• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2004.tde-23012009-120117
Documento
Autor
Nome completo
Marcia Barbanera
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2004
Orientador
Banca examinadora
Araujo, Rubens Corrêa (Presidente)
Hernandez, Arnaldo Jose
Razi Neto, Semaan El
Título em português
Avaliação dinamométrica e eletromiográfica do efeito das bandagens funcionais na articulação do tornozelo
Palavras-chave em português
Eletromiografia
Entorses e distensões
Esportes
Instabilidade articular
Propriocepção
Tornozelo
Torque
Resumo em português
O entorse de tornozelo está entre as lesões mais comuns durante as atividades esportivas. Apesar de extensas pesquisas clínicas e experimentais, a recorrência da lesão permanece alta. A prevenção do entorse de tornozelo só é possível uma vez que os fatores de risco forem identificados. Alterações no posicionamento do pé, déficits proprioceptivos, frouxidão mecânica lateral do tornozelo e déficits de força muscular são os possíveis fatores de risco para o entorse de tornozelo, mas os seus verdadeiros mecanismos ainda não estão esclarecidos. O entendimento desses mecanismos pode auxiliar os profissionais de saúde, principalmente os fisioterapeutas, a elaborar um programa de tratamento mais direcionado, levando a uma reabilitação mais eficaz. O objetivo deste estudo foi avaliar os fatores mecânicos e eletromiográficos associados ao entorse de tornozelo. Trinta e duas atletas de basquetebol e voleibol do gênero feminino (16.06±0.8 anos; 67.63±8.17 kg; 177.8±6.47 cm) participaram do estudo. As atletas foram separadas em dois grupos: um grupo controle, sem sintomas (29 tornozelos), e atletas que tinham sofrido entorse de tornozelo (29 tornozelos). A avaliação do alinhamento do retropé foi realizada por meio de fotogrametria, pelo programa SAPO® v.0.63, com as atletas em pé. A propriocepção, o torque passivo gerado pela resistência do movimento do tornozelo e a força muscular foram avaliados no dinamômetro isocinético Biodex®, e a atividade eletromiográfica de superfície pelo sistema Noraxon®. O senso de posição articular (15° inversão, 0°, 15° eversão), a cinestesia (2°/s, 4°/s, 10º/s) e o torque passivo (5°/s, 10º/s, 20°/s) foram avaliados durante os movimentos passivos de eversão e inversão. O torque eversor e inversor foi testado isometricamente (15° inversão, 0°, 15° eversão), concentricamente e excentricamente (60°/s, 180°/s, 300°/s), simultaneamente à medida do sinal eletromiográfico dos músculos fibular longo e tibial anterior. Os dados foram analisados pela ANOVA de dois e três fatores e teste post hoc Tukey. Os resultados mostraram que o alinhamento do retropé e o senso de posição não estão associados ao entorse de tornozelo em atletas do gênero feminino. Os resultados do grupo com entorse do tornozelo que indicaram diferenças significativas em relação ao grupo controle foram: atraso no tempo de percepção do movimento, menor torque passivo e menor torque isométrico e isocinético concêntrico. Além disso, a atividade eletromiográfica do músculo fibular longo e tibial anterior, durante o teste isocinético concêntrico, foi menor no grupo com entorse do tornozelo. Baseado nesses resultados, as atletas que tiveram entorse de tornozelo apresentaram déficits proprioceptivos, frouxidão mecânica e fraqueza muscular.
Título em inglês
Evaluation of mechanical and electromyographic factors associated with ankle sprain in female athletes
Palavras-chave em inglês
Ankle
Electromyography
Joint instability
Proprioception
Sports
Sprains and strains
Torque
Resumo em inglês
Ankle sprain are among the most common injuries during athletic activities. Despite extensive clinical and basic science research, the recurrence rate remains high. Prevention of ankle sprain is only possible once risk factors had been identified. Changes in foot positioning, impaired proprioception, mechanical lateral ankle laxity and muscle strength deficits are possible ankle sprain risk factors, but its real mechanisms remain unclear. Understanding such mechanisms will help health professionals, mainly physiotherapists, identify where to focus treatment efforts, leading to more effective rehabilitation. The aim of this study was to evaluate mechanical and electromyographic factors associated with ankle sprain. Thirty-two basketball and volleyball female athletes (16.06±0.8 years; 67.63±8.17 kg; 177.8±6.47 cm) participated in this study. Their ankles were divided into two groups: a symptom-free control group (29) and athletes who had suffered ankle sprain (29). Assessment of hindfoot alignment was performed by means of photogrammetry SAPO® v.0.63 software, with the athletes standing up. The proprioception, resistive torque at maximum passive ankle movement and muscle strength were assessed on the Biodex® isokinetic dynamometer and the surface electromyographic activity through the Noraxon® system. The joint position sense (15° inversion, 0°, 15° eversion), kinesthesia (2°/s, 4°/s, 10°/s) and resistive torque (5°/s, 10°/s, 20°/s), were evaluated during passive ankle inversion and eversion movements. Evertor and invertor torques were assessed isometrically (15° inversion, 0°, 15° eversion), concentrically and eccentrically (60°/s, 180°/s, 300°/s) measured simultaneously with electromyographic signal of peroneus longus and tibialis anterior muscles. The data were analyzed using 2 and 3-way ANOVA with Tukeys test for post hoc analysis. The results showed that the hindfoot alignment and the joint position sense were not associated with the ankle sprain in female athletes. The results of the ankle sprain group showed significant differences from the control group: delay in the time to detection passive motion, lower resistive torque and lower isometric and concentric torque. In addition, the electromyographic activity of peroneus longus and tibialis anterior muscles during isokinetic concentric test was lower in the ankle sprain group. Based on these results, the athletes who had ankle sprain have proprioceptives deficits, mechanical laxity and muscle weakness.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
BarbaneraM.pdf (1.26 Mbytes)
Data de Publicação
2009-01-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.