACKGROUND: Atherosclerotic in carotids can determinate a poor prognosis in individuals after acute coronary syndrome (ACS). Thus, we aimed to evaluate mortality associated to carotid intima media thickness (CIMT) in the participants from in the Strategy of Registry of Acute Coronary Syndrome (ERICO) study. METHODS: CIMT was evaluated by B-mode ultrasound for mortality risk assessment in 180 days, 1-3 years. We performed Kaplan-Meier survival curves and Cox logistic regression models to evaluate all-cause, cardiovascular (CVD) and coronary heart disease (CHD) mortality by CIMT tertiles in crude, age and sex- and multivariate models. RESULTS: Among 644 ACS individuals (median age 61y-old), we observed a median CIMT of 0.74 mm (0.40-1.90). Besides ageing, low education, hypertension, diabetes and dyslipidemia were associated with the highest values of CIMT (3rd tertile: 0.81-1.90 mm). During 3 years of follow-up, we observed 65 deaths (10.1 %), crude case-fatality rates were progressively higher across the CIMT tertiles in all periods, being the highest rates observed in participants with the highest CIMT (3rd tertile) (180-d: 6.6% vs. 1-y: 9.0% vs. 2-y:12.3% vs. 3-y:16.0%, P < 0.05). In crude analyses, lowest survival rates (all- cause, CVD and CHD, p log-rank values < 0.005) and higher hazard ratios of dying for all-cause and CVD (from 1 to 3 years) and for CHD (2 and 3 years) were observed. However, we kept no significant results after adjusting for age. CONCLUSION: CIMT was mainly influenced by ageing. CIMT was not a good predictor of all-cause, CVD or CHD mortality in the ERICO study
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-04-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.