• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2014.tde-31032014-160420
Documento
Autor
Nome completo
Regina Maria Volpato Bedone
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Abdo, Carmita Helena Najjar (Presidente)
Lara, Lucia Alves da Silva
Pompei, Luciano de Melo
Título em português
Resposta sexual, disfunção sexual e qualidade de vida em mulheres obesas
Palavras-chave em português
Disfunções sexuais
Feminino
Índice de massa corporal
Obesidade
Qualidade de vida
Questionários
Sexualidade
Resumo em português
Introdução: No Brasil, como em outros países, obesidade e disfunção sexual são consideradas problemas de saúde pública pela alta prevalência e por estarem relacionadas com hipertensão arterial, diabetes, doenças cardiovasculares, transtornos depressivos, outras morbidades e prejuízos na qualidade de vida dos indivíduos. Em geral, há poucos estudos sobre resposta sexual, obesidade e qualidade de vida em mulheres, e, na maioria deles, as pesquisas são realizadas com pacientes portadoras de doenças crônicas. Objetivos: Avaliar a resposta sexual, as disfunções sexuais e a qualidade de vida de mulheres obesas sem outras morbidades associadas e com parceiros não portadores de disfunção sexual. Métodos: Foram selecionadas 37 mulheres obesas (IMC = 30-39,9 Kg/m2) sem outras morbidades, com idade acima de 18 anos, não menopausadas, com parceiro funcional e relacionamento estável. Os parceiros foram avaliados pelo questionário QS-M. Considerando critérios para exclusão de doenças, as pacientes foram submetidas aos seguintes exames laboratoriais: glicose, colesterol e frações, triglicérides, TSH, prolactina, testosterona total, SHBG e testosterona livre. Também foram avaliadas por entrevista clínica e, posteriormente, pelos questionários QS-F, IWQOL-Lite, BDI e HAM-A. Resultados: Das 37 pacientes, 4 (10,8%) foram consideradas disfuncionais (QSF 60) e 33 (89,2%) apresentaram desempenho sexual satisfatório (QS-F 60). Dentre as disfunções sexuais, a diminuição do desejo sexual e a disfunção do orgasmo comprometeram 100% das pacientes; a disfunção de excitação 75%, o vaginismo 50% e a dispareunia 25%. Não houve correlação estatisticamente significativa entre o IMC e o QS-F (r=-0,12; p=0,470). O IWQOL-Lite total, com escore máximo de 155 pontos, variou de 31 a 116 pontos, com mediana de 60,0 pontos. Houve correlação estatisticamente significativa entre o QS-F e os domínios do IWQOL-Lite vida sexual, trabalho e o total. Verificou-se correlação estatisticamente significativa entre o IMC e a QV (r=-0,41; p=0,012). Ocorreu correlação negativa e estatisticamente significativa entre o QSF e o BDI (r= -0,37; p= 0,025), e o HAM-A (r=-0,39; p=0,016). Conclusões: Mulheres obesas sem outras morbidades mostraram um desempenho sexual satisfatório, e não houve correlação entre a obesidade e a presença de disfunção sexual. O melhor desempenho sexual foi associado com a melhor qualidade de vida. Quanto mais obesas, pior a qualidade de vida das pacientes. Quanto melhor o desempenho sexual, menor a possibilidade de depressão e ansiedade
Título em inglês
Sexual response, sexual dysfunction, and quality of life in obese women
Palavras-chave em inglês
Body mass index
Female
Obesity
Quality of life
Questionnaires
Sexual dysfunctions
Sexuality
Resumo em inglês
Introduction: In Brazil, as in other countries, obesity and sexual dysfunction are considered public health problems because of their high prevalence and association with high blood pressure, diabetes, cardiovascular disease, depressive disorders, other morbidities, and impaired patient quality of life (QoL). In general, there are few studies on sexual response, obesity, and QoL in women, and in most of these studies, assessments are conducted with patients with chronic diseases. Aims: To assess sexual response, sexual dysfunction, and QoL of obese women without other associated morbidities and partners without sexual dysfunction. Methods: We selected 37 non-menopausal, obese women (body mass index [BMI] = 30-39.9 Kg/m2) without comorbidities, aged > 18 years, with functional partners and stable relationship. The partners were assessed by the SQ-M. Considering the disease exclusion criteria, the patients underwent the following laboratory tests: glucose, cholesterol, high-density lipoprotein, triglycerides, thyroid-stimulating hormone, prolactin, total testosterone, sex hormone-binding globulin, and free testosterone. They were also assessed in a clinical interview and subsequently, by the Sexual Quotient-Female Version (SQ-F), Impact of Weight on the Quality of Life (IWQOL)-Lite, Beck Depression Inventory (BDI), and Hamilton Anxiety Rating Scale (HAM-A) questionnaires. Results: Of the 37 patients, 4 (10.8%) were considered to have sexual dysfunction (SQ-F60), and 33 (89.2%) had satisfactory sexual performance (SQ-F60). Among those with sexual dysfunction, all patients experienced decreased sexual desire and orgasm dysfunction, 75% experienced arousal dysfunction, 50 % experienced vaginismus, and 25 % experienced dyspareunia. No statistically significant correlation was noted between BMI and SQF (r= -0.12; p = 0.470). The total IWQOL-Lite, with a maximum score of 155 points, ranged from 31 to 116 points, with a median of 60.0 points. A statistically significant correlation was observed between the sex life, work, and total domains of the SQ-F and IWQOL-Lite questionnaires, and between BMI and QoL (r = -0.41; p = 0.012). A statistically significant negative correlation was noted between the SQ-F and BDI (r = -0.37, p = 0.025) and HAM-A (r = -0.39, p = 0.016) results. Conclusions: Obese women without comorbidities showed satisfactory sexual performance; no correlation was found between obesity and sexual dysfunction. The best sexual performance was associated with a better QoL. Increase in obesity was associated with a deteriorated QoL of patients. Superior sexual performance was found to be associated with a low possibility of depression and anxiety
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-04-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.