• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2012.tde-07122012-162943
Documento
Autor
Nome completo
Erika Ferreira Gomes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Sennes, Luiz Ubirajara (Presidente)
Baraky, Letícia Raquel
Miziara, Ivan Dieb
Pinna, Fabio de Rezende
Romano, Fabrizio Ricci
Título em português
Relevância das variações anatômicas das cavidades nasais no acesso transesfenoidal endoscópico
Palavras-chave em português
Anatomia
Cavidade nasal
Endoscopia
Hipófise/cirurgia
Septo nasal/anormalidades
Resumo em português
Introdução: As cavidades nasais constituem a via de acesso à hipófise na cirurgia transesfenoidal endoscópica. Deste modo, alterações naturais ou adquiridas da anatomia nasal podem prejudicar a cirurgia. Objetivos: Estudar as variações anatômicas das cavidades nasais, principalmente desvio do septo, correlacionando-as com a visibilidade no acesso transesfenoidal endoscópico, para subsidiar a decisão do tipo de acesso ou necessidade de correção do desvio. Material e Método: Estudo seccional em 38 pacientes submetidos ao acesso transesfenoidal endoscópico entre fevereiro de 2009 e janeiro de 2011 em centro de referência. No intraoperatório foram registradas as variações anatômicas, localização do desvio de septo no plano axial e coronal, largura do corredor cirúrgico, profundidade do acesso até o esfenoide e a sela, exposição do esfenoide e da sela após abertura dos mesmos. A dificuldade de visibilidade do acesso foi avaliada por escala ordinal: 0- sem dificuldade, 1- dificuldade leve a moderada, 2- dificuldade acentuada. Os testes empregados para correlação entre as variáveis foram qui-quadrado e razão de verossimilhança. A comparação entre duas médias foi pelo teste t de Student e três ou mais médias pela análise de variância (ANOVA), com teste complementar de Turkey. Resultados: Foram estudadas 76 cavidades nasais e foram observados 50 desvios septais (66%). A largura do corredor cirúrgico no local do desvio menor ou igual a 9 mm associou-se em 72% à dificuldade acentuada (p<0,001). Desvios de septo no andar médio (p=0,005) ou terço posterior (p<0,001) associaram-se à dificuldade acentuada. A largura da cavidade na região do desvio também foi menor no desvio do andar médio (8,41 mm, p=0,012) ou no desvio do terço posterior (6,9 mm, p<0,0001). No corredor cirúrgico, apenas a largura do meato médio se associou à dificuldade (5-13 mm, 73% dificuldade acentuada, p=0,001). Variações anatômicas das conchas foram observadas em 17%, sem impacto na visibilidade. O comprimento médio do septo nasal foi 64 mm (IC95%: 61,8-66,8 mm), a profundidade até o rostro do esfenoide 69 mm (IC95%: 67-71 mm) e até a sela 82 mm (IC 95%: 80,2- 83,8 mm). A exposição média do esfenoide foi de 20 mm (laterolateral) e 20,8mm (anteroposterior), enquanto da sela foi de 12,8 mm e 11,7 mm respectivamente. Conclusões: A largura da cavidade nasal na região do desvio e a presença de desvio de septo localizado em terço posterior ou no andar médio da cavidade nasal associaram-se à maior dificuldade na visibilidade do acesso transesfenoidal
Título em inglês
Relevance of nasal anatomical variations for endoscopic transsphenoidal approach
Palavras-chave em inglês
Anatomy
Endoscopic surgical procedures
Nasal cavity
Nasal septum/abnormalities
Pituitary gland/surgery
Resumo em inglês
Background: Nasal anatomical variations can impair the visibility on endoscopic transsphenoidal approach for pituitary tumors. Objective: To evaluate anatomical variations, mainly nasal septum deviation, and their impact on the visibility of transsphenoidal endoscopic approach. To support the decision of access type or need to correct the deviated septum. Methods: Cross-sectional study with 38 patients who underwent transsphenoidal endoscopic surgery using the two nostrils - four hands between February 2009 and January 2011 in a referral center. They were submitted to the intraoperative register of anatomical variations, septal deviations, surgical corridor width and location of the deviated septum (height and depth), depth of the access to sphenoid and sella, exposure of sphenoid and sella after opening. Visibility was assessed using an ordinal scale: 0- no difficulty, 1- low to moderate difficulty, 2- severe difficulty. Comparisons of two means were performed using Students t test, and three or more means using analysis of variance (ANOVA) with Turkeys complementary test. Correlations between scores were analyzed using the non-parametric chi-square test and the likelihood ratio. Results: Seventy-six nasal cavities were studied, and 50 septal deviations were found (66%). Among the patients with severe difficulty, 73% had a surgical corridor width in the location of the deviated septum of up to 9 mm (p < 0.001). Septal deviations in the middle level (p = 0.005) or posterior third (p < 0.001) were associated with severe difficulty. The width of the nasal cavity at the deviation was also smaller in the middle level (8.41 mm, p = 0,012) or posterior third (6.9 mm, p<0.001). In the surgical corridor, only the middle meatus was associated with difficulty (5 to 13 mm, 73% severe difficulty, p = 0.001). Anatomical variations of the nasal conchae were observed in 17% of cases with no impact on visibility. The average length of the nasal septum was 64 mm (95% CI 61.8 -66.8 mm); the mean depth to the sphenoid was 69 mm (95% CI 67-71 mm) and to the sella 82 mm (95% CI 80.2 - 83.8 mm). The average lateral exposure of the sphenoid was 20 mm and anteroposterior 20.8 mm and to the sella 12.8 mm and 11.7 mm respectively. Conclusions: The width of nasal cavity at deviation and site of septal deviation were associated with difficulty in visibility of the access. Septal deviations located at posterior third and at middle level in nasal cavities were strongly associated with difficulty
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2012-12-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.