• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2006.tde-19032007-130511
Documento
Autor
Nome completo
Rodrigo Oliva Perez
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2006
Orientador
Banca examinadora
Gama, Angelita Habr (Presidente)
Alves, Venancio Avancini Ferreira
Kiss, Desiderio Roberto
Mattar, Rejane
Zago, Marco Antonio
Título em português
Determinação da expressão da Ciclina G no câncer do reto
Palavras-chave em português
Ciclinas
Neoplasias retais
Neoplasias retais/genética
Resumo em português
Introdução: A identificação de mecanismos genéticos envolvidos no processo de carcinogênese do câncer colorretal levou ao surgimento de novas estratégias terapêuticas como a terapia gênica. Através do bloqueio ou estímulo de determinados alvos genéticos ou moleculares seria possível interromper o ciclo celular de células transformadas. Uma das estratégias sugeridas foi a utilização de seqüências anti-sense do gene da ciclina G que revelou resultados iniciais clínicos e experimentais promissores em diversas neoplasias, inclusive na colorretal. Assim seria esperado que a expressão da ciclina G estivesse freqüentemente alterada de maneira seletiva nas células do câncer colorretal quando comparado às células normais. Por estas razões, decidiu-se estudar a expressão da ciclina G em pacientes com câncer do reto. Métodos: Dados clínicos, epidemiológicos, anátomo-patológicos e de sobrevivência de 36 pacientes com câncer do reto foram obtidos e correlacionados com os resultados de expressão imunohistoquímica da ciclina G. O tecido neoplásico e normal distante da lesão primária foram submetidos a reação imunohistoquímica com anticorpo monoclonal anti-ciclina G e quantificados através de três métodos: (1) quantitativo, obtido a partir da contagem de células determinando a razão entre o número de células positivas e o número total de células contadas em 10 campos; (2) semi-quantitativo (cruzes), obtido a partir da pontuação em sistema de cruzes conforme a intensidade e quantidade de células positivas em áreas de maior impregnação do corante; (3) semi-quantitativo (escore), obtido a partir da pontuação em sistema de escore (alto ou baixo) conforme a intensidade e quantidade de células positivas em áreas de maior impregnação do corante. O estudo estatístico incluiu teste T de student, Qui-quadrado, exato de Fisher, teste t pareado, Wilcoxon, log-rank e curva ROC sendo considerados significativos quando o valor de p<0,05. Resultados: A expressão da ciclina G foi positiva em 76,5±30% da células contadas, com média de 3,2±1,1 cruzes e escore alto em 32 pacientes no tecido tumoral. No tecido normal dos pacientes a positividade foi de 42,2±27,4%, com média de 1,9±1,1 cruzes e escore alto em 16 casos. Quando comparados os tecidos tumoral e normal de cada paciente, o resultado tumor>normal foi obtido em 28 (77,8%) pacientes (quantitativa), 27 (75%) pacientes (semi-quantitativa/cruzes) e 18 (50%) pacientes (semi-quantitativa/escore). A diferença de expressão entre tecido tumoral e tecido normal maior que 10% apresentou correlação com ausência de metástases sistêmicas enquanto que a diferença maior que 38% apresentou correlação com a ausência de metástases linfonodais (área da curva 0,69 nos dois casos). Houve correlação entre o resultado tumor>normal e a ausência de metástases linfonodais quando o método de quantificação foi semi-quantitativo (cruzes e escore;p=0,02 e 0,04). Não houve correlação entre o resultado tumor>normal e as demais características. Não houve influência do resultado tumor>normal nas curvas de sobrevivência (3 anos). Conclusões: A expressão da ciclina G é maior no tecido neoplásico do câncer colorretal quando comparada ao tecido normal. Apesar disso, a expressão da ciclina G é raramente nula no tecido normal. A expressão de ciclina G tumor>normal esteve associada a ausência de metástases linfonodais quando mensurada através de métodos semi-quantitativos. Apesar disso, a expressão alterada da ciclina G não tem influência sobre sobrevivência precoce em pacientes com câncer do reto.
Título em inglês
Determination of Cyclin G expression in rectal cancer
Palavras-chave em inglês
Cyclins
Rectal neoplasms
Rectal neoplasms/genetics
Resumo em inglês
Introduction: Identification of genetic mechanisms involved in colorectal cancer carcinogenesis led to the development of new treatment strategies such as gene therapy. The aim of this strategy is to interrupt cell-cycle of transformed malignant cells by blocking or stimulating specific gene expression. Utilization of cyclin G antisense constructs has been suggested with clinical and experimental promising results in various neoplasias, including colorectal cancer. In this setting, one would expect that cyclin G would be selectively overexpressed in colorectal cancer cells as opposed to normal tissue. For this reason, we decided to study cyclin G expression in patients with rectal cancer. Methods: Clinical, epidemiological, pathological and survival data from 36 patients with rectal cancer was collected and correlated with Cyclin G immunohistochemical expression. Neoplastic and non-adjacent normal tissue were stained with monoclonal anti-Cyclin G antibody and quantified according to 3 different methods: (1) quantitative, obtained from cell count and determined by the ratio between positive counted cells and total number of counted cells observed in 10 microscopic fields; (2) semi-quantitative (crosses), obtained from a scoring system that takes into account both quantity and intensity of most strongly stained areas; (3) semi-quantitative (score), obtained from a scoring system that takes into account both quantity and intensity of most strongly stained areas. Statistical analysis included ROC curves, student's T, Chi-square, Fisher's exact, log rank, Wilcoxon, and paired t test. Significant differences were considered for p<0.05. Results: In tumor-tissue, positive Cyclin G expression was observed in 76.5±30% of counted cells, with a mean number of 3.2±1.1 crosses and high expression score in 32 patients (89%). In normal tissue, positive cyclin G expression was observed in 42.2±27.4% of counted cells, with a mean of 1.9±1.1 crossed and high expression score in 16 patients. When comparing tumor and normal tissue within each patient, a result of tumor>normal cyclin G expression was observed in 28 (77.8%) patients (quantitative method), 27 (75%) patients (semi-quantitative crosses) and 18(50%) patients (semi-quantitative score). A difference of cyclin G expression between tumor and normal tissue greater than 10% was associated with the absence of metastatic disease. A difference of cyclin G expression between tumor and normal tissue greater than 38% was associated with the absence of lymph node metastases (ROC curve area of 0.69 in both cases). There was significant association between cyclin G expression tumor>normal result and the absence of lymph node metastases when using semi-quantitative quantification methods (p=0.02 for crosses; p=0.04 for score). There was no association between cyclin G expression and other patient's characteristics or survival. Conclusion: Cyclin G expression is greater in tumor tissue when compared to normal tissue in patients with rectal cancer. However, cyclin G expression in normal tissue is rarely absent. Tumor>normal cyclin G expression is significantly associated with absence of lymph node metastases when quantified using semiquantitative methods. However, cyclin G expression had no influence in short-term survival.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
RodrigoOlivaPerez.pdf (2.71 Mbytes)
Data de Publicação
2007-04-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.