• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Maria Claudia Stockler de Almeida
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Malbouisson, Luiz Marcelo Sá (Presidente)
Freitas, Marise Reis de
Furtado, Guilherme Henrique Campos
Li, Ho Yeh
Pereira, Carlos Alberto Pires
Título em português
Avaliação dos eventos adversos associados à ventilação mecânica como indicador de qualidade assistencial
Palavras-chave em português
Indicador de qualidade em assistência à saúde
Infecção hospitalar
Pneumonia associada à ventilação mecânica
Unidade de terapia intensiva
Resumo em português
INTRODUÇÃO: O critério de vigilância de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) utilizado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) até 2013 era baseado em achados radiográficos e sinais e sintomas clínicos considerados subjetivos, inespecíficos e com pouca relação com achados histopatológicos. A partir de janeiro de 2013 o CDC definiu novos critérios de vigilância: Evento Associado à Ventilação Mecânica (EAV) mecânica como o objetivo de avaliar complicações infecciosas e não infecciosas associadas à ventilação mecânica baseado em critérios objetivos e com maior reprodutibilidade. OBJETIVO: Determinar a incidência de EAV e sua associação com tempo de ventilação mecânica, tempo de internação na UTI, tempo de internação hospitalar e mortalidade. Comparar os achados de EAV com PAV. METODOLOGIA: Estudo de coorte prospectivo - série temporal de casos - realizado em uma UTI cirúrgica de 18 leitos, no período de 1 de agosto de 2014 a 31 de Agosto de 2015 - Hospital das Clinicas - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. RESULTADOS: Foram incluídos no estudo 138 pacientes com idade >- 18 anos submetidos à VM por um período >- 48h, os quais corresponderam a 151 episódios de VM. No período, a incidência de EAV foi de 5 (3,3%; 2,4 per 1.000 VM-d), de CAVI (Complicação Infecciosa Associada à Ventilação Mecânica) foi de 3 (2,0%; 1,5 per 1.000 VM-d) e de PPAV (Possível Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica) foi de 3 (2,0%; 1,5 per 1.000 VM-d). A incidência de PAV por diagnóstico convencional foi de 16 (10,6%; 7,8 per 1.000 VM-d). Tanto pacientes com diagnóstico de EAV ou PAV tiveram o indicador CPIS 6. Entre os 131 pacientes, a mediana e [Q1 - Q3] do indicador SAPS 3 foi de 59,5 [50 - 69] com a mediana e [Q1 - Q3] da probabilidade de óbito (América Latina) foi de 45,4% [24,3 - 68,9], a taxa de óbito foi de 57,8%. Não houve associação entre pacientes com diagnóstico de EAV quando comparados com não-EAV em relação ao tempo de internação hospitalar (15,0 [10 - 36] vs 16,5 [8 - 32]; p=0,81), tempo de permanência na UTI (15,0 [10 - 24] vs 11,0 [7 - 21]; p=0,25) ou óbito (80,0% vs 59,6%; p=0,65) e houve associação com o tempo de VM (15,0 [10 - 20] vs 6,0 [4 - 12]. Não houve associação entre pacientes com diagnóstico de PAV quando comparados com não-PAV em relação ao tempo de internação hospitalar (23,0 [10 - 49] vs 16,0 [8 - 31]; p=0,21), tempo de permanência na UTI (14,0 [10 - 23] vs 11,0 [7 - 21]; p=0,10) ou óbito (56,3% vs 60,7%; p=0,94) e houve associação com o tempo de VM (13,0 [8 - 18] vs 6,0 [4 - 11]; p=0,00). CONCLUSÃO: A vigilância de EAV leva menor tempo para ser realizada e é objetiva. A vigilância de PAV esta sujeita a interpretações subjetivas dos parâmetros do Rx de tórax e clínicos. Essas duas metodologias de vigilância detectam grupos distintos de pacientes. Novos estudos, com maior amostra e conduzidos em diferentes tipos de UTI precisam ser realizados para se determinar a acurácia do novo critério no nosso meio como um indicador de evento adverso nos pacientes submetidos à VM, sua importância como um indicador da melhoria nas praticas de prevenção e como comparador entre instituições
Título em inglês
Ventilator-associated event - as a quality indicator among intensive care units
Palavras-chave em inglês
Cross infection
Intensive care unit
Pneumonia ventilator-associated
Qualityindicators health care
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Quality surveillance for mechanically ventilated patients prior to January 2013 only provided surveillance for ventilator-associated pneumonia (VAP). The conventional ventilator acquired pneumonia (VAP) definitions are based on radiologic and clinical signs and symptoms that are subjective and nonspecific and do not correlate with histopathologic findings of pneumonia. Therefore, in January 2013, the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), released a new surveillance definition, "ventilatorassociated event" (VAE), to survey infectious and noninfectious complications, focusing surveillance on objective and reliable measurements. OBJECTIVE: To determine the incidence of the ventilator-associated events (VAEs) and its relation to days to extubation, days to ICU discharge, days to hospital discharge and mortality rate. And to compare VAEs findings to traditional ventilator-associated pneumonia (VAP) METHODS: This study was conducted in a postoperative ICU at a tertiary teaching hospital - São Paulo - Brazil. We prospectively collected the novel VAE (VAE Calculator Ver. 3.0) and radiographic, clinical and laboratory data to confirm traditional VAP, from August 1st 2014 to August 31st 2015. RESULTS: 138 patients, > 18 years, with MV longer than 2 calendar days were included, which corresponded to 151 episodes of MV. We found 5 (3.3%) VAEs (2.4 per 1,000 VD), 3 (2.0%) infection-related ventilator-associated complications (IVACs) which corresponded to 3 possible ventilator-associated pneumonia (PVAP) (1.5 per 1.000 VD) and 16 (10.6%) traditional VAPs (7.8 per 1,000 VD). Both VAEs and VAPs had the modified CPIS vs 6. The median [Q1 - Q3] SAPS 3 was 59.5 [50 - 69] and its median [Q1 - Q3] probability of death (customized for South America) rate was 45.4% [24.3 - 68.9]. VAEs compared to non-VAEs were not associated to days to ICU discharge (15 [10 - 24] vs 11 [7 - 21]; p=0.25), hospital discharge (15 [10 - 36] vs 16.5 [8 - 32]; p=0.81) or death (80% vs 59,6%; p=0.65), but were associated with days to extubation ( 15[10 - 20] vs 6 [4 - 12]; p=0.01) VAPs compered to non VAPs were not associated to days to ICU discharge (14 [10 - 23] vs 11 [7 - 21]; p=0.10), hospital discharge (23 [10 - 49] vs 16 [8 - 31]; p=0.21) or death (56.3% vs 60.7%; p=0.94) but they were associated with days to extubation (13 [8 - 18] vs 6 [4 - 11]; p=0.00). CONCLUSIONS: VAE surveillance is less time-consuming and objective. VAP surveillance is less accurate and prone to bias. They detect different subset of patients. Larger studies are needed to define VAE as marker of prevention practices of adverse events on MV patients, as an index of ICU quality on MV patients and its metrics for benchmarking in our setting
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-02-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.