• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Marisa Ruggieri Marone
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2006
Orientador
Banca examinadora
Schochat, Eliane (Presidente)
Bassetto, Mônica Cristina Andrade
Costa Filho, Orozimbo Alves
Rapoport, Priscila Bogar
Russo, Iêda Chaves Pacheco
Título em português
"Emissões otoacústicas produto de distorção em recém-nascidos medicados com ototóxicos"
Palavras-chave em português
Amicacina/administração & dosagem
Amicacina/efeitos adversos
Cóclea
Emissões otoacústicas espontâneas
Fatores de risco
Perda auditiva
Recém-nascido
Vancomicina/administração & dosagem
Vancomicina/efeitos adversos
Resumo em português
INTRODUÇÃO: Os aminoglicosídeos são freqüentemente usados no berçário e podem ser tóxicos para as células ciliadas cócleo-vestibulares, especialmente para as células ciliadas externas da base da cóclea. As emissões ototacústicas produto de distorção permitem avaliar porções específicas da cóclea, antes mesmo que a sensação auditiva seja alterada, sendo ideais para análise precoce da integridade dessa estrutura auditiva, além de ser indicada para recém-nascidos por serem objetivas. O objetivo deste estudo prospectivo longitudinal é pesquisar a amplitude das emissões otoacústicas produto de distorção, causadas pelo uso de drogas ototóxicas, entre o término da administração e de 15 a 40 dias após seu uso. MÉTODOS: A população foi de recém-nascidos a termo e pré-termo provenientes de berçário e maternidade de um hospital público em Santo André, no período de julho de 2003 a setembro de 2004. A primeira avaliação ocorreu no dia da alta hospitalar. Foram avaliados três grupos: grupo controle com 33 recém-nascidos saudáveis e de termo; grupo de estudo a termo exposto a amicacina e /ou vancomicina com 19 recém-nascidos com mais de 37 semanas e grupo de estudo pré-termo exposto aos mesmos ototóxicos, com 15 recém-nascidos de 32 a 37 semanas. Os recém-nascidos não apresentavam indicadores de risco para deficiência auditiva preconizados pelo JCIH,2000 concomitante à infecção neonatal. Todos os recém-nascidos foram avaliados com idade gestacional corrigida maior que 37 semanas. As amplitudes das emissões otoacústicas dos recém-nascidos em fase de alta hospitalar foram comparadas às obtidas de 15 a 40 dias após a alta. RESULTADOS: As amplitudes das emissões otoacústicas dos recém-nascidos do grupo de estudo pré-termo foram menores que as amplitudes do grupo controle e do grupo de estudo a termo nos dois momentos de teste. As amplitudes das emissões dos recém-nascidos dos três grupos aumentaram no segundo momento de teste. As amplitudes das emissões dos recém-nascidos foram maiores na freqüência de 6.000 Hz e na orelha direita para a freqüência f2 3.000 Hz. As amplitude das emissões do grupo controle no segundo momento de teste foram semelhantes as do grupo de estudo à termo no primeiro momento da pesquisa. CONCLUSÔES: Houve aumento da amplitude das emissões otoacústicas produto de distorção desde a fase de alta até 15 a 40 dias após. A exposição a amicacina e vancomicina nas doses preconizadas pelo Neofax®, 2003/2004 não alterou as amplitudes das emissões nos recém-nascidos sem indicadores de risco concomitante à infecção neonatal.
Título em inglês
Distortion product otoacoustic emission in newborn exposed to ototoxic
Palavras-chave em inglês
Amikacin/administration & dosage
Amikacin/adverse effects
Cochlea
Hearing loss
Infant newborn
Otoacoustic emissions spontaneous
Risk factors
Vancomycin/administration & dosage
Vancomycin/adverse effects
Resumo em inglês
The amynoglicosides are frequently used in nurseries and may be toxic for the cochleo-vestibular hair cells, specially for the outer cells of the cochlear base. The distortion product otoacoustic emissions allow to evaluate specific portions of the cochlea even before the hearing sensation is altered, and are ideal for the early analysis of this auditory structure integrity, besides being indicated for newborns once they are objective. The aim of this prospective longitudinal study is to research the amplitude of distortion product otoacoustic emissions caused by the ototoxic drugs use, between the end of the administration and from 15 to 40 days after its use. The population studied was composed by term and preterm newborns from a nursery and maternity of a Santo André city hospital, in the period from July 2003 to September 2004. The first evaluation occurred on the hospital discharge day. Three groups were evaluated: control group with 33 term and healthy newborns; term study group with 19 term newborns with more than 37 weeks exposed to amicacin and/or vancomycin; and preterm study group with 15 preterm newborns from 32 to 37 weeks exposed to the same ototoxic. The newborns did not present risk factors for hearing loss according to the JCIH, 2000 concomitant to the neonatal infection. All newborns were evaluated at a corrected gestational age greater than 37 weeks. The otoacoustic emissions amplitudes obtained at the hospital discharge were compared to the ones obtained from 15 to 40 days after the discharge. The results showed that the otoacoustic emissions amplitudes of the preterm study group were smaller than the amplitudes of the control group and the term study group in both moments of the test. The amplitude of the newborns’ otoacoustic emissions increased in the second moment of the test. The amplitudes were higher in the frequency of 6.000Hz and, in the right ear in the frequency f2 3.000 Hz. The otoacoustic emissions amplitudes of the control group in the second moment of the test were similar to the term study group in the first moment of the research. It was concluded that there is an increase of the distortion product otoacoustic emissions amplitude from the discharge moment until 15 to 40 days after, suggesting a maturation of the cochlear structures in the post-natal period, and that the exposure to amicacin and vancomycin on the recommended dose by Neofax®, 2003/2004 did not alter the amplitude of the emissions in the newborns without risk indicators concomitant with neonatal infection.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
MarisaRuggieriMarone.pdf (217.51 Kbytes)
Data de Publicação
2006-08-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.