• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2007.tde-19032007-112614
Documento
Autor
Nome completo
Luiz Fernando Vitule
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Barros, Nestor de (Presidente)
Fernandes, Artur da Rocha Correa
Leite, Claudia da Costa
Sernik, Renato Antonio
Yoshinari, Natalino Hajime
Título em português
Avaliação da ressonância magnética da mão dominante na artrite reumatóide precoce: correlação com a radiologia convencional
Palavras-chave em português
Articulações
Artrite reumatóide
Estudo comparativo
Imagem por ressonância magnética
Mão (anatomia)/radiografia
Sinovite
Resumo em português
A artrite reumatóide (AR) é uma patologia crônica e sistêmica de etiologia desconhecida provavelmente multifatorial na qual há um predomínio de acometimento da sinóvia. Afeta de 0,5 a 1 % da população com predomínio nas mulheres. O diagnóstico precoce e o inicio da terapêutica adequada são fundamentais e podem modificar a evolução da doença reduzindo as graves seqüelas. O custo do exame de ressonância magnética (RM) é a maior limitação neste método de diagnóstico. O objetivo deste estudo foi avaliar a especificidade e a sensibilidade da ressonância magnética (RM) da mão e do punho de pacientes com AR precoce de acordo com os parâmetros do OMERACT (comitê internacional para avaliação de medidas em reumatologia para análise da ressonância magnética) correlacionando com a radiologia convencional. Foram avaliados 19 pacientes com AR (idade: 22-64 anos) e um grupo controle composto por 10 indivíduos sem história de patologias prévias com idade de 26-46 anos. Foram realizados exames de radiografia (RX) e RM da mão e do punho dominante. Treze articulações foram avaliadas pelo RX convencional (radio-ulnar distal, radiocarpal, intercarpal e metacarpofalângicas do primeiro ao quinto dedo e articulação interfalângicas proximais do primeiro ao quinto dedo). As lesões ósseas no RX foram classificadas de acordo com o método de Van Der Heiidje com graduações de 0 a 4 para redução do espaço articular e de 0 a 5 para erosão óssea. Foram realizados exames de RM num equipamento marca GE 1,5 T Signa Horizon LX (General Eletric medical systems) utilizando T1, T2 eco de spin e T1 eco de Spin com saturação de gordura após a infusão do contraste paramagnético gadopentato dimegumina. O protocolo foi realizado de acordo com as padronizações do OMERACT. Como resultados obtivemos que a RM foi mais sensível na pesquisa de erosão óssea (94,7%) que o RX (78,9%). Somente as articulações intercarpais e metacarpo-falângicas do segundo dedo demonstraram correlação estatística entre os 2 métodos (r=0,47 p=0,04 e r=0,63 p=0,004). Para erosão óssea os compartimentos radiocarpal (73,7%) e intercarpal (84,2%) foram os mais sensíveis e com maior acurácia. Além disso, a RM foi muito sensível no estudo da sinovite presente em 100% dos pacientes com AR comparados com 20% do grupo controle. Quando estudados nos sítios anatômicos o carpo foi o local mais sensível para a sinovite (100%). O edema intra-ósseo foi mais detectado no punho com uma alta especificidade (90%), porém com baixa acurácia (50%) um achado importante é que a analise simultânea do punho e da mão não aumentou a detecção de um maior número de pacientes com AR. Concluindo, a RM foi mais sensível que o RX no estudo da AR precoce. Este trabalho demonstrou que o estudo do punho apresentou uma ótima sensibilidade e especificidade no diagnóstico precoce da AR e somente o estudo deste compartimento parece ser adequado com redução do custo do exame para os pacientes, portanto na análise do AR precoce o punho parece apresentar melhor desempenho.
Título em inglês
Hand magnetic resonance evaluation of early rheumatoid arthritis: correlation with conventional radiography
Palavras-chave em inglês
Arthritis reumathoid
Comparative study
Hand (anatomy & histology)/radiography
Joints
Magnetic resonance imaging
Synovitis
Resumo em inglês
Rheumatoid arthritis (RA) is a chronic and systemic disease of unknown etiology probably multifactorial with a predominant involvement of synovial tissue. The disease prevalence is 0.5-1% and affects more often women. Early diagnosis and therapy are essential to modify the course of the disease and reduce the degree of severe late sequelae. The cost of MRI of this region is a major limitation for the use of this sensitive exam. We therefore decided to evaluate if the wrist magnetic resonance with a simultaneous reading of wrist and hand compartments according to the OMERACT parameters would be sensitive and accurate to diagnose early RA. We have evaluated 19 patients with RA (ages: 22-64 years) and 10 age-matched controls. X-ray and MRI evaluated the dominant wrist all subjects. Thirteen joints were evaluated by conventional radiography: radio-ulnar distal (DRU), radiocarpal joint (RC), intercarpal (IC), metacarpo-phalageal (first to fifth finger) and phalangophalangeal (first to fifth finger). The bone lesion in the radiograph was scored by the method of Van Der Heidje for joint damage and for joint narrowing space. Wrist MRI imaging was performed with 1,5 T GE Signa Horizon LX 8,2 (General Eletric medical systems) with multiplanar T1, T2 (spin echo and fast spin echo) and T1 fat sat after intravenous injection of gadopentetate dimeglumine, according to the definitions of OMERACT. The MRI was more sensitive to detect erosion (94.7%) than the conventional X-ray (78.9%), and only intercarpal and metacarpofalangic joints of the second finger showed statistic correlation in the two methods (r=0.47 p=0.04 e r= 0.63 p=0.004). Of interest, among the anatomic compartments evaluated the radiocarpal (73.7%) and intercarpal joints (84.2%) were the most sensitive and accurate to detect erosion. Moreover, the MRI was also very sensitive to detect synovitis, present in 100% of the AR compared 20% in the control group, p<0,001. With regards to the anatomic site, synovitis was uniformly observed in all carpal joints (100%). Edema was also more frequently detected in the wrist joints with a high specificity (90%) but low accuracy (50%). Importantly, the simultaneous reading of wrist and hands did not identify additional cases. MRI imaging was more sensitive than conventional radiography in detecting early lesion in RA Our data support the notion that wrist MRI has an excellent sensitivity and specificity to diagnose early RA, and therefore only this assessment seems to be adequate, with a reduced cost for the patients. Additionally, we have demonstrated that the reading may be restrict to the wrist compartment, overcoming the technical limitations of the hand anatomical site.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2007-03-30
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.