• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2018.tde-15032018-100220
Documento
Autor
Nome completo
Daniel Medeiros Lobo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Pereira, Rosa Maria Rodrigues (Presidente)
Pasoto, Sandra Gofinet
Shinjo, Samuel Katsuyuki
Szejnfeld, Vera Lucia
Título em português
Associação entre massa e função muscular com microarquitetura e resistência óssea em mulheres nos primeiros anos de menopausa
Palavras-chave em português
Envelhecimento
Força muscular
Menopausa
Músculos
Osso e ossos
Tomografia computadorizada por raios X
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A maioria dos estudos sobre baixa massa muscular e osso envolvem populações idosas. No entanto, como o hipoestrogenismo nos primeiros anos da menopausa é capaz de modular negativamente a massa óssea e muscular, é importante compreender a interação entre músculo e osso neste período. Além disso, há uma escassez de estudos que investigam a influência potencial da massa e função muscular sobre a qualidade óssea (microarquitetura e resistência), o que poderia fornecer uma visão mais abrangente do risco de fratura nesta população. O objetivo deste artigo foi avaliar as correlações potenciais entre parâmetros musculares (massa, força e função) e microarquitetura e resistência óssea utilizando a tomografia computadorizada periférica de alta resolução (HR-pQCT) em mulheres pós-menopáusicas. MÉTODOS: Um total de 225 mulheres menopausadas saudáveis (56,4 ± 4,6 anos) foram avaliadas por questionário clínico, exames laboratoriais e composição corporal (DXA, Hologic, QDR-4500). A qualidade dos ossos (densidade, microarquitetura, porosidade cortical e resistência) foi analisada por tomografia computadorizada periférica de alta resolução (rádio distal e tíbia, XtremeCT, Scanco Medical, Brüttisellen, Suíça). A mobilidade funcional e o desempenho muscular foram medidos pela força de preensão palmar (dinamômetro do modelo JAMAR), testes de levantar e sentar em 30 segundos e teste de levantar e caminhar cronometrado. O equilíbrio foi avaliado pela Escala de equilíbrio de Berg. A correlação entre parâmetros ósseos (HR-pQCT) e desempenho muscular foi analisada pelo teste de Spearman (p < 0,05). RESULTADOS: No rádio, houve correlações positivas entre a força de preensão palmar e os parâmetros do HR-pQCT do osso trabecular (densidade mineral óssea volumétrica trabecular [Tb.vBMD]: r = 0,17, p = 0,03, espessura trabecular [Tb.Th]: r = 0,16, p = 0,04), bem como entre a força muscular e a resistência óssea (Rigidez [S]: r = 0,36, p < 0,001). Na tíbia, a massa muscular da perna esquerda foi correlacionada positivamente com o número de trabéculas [Tb.N] (r = 0,16, p < 0,001), separação trabecular [Tb.Sp]: r = - 0,15, p = 0,02), espessura cortical [Ct.Th] (r = 0,21, p = 0,01) e resistência óssea [S] (r = 0,37, p < 0,001). Não houve correlações significativas entre os parâmetros de HR-pQCT e os testes funcionais dos membros inferiores, exceto entre o equilíbrio e a Tb.vBMD na tíbia (r = 0,13, p = 0,04). Houve uma correlação negativa entre a gordura corporal total e a função muscular (teste de levantar e sentar em 30 segundos: r = - 0,21, p < 0,001, escala de equilíbrio de Berg: r = -0,21, p < 0,001). CONCLUSÃO: nas mulheres, nos primeiros anos da menopausa, a força muscular parece desempenhar um papel mais importante nos parâmetros ósseos do membro superior (rádio), enquanto a massa muscular parece exercer maior influência no osso do membro inferior (tíbia). Esses achados sugerem uma diferença na relação entre músculo e osso de acordo com os diferentes segmentos do corpo. Além disso, a correlação negativa entre gordura corporal com função e equilíbrio muscular indica que o aumento da massa gorda corporal pode conferir maior risco de quedas nesta população. Estudos longitudinais são necessários para confirmar esses dados
Título em inglês
Associations between muscle mass and function with microarchitecture and bone strength in early postmenopausal women
Palavras-chave em inglês
Aging
Bone and bones
Menopause
Muscle strength
Muscles
Tomography X-ray computed
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Most studies on low muscle mass and bone involve elderly populations. However, because postmenopausal hypoestrogenism is able to negatively modulate bone and muscle mass, it is important to understand the interplay between muscle and bone in early menopause. In addition, there is a paucity of studies investigating the potential influence of muscle mass and function upon bone quality (microarchitecture and strength), which could provide a more comprehensive view of fracture risk in this population. The aim of this article was to assess the potential correlations between muscle parameters (mass, strength and function), and bone microarchitecture and strength using high-resolution peripheral computed tomography (HR-pQCT) in postmenopausal women. METHODS: A total of 225 healthy menopausal women (aged 56.4 ± 4.6 years) were evaluated by clinical questionnaire, laboratory and body composition (DXA, Hologic, QDR-4500). Bone quality (density, microarchitecture, strength and cortical porosity) was analyzed by high resolution peripheral computed tomography (distal radius and tibia, XtremeCT, Scanco Medical, Brüttisellen, Switzerland). Functional mobility and muscle performance were measured by hand grip strength (JAMAR model dynamometer), Timed-Stand and Timed Up & Go tests. Balance was assessed by the Berg Balance Scale. The correlation between bone parameters (HR-pQCT) and muscle performance was analyzed by the Spearman test (p < 0.05). RESULTS: At the radius, there were positive correlations between hand grip strength and trabecular bone HR-pQCT parameters (trabecular volumetric bone mineral density [Tb.vBMD]: r=0.17, p = 0.03, trabecular thickness [Tb.Th]: r=0.16, p=0.04), as well as between muscle strength and bone strength (Stiffness [S]: r = 0.36, p < 0.001). At the tibia, the left leg muscle mass was positively correlated with number of trabeculae [Tb.N] (r = 0.16, p < 0.001), trabecular separation [Tb.Sp]: r=- 0.15, p= 0.02), cortical thickness [Ct.Th] (r = 0.21, p = 0.01) and bone strength [S] (r= 0.37, p < 0.001). There were no significant correlations between HR-pQCT parameters and lower limb functional tests, except between the balance and tibial Tb.vBMD (r= 0.13, p = 0.04). There was a negative correlation between total body fat and muscle function (30-s chair test: r = -0.21, p < 0.001, balance: r = -0.21, p < 0.001). CONCLUSION: In postmenopausal women, muscle strength seems to play a more important role in the upper limb bone (radius) parameters, whereas muscle mass seems to exert a higher influence on the lower limb bone (tibia). These findings suggest a difference on relationship between muscle and bone according to distinct body segments. In addition, the negative correlation between body fat and balance/muscle function indicate that increased body fat mass might confer increased risk of falls in this population. Longitudinal studies are needed to test these assumptions
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-03-15
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.