• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2017.tde-10052017-163701
Documento
Autor
Nome completo
Gisele Rodrigues Gouveia
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Pereira, Juliana (Presidente)
Zerbini, Maria Claudia Nogueira
D'Amico, Elbio Antonio
Hallack Neto, Abrahão Elias
Nicolau, José Eduardo
Título em português
Detecção da expressão dos genes associados à resistência múltipla à droga, OCT1 e MDR1 e do gene BCL2 em linfoma difuso de grandes células B"
Palavras-chave em português
Expressão gênica
Gene MDR1
Gene OCT1
Genes BCL2
Linfoma difuso de grandes células B
Prognóstico
Reação em cadeia da polimerase em tempo real
Sobrevida
Resumo em português
O linfoma difuso de grandes células B (LDGCB) é o subtipo de linfoma mais comum em países em desenvolvimento. Entretanto, apesar de sua prevalência e importância, ainda existem poucas publicações com dados epidemiológicos para a população brasileira. Conhecer os fatores de prognóstico é imperativo para identificar os pacientes que responderão melhor ao tratamento, além de permitir sua individualização terapêutica. Alguns estudos demonstraram que pacientes com o mesmo Índice Internacional de Prognóstico (IPI) podem apresentar diferentes sobrevidas, justificando a necessidade de identificar novos marcadores biológicos de prognóstico. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto prognóstico da expressão dos genes BCL2, MDR1 e OCT1, de suas respectivas proteínas e da translocação t(14;18), nos desfechos de resposta completa (RC), sobrevida global (SG), sobrevida livre de doença (SLD) e sobrevida livre de progressão (SLP) em pacientes com LDGCB. Foram avaliados de forma retrospectiva 98 pacientes com LDGCB de novo tratados com R-CHOP. A expressão gênica foi avaliada por PCR em Tempo Real com RNA extraído de amostras parafinadas. A expressão proteica foi avaliada pelo método de imuno-histoquímica. A mediana de idade foi de 54,5 anos e 49 pacientes (50%) eram do sexo masculino. Sessenta e quatro pacientes (85,3%) obtiveram RC, com uma mediana de acompanhamento de 2,66 anos. A expressão mediana de BCL2, MDR1 e OCT1 foi 6,27; 0 e 24,49, respectivamente. Não encontramos impacto prognóstico da expressão do gene BCL2 na RC (p=0,277), SG (p=0,068) e SLD (p=0,860). Porém, a expressão de BCL2 >= à mediana associou-se à menor SLP (p=0,040). Encontramos associação entre expressão do gene OCT1 >= à mediana e pior prognóstico para SG (p=0,010) e SLP (p=0,016). Porém, não observamos impacto prognóstico da expressão de OCT1 para RC (p=0,464) e SLD (p=0,717). Não houve associação entre expressão do gene MDR1 e das proteínas BCL-2, Pg-p e OCT-1 com o prognóstico dos pacientes em relação à RC, SG, SLD e SLP. O número de sítios extralinfonodais (p=0,004 e p=0,005), estádio clínico (p < 0,001 para ambas), IPI (p < 0,001 para ambas) e nível de DHL (p=0,010 e p=0,008) apresentaram impacto prognóstico na SG e SLP, respectivamente. Quando os pacientes foram estratificados pelo estádio, IPI e idade, o grupo com expressão de OCT1 >= à mediana e IPI intermediário-alto ou alto risco apresentou pior SG (p=0,048) e o grupo com idade >= 60 anos e expressão de OCT1 >= à mediana apresentou pior prognóstico para SG e SLP (p=0,025 para ambas). Em conclusão, a expressão de MDR1 não apresentou impacto no prognóstico de portadores de LDGCB, porém, a expressão do gene BCL2 >= à mediana foi associada a menor SLP. Além disso, a hiperexpressão de OCT1 apresentou valor preditivo de prognóstico para a SG e SLP em pacientes com LDGCB tratados com R-CHOP
Título em inglês
Detection of the expression of genes associated with multiple drug resistance, OCT-1 and MDR-1 and BCL-2 gene in diffuse large B-cell lymphoma
Palavras-chave em inglês
Gene expression
Gene MDR1
Gene OCT1
Genes BCL2
Lymphoma large B-cell diffuse
Prognosis
Real-time polymerase chain reaction
Survival
Resumo em inglês
The diffuse large B-cell lymphoma (DLBCL) is the most common lymphoma subtype in developing countries. However, despite its prevalence and importance, there are still few publications showing the epidemiological data of the Brazilian population. Knowing the prognostic factors is imperative to identify patients supposed to better respond to treatment, as well as to allow their therapeutic individualization. Some studies have shown that patients with the same International Prognostic Index (IPI) may present different survival rates, thus justifying the need to identify new prognosis biomarkers. The aim of this study was to assess the prognostic impact of the genes BCL2, MDR1 and OCT1 and their respective proteins and t (14; 18) translocation on the complete response (CR), overall survival (OS), disease-free survival (DFS) and progression-free survival (PFS) of patients with DLBCL. We retrospectively assessed 98 patients with de novo DLBCL treated with R-CHOP. The gene expression was assessed through real-time PCR using RNA extracted from paraffin samples. The protein expression was assessed through the immunohistochemistry method. The median age was 54.5 years; 49 patients (50%) were men. Sixty-four patients (85.3%) had CR and median follow-up 2.66 years. The median expression of BCL2, MDR1 and OCT1 was 6.27; 0 and 24.49, respectively. We did not find the prognostic impact of the BCL2 gene expression on CR (p = 0.277), OS (p = 0.068) and on DFS (p = 0.860). However, the expression of BCL2 >= the median was associated with the lower PFS (p = 0.040). We found association between OCT1 gene expression >= the median and worse prognosis for OS (p = 0.010) and PFS (p = 0.016). However, we did not find the prognostic impact of OCT1 expression on CR (p = 0.464) and DFS (p = 0.717). There was no association between the MDR1 gene expression and the BCL-2, Pg-p and OCT-1 proteins, and the patients' prognosis regarding CR, OS, DFS and PFS. The number of extranodal sites (p = 0.004 and p = 0.005), the clinical status (p <0.001 for both), the IPI (p < 0.001 for both) and DHL levels (p = 0.010 and p = 0.008) presented PFS, respectively. When the patients were stratified by stage, IPI and age, the group with OCT1 expression at the median and intermediate-to-high or high-risk IPI had worse OS results (p = 0.048) and the patients in the age group >= 60 years and expression of OCT1 >= the median presented worse prognosis for OS and PFS (p = 0.025 for both). Therefore, the MDR1 expression had no impact on the prognosis of DLBCL carriers. However, the expression of the BCL2 gene >= the median was associated with lower PFS. In addition, the OCT1 hyperexpression presented a predictive prognosis value for OS and PFS in patients with DLBCL treated with R-CHOP
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-05-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.