• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2017.tde-14122017-134042
Documento
Autor
Nome completo
Allan Garms Marson
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Sallum, Rubens Antonio Aissar (Presidente)
Buchpiguel, Carlos Alberto
Cecconello, Ivan
Rocha, Julio Rafael Mariano da
Soares Junior, Jose
Título em português
A tomografia por emissão de pósitrons - 18F-fluorodesoxiglicose-PET e a PET-CT no estadiamento e tratamento do câncer do esôfago
Palavras-chave em português
18F-FDG-PET
Adenocarcinoma
Carcinoma de células escamosas
Estadiamento de neoplasias
Neoplasias esofágicas
PET-CT
Resumo em português
Introdução: O câncer do esôfago é uma das neoplasias do aparelho digestivo com maior gravidade e que apresenta grande morbimortalidade, mesmo quando o diagnóstico é precoce. A maioria dos pacientes é diagnosticado nos estágios avançados. O tratamento depende do estadiamento da neoplasia que avalia a profundidade de invasão do tumor (T), a disseminação linfonodal (N) e a presença de metástases a distância (M) e segue as orientações da União Internacional Contra o Câncer (UICC). Nas últimas décadas o estadiamento era realizado convencionalmente pela tomografia computadorizada (TC) e atualmente com a utilização de equipamentos que avaliam o metabolismo glicolítico do tumor como o 18F-FDG-PET e o PET-CT. Este estudo teve como Objetivo avaliar a relação entre a tomografia computadorizada e os métodos metabólicos como o 18F-FDG-PET e PET-CT, no estadiamento e tratamento do Adenocarcinoma e do Carcinoma Espinocelular (CEC) do esôfago. Método: Foram avaliados 331 pacientes com diagnóstico de Adenocarcinoma e CEC do esôfago entre 2008 e 2014. Destes, 55 pacientes (16,6%) apresentaram Adenocarcinoma e 276 (83,4%) apresentaram CEC. A idade variou de 38 a 92 anos, com média de 62,9 (+/- 9,8) anos. Inicialmente foram submetidos ao estadiamento com TC e proposta de conduta cirúrgica curativa ou tratamento paliativo. Posteriormente foram avaliados com a inclusão do 18F-FDG-PET ou do PET-CT e foi definida a conduta final. Resultados: A proporção de linfonodos positivos (N+) na tomografia foi de 71%, enquanto que nos métodos metabólicos foi de 70,1% (p=0,834), contudo, com pequena concordância (Kappa=0,339). A proporção de metástases (M1) encontradas na TC foi de 44,1% e no PET-CT 47,1%. Para metástases, o teste Kappa mostrou que os dois métodos apresentam uma concordância regular (0,452), apresentando mudanças de estadiamento em 36,5% dos indivíduos, sendo 19,3% com sobre estadiamento e 17,2% com subestadiamento. Entretanto, apenas 63 pacientes (19%) apresentaram mudança de conduta final e esta foi maior nos pacientes com sobre estadiamento (67,2%) (p < 0,005). Nos pacientes com Adenocarcinoma, observou-se um número maior de subestadiamento (32,7%), comparado àqueles com CEC (15,4%) (p < 0,0001), entretanto, sem apresentar diferença estatisticamente significativa quando avaliada a mudança de conduta. Avaliando individualmente os 140 pacientes estadiados com 18F-FDG-PET, 52,9% apresentaram linfonodos positivos (N+), valor semelhante à tomografia (p=0,053), entretanto com concordância pequena, cerca de 32,9% destes com metástases (M1) (p=0,749) e com concordância regular entre os métodos. Após o estadiamento, ocorreu uma mudança de conduta de 23,6% quando avaliado por equipe multidisciplinar. Com o uso do PET-CT, a proporção de tumores T4 foi de 27,2% (p=0,071), porém, com concordância boa com a tomografia (Kappa=0,616). A proporção de linfonodos positivos (N+) foi de 82,7%, com pequena concordância com a tomografia (Kappa=0,392). A proporção de metástases (M1) no PET-CT foi de 57,6%, com concordância regular (Kappa=0,465). Apresentaram mudança de estadiamento 34% dos indivíduos, sendo 19,3% com sobre estadiamento e 14,7% com subestadiamento. Entretanto, dos 191 pacientes, apenas 30 (15,7%) apresentaram mudança de conduta final, sendo que 67,6% ocorreu nos casos com sobre estadiamento, quando comparada aos casos com subestadiamento (17,9%) (p < 0,005). Pacientes com Adenocarcinoma apresentaram um número maior de subestadiamento (30%), comparado àqueles com CEC (11,8%), (p < 0,0001), entretanto, sem apresentar diferença estatisticamente significativa. A sobrevida global, quando avaliados com PET-CT, foi em torno de 30% após 30 meses, sendo semelhante tanto no grupo de pacientes em que houve mudança de conduta quanto no grupo em que esta mudança de conduta não ocorreu. Conclusão: Conclui-se, portanto, que no estadiamento tomográfico com 18F-FDG-PET e com PET-CT foi identificado um número expressivo de pacientes em estágios avançados, entretanto estes achados muitas vezes diferem entre si. A mudança de conduta ocorre em número expressivo de pacientes e geralmente nos casos em que ocorre sobre estadiamento. Embora o Adenocarcinoma apresente um número maior de casos de subestadiamento que o CEC, esta mudança de estadiamento não se reflete na mudança de conduta quando comparados. Torna-se importante, portanto, a avaliação multiprofissional em serviço de excelência no momento de decisão sobre a melhor terapêutica. Por fim, observamos a mesma curva de sobrevida entre aqueles pacientes em que há certeza da conduta a ser tomada e aqueles em que a conduta foi mudada após o uso do PET-CT, o que corrobora a necessidade da utilização em conjunto desses dois métodos
Título em inglês
Positron emission tomography - 18F-fluorodeoxyglucose-PET and PET-CT in staging and treatment of esophagus cancer
Palavras-chave em inglês
Adenocarcinoma
Carcinoma squamous Cell
Esophageal neoplasms
Neoplasm staging
Positron emission tomography computed tomography
Positron-emission tomography
Resumo em inglês
Introduction: Esophagus cancer is one of the most serious neoplasms of the digestive tract that presents great morbidity and mortality even in early diagnosis. Most patients are diagnosed in advanced stages. Treatment depends on tumor staging, which evaluates the depth of tumor invasion (T), lymph node spread (N) and the presence of distant metastases (M) and follow the guidelines of Union for International Cancer Control (UICC). In the last decades, staging was performed conventionally by computed tomography (CT) and currently with the use of equipments that evaluates tumor glycolytic metabolism such as 18F-FDG-PET and PET-CT. This study has as main Objective to evaluate the relationship between computed tomography and metabolic methods such as 18F-FDG-PET and PET-CT in the staging and treatment of Adenocarcinoma and Spinocellular Carcinoma (SCC) of the esophagus. Method: A total of 331 patients diagnosed with adenocarcinoma and esophageal SCC were evaluated between 2008 and 2014. 55 of these patients (16.6%) had adenocarcinoma and 276 (83.4%) had CPB, ranging from 38 to 92 years, mean age of 62.9 (+/- 9.8) years. Initially they underwent staging with CT and it was proposed a curative surgical management or palliative treatment. Lately they were evaluated with the inclusion of 18F-FDG-PET or PET-CT and then the final management was defined. Results: The proportion of positive lymph nodes (N +) on the CT scan was 71%, whereas in the metabolic methods it was 70.1% (p=0.834), however, with a fair agreement (Kappa=0.339). The proportion of metastases (M1) found in CT was 44.1% and in PET-CT, 47.1%. For metastases, the Kappa test showed that the two methods presented a moderate agreement (0.452), presenting staging changes in 36.5% of subjects, being 19.3% with upstaging and 17.2% with downstaging. However, only 63 patients (19%) showed changes in the final management and this was higher in upstaging patients (67,2%) (p < 0,005). In patients with Adenocarcinoma, a greater number of downstaging was observed (32.7%), compared to those with CPB (15.4%) (p < 0.0001), however, without any statistically significant difference when the change of management was evaluated. Evaluating individually the 140 patients staged with 18F-FDG-PET, 52.9% presented positive lymph nodes (N +), data similar to tomography (p = 0.053), however with fair agreement, about 32.9% of these had metastases (M1) (P=0.749) and with moderate agreement between the methods. After the staging, a conduct change of 23.6% occurred when evaluated by a multidisciplinary team. With the use of PET-CT, the proportion of T4 tumors was 27.2% (p = 0.071), but with good agreement with tomography (Kappa=0.616). The proportion of positive lymph nodes (N+) was 82.7%, with fair agreement with the tomography (Kappa=0.392). The proportion of metastases (M1) in PET-CT was 57.6%, with moderate agreement (Kappa=0.465). 34% of the individuals presented staging change, 19.3% with upstaging and 14.7% with downstaging. However, only 30 (15.7%) out of 191 presented a final change of behavior, 67.6% of which occurred in cases with upstaging when compared to cases with downstaging (17.9%) (p < 0.005). Patients with adenocarcinoma had a greater number of downstaging (30%) compared to those with CPB (11.8%), (p < 0.0001), however, with no statistically significant difference. Overall survival when staged with PET-CT was around 30% after 30 months, being similar both in the group of patients where there was change of management and in the group where this change of management did not occur. Conclusion: It was concluded that in the tomographic staging with 18F-FDG-PET and with PET-CT an expressive number of patients in advanced stages was identified, however these findings often differ from each other. The change in management occurs in an expressive number of patients, and usually in cases where upstaging occurs. Although Adenocarcinoma presents a greater number of cases of downstaging than CPB, this change in staging is not reflected in the change of management when both are compared. It is important, therefore, the multiprofessional evaluation in service of excellence when deciding on the best therapeutics. Finally, we observed the same survival curve between those patients in which there is certainty of the management to be taken and those in which the management was changed after the use of PET-CT, which corroborates with the need to use these two methods together
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
AllanGarmsMarson.pdf (2.90 Mbytes)
Data de Publicação
2017-12-19
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.