• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Vitor de Sousa Medeiros
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Maluf Filho, Fauze (Presidente)
Ardengh, José Celso
Gagliardi, Danilo
Júnior, Ulysses Ribeiro
Título em português
Eventos adversos das próteses metálicas autoexpansíveis esofágicas em pacientes com doença maligna avançada e sobrevida superior a 6 meses
Palavras-chave em português
Assistência de longa duração
Cuidados paliativos
Efeitos adversos de longa duração
Neoplasias esofágicas
Próteses e implantes
Stents
Resumo em português
Introdução: as próteses metálicas autoexpansíveis (PMAE) são consideradas a melhor forma de tratamento paliativo da disfagia para pacientes com câncer avançado de esôfago. Os eventos adversos (EA) são uma grande preocupação, especialmente em pacientes com melhor prognóstico e maior sobrevida. O presente estudo teve como objetivo avaliar os EA de pacientes que sobreviveram por mais de 6 meses com a prótese esofágica no local. Métodos: análise retrospectiva de um banco de dados coletado prospectivamente incluindo todos os pacientes submetidos à colocação de prótese esofágica para o tratamento paliativo de doenças malignas e que permaneceram com a prótese por mais de 6 meses, durante o período de fevereiro de 2009 a fevereiro de 2014 em um centro acadêmico terciário. Resultados: sessenta e três pacientes foram incluídos. O seguimento médio foi de 10,7 meses. O sucesso clínico foi alcançado em todos os pacientes e a mediana da patência da prótese foi de 7,1 meses. Eventos adversos ocorreram em 40 pacientes (63,5%), totalizando 62 EA (média de 1,5 EA por paciente). O manejo endoscópico dos EA foi bemsucedido em 84,5% dos casos, com uma média de 1,6 reintervenções por paciente. A análise univariada revelou que a capacidade funcional, a idade e a radioterapia pós-prótese apresentaram tendência ao maior risco de EA. A análise multivariada revelou que apenas a capacidade funcional foi associada a EA (p = 0,025; HR = 4,1). Conclusão: eventos adversos são comuns em pacientes com prótese metálica de esôfago por período prolongado para paliação de doenças malignas. No entanto, o evento adverso não foi relacionado com maior taxa de mortalidade, e a maioria das complicações pôde ser manejada endoscopicamente com sucesso. Apenas a capacidade funcional foi um fator de risco para os EA. Os presentes dados sugerem que a prótese metálica é uma opção válida para a paliação de condições esofágicas malignas, mesmo quando se espera sobrevida maior que 6 meses
Título em inglês
Adverse events of self-expandable esophageal metallic stents in patients with long-term survial from advanced malignant disease
Palavras-chave em inglês
Esophageal neoplasms
Long term adverse effects
Longterm care
Palliative care
Prostheses and implants
Stents
Resumo em inglês
Background and Aims: self-expandable metallic stents (SEMS) are considered the best palliative treatment of dysphagia for patients with advanced esophageal cancer. Adverse events (AE) are a major concern, especially in patients with better prognosis and longer survival. The present study aimed to evaluate the AE of patients who survived longer than 6 months with esophageal stents in place. Methods: retrospective analysis of a prospectively collected database including all patients submitted to esophageal stent placement for the palliation of malignant diseases, during the period from February 2009 to February 2014 at a tertiary-care academic center, who remained with the stent longer than 6 months. Results: sixtythree patients were included. Mean follow-up was 10,7 months. Clinical success was achieved in all patients, and the median stent patency was 7,1 months. Adverse events occurred in 40 patients (63.5%), totaling 62 AE (mean 1.5 AE per patient). Endoscopic management of AE was successful in 84.5% of cases, with a mean of 1.6 re-interventions per patient. The univariate analysis revealed that performance status, age and post-stent radiotherapy presented a trend to higher risk of AE. The multivariate analysis revealed that only performance status was associated with AE (p = 0,025; HR = 4.1). Conclusions: AE are common in patients with long-term esophageal stenting for malignancy. However, AE was not related to higher mortality rate, and most complications could be successfully managed by endoscopy. Only performance status was a risk factor for AE. Our data suggest that metallic stenting is a valid option for the treatment of malignant esophageal conditions, even when survival longer than 6 months is expected
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-04-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.