• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2019.tde-20032019-161000
Documento
Autor
Nome completo
Adriana Dias Barbosa Vizzotto
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Elkis, Helio (Presidente)
Mattos, Emanuela Bezerra Torres
Scanavino, Marco de Tubino
Serafim, Antonio de Padua
Título em português
Estudo randomizado e controlado para avaliar a eficácia da terapia ocupacional na reabilitação de funções executivas em pacientes com esquizofrenia resistente ao tratamento
Palavras-chave em português
Atividades cotidianas
Eficácia
Esquizofrenia
Função executiva
Funcionalidade
Reabilitação
Terapia ocupacional
Resumo em português
A esquizofrenia é uma das 25 principais causas de incapacidade em todo o mundo. Indivíduos que desenvolvem a doença apresentam prejuízos cognitivos relevantes ao longo vida. A combinação de tratamentos farmacológico e psicossocial é eficaz na melhora das dimensões psicopatológicas da esquizofrenia, porém a maioria dos pacientes apresenta importantes déficits cognitivos, principalmente em funções executivas (FE) com impacto na funcionalidade, impossibilitando uma vida independente. O método Occupational Goal Intervention (OGI) é eficaz na melhora de FE, porém não foi testado em pacientes com esquizofrenia resistente (ER). Realizamos estudo piloto cujos resultados foram descritos na dissertação de mestrado e publicados no periódico Psychiatry Research. O presente trabalho inclui o estudo completo com follow-up de 6 meses. Objetivos: Trata-se de um ensaio clínico comparando a intervenção de Terapia Ocupacional (TO), baseada no método OGI para a reabilitação de FE, com um grupo-controle de indivíduos com ER. Método: O estudo desenvolveu-se em 3 tempos: baseline, pós-tratamento e follow-up. Cinquenta e quatro pacientes com diagnóstico de ER foram randomizados e distribuídos em dois grupos: experimental e controle (placebo). O grupo experimental recebeu 30 sessões de TO com o método OGI e o grupo controle (GC) recebeu 30 sessões de atividades artesanais de livre escolha, sem intervenção ativa do terapeuta (placebo). As medidas de desfecho primário foram avaliadas pela BADS, e as de desfecho secundário pela DAFS-BR e ILSS-BR O impacto sobre a cognição foi avaliado por uma bateria neuropsicológica padrão, que mediu as seguintes funções: atenção, fluência verbal, FE, memória e o QI estimado. As escalas PANSS e o CGI foram utilizadas para monitorar a gravidade dos sintomas psicopatológicos. A eficácia foi avaliada nos três tempos do estudo por meio da análise linear de efeitos mistos e obtido o tamanho de efeito por meio d de Cohen. Resultados: Observou-se melhora significativa com tamanhos de efeito de médios a altos na BADS total (d=0,73), com pequena redução no follow-up (d=0,69).Na DAFS-BR total os tamanhos de efeito foram médios (d=0,58) porém não se sustentou no follow-up (d=0,39). Os resultados de tamanhos de efeito na ILSS-BR total foi alto (d=1,09) e com aumento de melhora clínica no follow-up (d=1,19). Não foram observadas mudanças nas funções cognitivas avaliadas pela bateria neuropsicológica. Conclusão: o método OGI mostrou-se eficaz na melhora da maioria das FE relacionadas à capacidade de controle inibitório, planejamento, resolução de problemas e flexibilidade mental de pacientes com ER quando comparado ao placebo, melhora esta que foi mantida 6 meses de seguimento
Título em inglês
Randomized and controlled trial to evaluate the efficacy of occupational therapy in the rehabilitation of executive functions in patients with treatment-resistant schizophrenia
Palavras-chave em inglês
Activities of daily living
Efficacy
Executive function
Functionality
Occupational therapy
Rehabilitation
Schizophrenia
Resumo em inglês
Schizophrenia is one of the top 25 causes of disability worldwide. Individuals who develop the disease have relevant cognitive impairments over a long period of time. The combination of pharmacological and psychosocial treatments is effective in improving the psychopathological dimensions of schizophrenia, but the majority of patients present significant cognitive deficits, especially in executive functions (EF) with an impact on functionality, making life independent. The Occupational Goal Intervention (OGI) method is effective in improving EF but has not been tested in patients with resistant schizophrenia (RE). We conducted a pilot study whose results were described in the master's thesis and published in the journal Psychiatry Research. The present study includes the complete 6-month follow-up study. Objectives: This is a clinical trial comparing Occupational Therapy (OT), based on the OGI method for the rehabilitation of EF, with a control group of individuals with RE. Method: The study was developed in 3 stages: baseline, post-treatment, and follow-up. Fifty-four patients diagnosed with RE were randomized and divided into two groups: experimental and control (placebo). The experimental group received 30 OT sessions with the OGI method and the control group received 30 sessions of free-choice craft activities without active therapist intervention (placebo). Primary outcome measures were evaluated by the BADS and secondary endpoints by DAFS-BR and ILSS-BR. The impact on cognition was assessed by a standard neuropsychological battery, which measured the following functions: attention, verbal fluency, EF, memory, and estimated IQ. PANSS scales and CGI were used to monitor the severity of psychopathological symptoms. Efficacy was assessed in the three study times by means of the linear analysis of mixed effects and the effect size obtained by means d of Cohen. Results: A significant improvement was observed with mean to high effect sizes in the total BADS (d = 0.73), with a small reduction in follow-up (d = 0.69). In DAFS-BR total effect sizes were medium (d = 0.58) but did not sustained at the follow-up (d = 0.39). The results of effect sizes in the total ILSS-BR were high (d = 1.09) and with an increase in clinical followup at follow-up (d = 1.19). No changes were observed in the cognitive functions evaluated by the neuropsychological battery. Conclusion: the OGI method proved to be effective in improving the majority of EF related to inhibitory control capacity, planning, problem-solving, and mental flexibility of RE patients when compared to placebo, which was maintained 6 months after follow-up
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-03-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.