• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Geilson Lima Santana Junior
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Andrade, Laura Helena Silveira Guerra de (Presidente)
Barros, Daniel Martins de
Mello, Andréa de Abreu Feijó de
Tavares, Hermano
Título em português
A influência da afetividade sobre a associação entre adversidades na infância e patologia da personalidade na vida adulta
Palavras-chave em português
Adversidades na infância
Afeto
Afeto negativo
Afeto positivo
Epidemiologia
Maus-tratos infantis
Personalidade
Transtornos da personalidade
Violência doméstica
Resumo em português
INTRODUÇÃO: As adversidades na infância são experiências comuns e associadas a uma série de desfechos negativos ao longo da vida. Maus tratos e disfunção familiar também estão implicados em transtornos de personalidade na idade adulta, mas ainda não foram esclarecidos os mecanismos e processos subjacentes. OBJETIVOS: O objetivo principal é investigar a associação entre adversidades na infância e patologia da personalidade na população adulta residente na Região Metropolitana de São Paulo. Será testada a hipótese de que essa relação seja mediada por traços de afetividade positiva e negativa. Também será avaliada a prevalência das adversidades na infância, a sua distribuição e agregação, assim como a epidemiologia dos transtornos da personalidade, ainda amplamente desconhecida no Brasil devido à falta de estudos com amostras representativas da nossa população. MÉTODOS: Os dados foram provenientes do São Paulo Megacity, estudo com uma amostra representativa dos adultos residentes na Grande São Paulo (n=2.942). Foram utilizadas regressão multivariada, análise multinível e modelagem de equações estruturais. RESULTADOS: Mais da metade (53,6%) dos adultos da Grande São Paulo relatou alguma adversidade na infância, sendo as mais comuns a morte parental, o abuso físico e a violência familiar. Em geral, essas experiências não ocorreram de maneira isolada, especialmente as consideradas mais graves, como o abuso sexual. Também foi elevada a prevalência de patologia da personalidade: 6,8% dos adultos apresentaram algum transtorno, sendo mais comum o Cluster C (4,6%), seguido pelos Clusters A (4,3%) e B (2,7%). Esses quadros estavam independentemente associados a prejuízos funcionais, especialmente nos domínios cognitivo e de interação social. Entretanto, com exceção do Cluster C, não houve associação com uso de serviços de saúde após o ajuste para outros diagnósticos psiquiátricos. Todos os transtornos da personalidade estavam associados a adversidades na infância, e a maior ocorrência foi encontrada no Cluster B (71,8%). Os eventos mais relacionados foram abuso físico, psicopatologia parental, criminalidade parental e violência familiar. Essas relações respeitaram um gradiente dose-resposta: quanto maior o número de exposições, maior a probabilidade de transtorno da personalidade. Essas associações foram parcialmente mediadas pelo aumento do afeto negativo, mas não pela diminuição do afeto positivo. CONCLUSÕES: As adversidades na infância são experiências frequentes, que tendem a se agregar em redes complexas, indicando a existência de contextos abusivos. Os expostos têm uma probabilidade aumentada de patologia da personalidade, quadros com significativas repercussões funcionais. Os resultados ressaltam a necessidade de se investigar uma história de eventos adversos na infância e abordar as suas consequências afetivas em pacientes com transtornos da personalidade. Esse estudo também pode trazer alguma contribuição à Saúde Pública. Possivelmente, o esclarecimento dessas cadeias de eventos pode ajudar no delineamento de potenciais alvos para intervenção. Estratégias preventivas, como o treinamento de habilidades parentais, podem ser direcionadas às famílias sob maior risco, e as crianças e adolescentes que já foram expostos podem ser elegíveis para programas voltados à regulação emocional. Investigações futuras devem avaliar se essas estratégias podem reduzir a ocorrência e o ônus associado aos transtornos da personalidade
Título em inglês
The influence of affectivity on the association between childhood adversities and personality pathology during adulthood
Palavras-chave em inglês
Affect
Child abuse
Childhood adversities
Domestic violence
Epidemiology
Negative affect
Personality
Personality disorders
Positive affect
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Childhood adversities are common experiences associated with a series of negative outcomes throughout the life cycle. Child abuse and family dysfunction are also related to personality disorders in adulthood, but the underlying mechanisms and processes are yet to be clarified. OBJECTIVES: The main objective is to investigate the relationship between childhood adversities and personality pathology on the adult population residing in the Sao Paulo Metropolitan Area. The study will also test the hypothesis that this association is mediated by positive and negative affectivity traits. Furthermore, it will estimate the prevalence of childhood adversities, its distribution and aggregation, as well as the epidemiology of personality disorders, still largely unknown in Brazil due to the lack of studies with representative samples of our population. METHODS: Data come from Sao Paulo Megacity, a survey with a representative sample of adults residing in Greater Sao Paulo (n=2,942). Analyses used multivariate regression, multilevel analysis and structural equation modeling. RESULTS: More than half (53.6%) of the adults in Greater Sao Paulo reported any childhood adversity, and the most common were parental death, physical abuse and family violence. In general, these experiences did not occur in isolation, especially those considered more serious, such as sexual abuse. The prevalence of personality pathology was also high: 6.8% of the adults had any personality disorder. Cluster C was the most frequent condition (4.6%), followed by Clusters A (4.3%) and B (2.7%). These disorders were independently associated with functional impairment, especially in cognitive and social interaction domains. However, with the exception of Cluster C, there was no association with health services use after control for other psychiatric diagnoses. All personality disorders were related to childhood adversities, and the most frequent occurrence was detected in Cluster B (71.8%). The mostly associated events were physical abuse, parental psychopathology, parental criminality and family violence. Associations followed a dose-response gradient: the greater the number of exposures, the greater the probability of a personality disorder. These relationships were partially mediated by an increase in negative affect, but not by a decrease in positive affect. CONCLUSIONS: Childhood adversities are frequent and tend to aggregate in complex networks, indicating the existence of contexts of abuse. The exposed have an increased probability of personality pathology, a group of conditions with significant functional repercussions. These results highlight the need of investigating a history of childhood adverse events and targeting its affective consequences in patients with personality disorders. This study may also have some contribution to public health efforts. Perhaps the clarification of these chains of events allows delineating potential targets for intervention. Prevention strategies, such as parenting skills training, may be directed to at-risk families, and already exposed children and adolescents may be eligible to programs aiming emotional regulation. Future studies should evaluate if these strategies can reduce the occurrence and the burden associated with personality disorders
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-01-30
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.