• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Marcos José Campello Baptista
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Andrade, Laura Helena Silveira Guerra de (Presidente)
Fraguas Junior, Renerio
Bernik, Marcio Antonini
Mendes, Rene
Título em português
Absenteísmo e presenteísmo por doença em trabalhadores da população geral da grande São Paulo
Palavras-chave em português
Absenteísmo
Doença crônica
Presenteísmo
Saúde do trabalhador
Saúde ocupacional
Transtornos mentais
Resumo em português
Doenças crônicas e transtornos psiquiátricos causam carga para a sociedade e estão associados a custos diretos e indiretos, os quais são arcados pelos governos, pessoas físicas e empresas. Do ponto de vista macroeconômico, a saúde da população é um dos determinantes da produtividade e do desenvolvimento econômico. Para atingir um crescimento sustentado, o Brasil precisa aumentar a produtividade dos trabalhadores, que entre outros fatores depende da saúde dos trabalhadores. Para os empregadores, o crescimento dos custos com assistência médica pode representar um importante custo operacional, mas não representa todo o impacto econômico relacionado com a saúde. Diversos estudos mostram que o custo total de saúde engloba também as perdas de produtividade, seja por dias de afastamento do trabalho (absenteísmo) e pela redução da produtividade do trabalhador que comparece ao trabalho, mas não desempenha plenamente suas tarefas por problemas de saúde (presenteísmo). Na literatura médica, vários trabalhos mostram a relação entre doenças físicas e transtornos mentais com a redução da produtividade por absenteísmo e presenteísmo. No Brasil, diversos estudos mostram a relação entre doenças e absenteísmo, mas poucos estudaram o presenteísmo. O objetivo deste estudo é determinar a relação entre doenças físicas e mentais com a redução da produtividade por absenteísmo e presenteísmo em uma amostra de trabalhadores da população geral, com 18 anos ou mais, residente na região metropolitana de São Paulo. Esta pesquisa é parte do subprojeto de saúde e produtividade do estudo "São Paulo Megacity - Pesquisa sobre saúde, bem estar e estresse", desenvolvido pelo Núcleo de Epidemiologia Psiquiátrica, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, entre maio de 2005 a maio de 2007. Para avaliação de transtornos mentais, foi utilizada a versão traduzida para o português do Composite International Diagnostic Interview, versão para o World Mental Health Survey, estudo multicêntrico da Organização Mundial da Saúde (WMHCIDI), fazendo diagnósticos de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais - 4ª Edição e a Classificação Internacional de Doenças - 10ª Revisão. A avaliação de doenças físicas foi realizada por um questionário padronizado desenvolvido pela Universidade de Harvard para essa finalidade e validado em diversos estudos que mostraram boa concordância com diagnósticos médicos. O absenteísmo e o presenteísmo autorreferidos foram mensurados pela versão em português do WHODAS 2.0 (World Health Organization Disability Assessment Schedule). O projeto foi desenvolvido de agosto de 2014 a abril de 2018 utilizando o banco de dados da pesquisa São Paulo Megacity, considerando uma subamostra de 1.737 entrevistados, que responderam a todos os questionários anteriormente citados e encontravam-se empregados no momento da pesquisa. A estatística descritiva mostrou os dados demográficos, a prevalência das doenças físicas crônicas e dos transtornos mentais, a distribuição das perdas de produtividade por absenteísmo, presenteísmo e total de dias perdidos e o número de dias perdidos por absenteísmo, presenteísmo e total de dias perdidos, comparando os respondentes que apresentam com e sem as patologias de interesse. Modelos de regressão logística foram utilizados para examinar a força da associação entre doenças e transtornos e absenteísmo, presenteísmo e algum dia com redução de produtividade. Os resultados mostraram que as doenças físicas e os transtornos mentais são altamente prevalentes entre os trabalhadores brasileiros. A prevalência de absenteísmo foi 12,8% e do presenteísmo foi 14,3% para redução quantitativa, 12,9% para redução quantitativa e 13,9% para esforço extremo. O número médio de dias perdidos por absenteísmo foi 1,5 dias. A média de dias com presenteísmo foi 1,4 com redução quantitativa, 1,4 com redução qualitativa e 1,7 com esforço extremo. As doenças físicas associadas a mais dias de absenteísmo foram insônia, diabetes e artrite. Cefaleia/enxaqueca, dor crônica (cervical/lombar) e distúrbios digestivos foram associados a mais dias de presenteísmo. Os transtornos mentais associados a mais dias de absenteísmo e presenteísmo foram transtornos do humor e do controle dos impulsos. Cefaleia/enxaqueca e transtornos de humor foram associados a um risco significativamente maior de absenteísmo, redução quantitativa, redução qualitativa, esforço extremo e algum dia com redução de produtividade. Transtornos de ansiedade foram associados ao absenteísmo e a algum dia com redução de produtividade. Dor crônica (cervical/lombar) foi associada a absenteísmo, redução quantitativa e redução qualitativa. Os transtornos de humor apresentaram o maior número de dias perdidos em todas as formas de redução de produtividade mensuradas e as maiores razões de chances em todas as formas de redução de produtividade mensuradas. Os achados deste estudo servem para que o impacto da saúde na produtividade do trabalhador brasileiro seja considerado por aqueles que tomam as decisões em políticas de saúde pública e de saúde corporativa. Para os gestores da saúde pública, amplia a importância do diagnóstico e do tratamento dos transtornos mentais comuns no SUS. Para os profissionais que atuam com a saúde do trabalhador no Brasil, justifica-se a ampliação da atuação da área de saúde ocupacional nas empresas, ao incluir o impacto da saúde na produtividade, somando-se à tradicional abordagem prevencionista. Para os gestores de saúde corporativa, fica demonstrado que o investimento na saúde dos trabalhadores não se trata apenas de uma questão ética, legal ou de custo com assistência médica, trata-se também de uma oportunidade de aumentar a produtividade. A observação de que, em comparação com estudos internacionais, os transtornos mentais em trabalhadores brasileiros apresentam uma maior prevalência e um maior impacto em produtividade possui implicações para todos os envolvidos com saúde do trabalhador no país. Para o Governo, há a possibilidade da elaboração de uma legislação específica sobre saúde mental e trabalho. Profissionais de saúde ocupacional devem atuar na identificação e controle dos fatores de risco relacionados com o trabalho, com promoção da saúde mental, identificação precoce e garantia de assistência adequada. Entidades representativas dos trabalhadores podem atuar na negociação de avanços no tema. Universidades devem participar com o desenvolvimento de pesquisas e formação dos profissionais da área de saúde mental e trabalho
Título em inglês
Absenteeism and presenteeism due to common physical and mental conditions in a sample of workers from the metropolitan area of São Paulo
Palavras-chave em inglês
Absenteeism
Chronic disease
Mental disorders
Occupational health
Occupational medicine
Presenteeism
Resumo em inglês
Role-functioning impairment due to medical conditions is a major source of human capital loss and has high economic relevance. From the macroeconomic point of view, population health is an important determinant of workforce productivity and economic development. To achieve sustained growth, Brazil must increase worker productivity, which among other factors depends on the health of the workforce. For employers, rising healthcare costs have a significant impact on business profitability but do they not represent all health-related costs. Several studies show that the total cost of worker health also includes productivity losses and encompasses absenteeism and presenteeism. Numerous international studies have shown the association between health conditions and reduced worker productivity. In Brazil, several studies have shown the relationship between illness and absenteeism, but few have assessed presenteeism. This study describes the association of common medical conditions with absenteeism and presenteeism in a population-based sample of workers in São Paulo Metropolitan Area. Data for this study was from the cross-sectional São Paulo Megacity Mental Health Survey. This included face-to-face interviews conducted on 1,737 employed household residents aged > 18 years old. We analyzed data for four non-psychotic mental disorders (mood, anxiety, substance use and impulse-control disorders) using the Composite International Diagnostic Interview (CIDI 3.0) and eight chronic physical conditions with a questionnaire. The presence of physical and mental conditions was determined for the 12 prior month period. The role functioning dimension of the WHO-Disability Assessment Schedule (WHODAS II) was used to assess the number of days in the past month in which respondents were fully or partially able to perform daily activities. Logistic regression analysis was performed to examine the strength of association between these medical conditions and absenteeism and presenteeism. Productivity loss associated with physical and mental conditions is highly prevalent among Brazilian workers. The prevalence of absenteeism was 12.8%. The prevalence of presenteeism was 14.3% for quantitative reduction, 12.9% for quantitative reduction and 13.9% for extreme effort. The mean absenteeism was 1.5 days. The mean work cutback days was 1.4, qualitative reduction 1.4 and extreme effort was 1.7. The physical conditions associated with greater absenteeism included insomnia, diabetes and arthritis. Headache/migraine, chronic pain (neck/back) and digestive disorders were associated with greater presenteeism. The mental disorders associated to greater absenteeism and presenteeism were mood and impulse-control disorders. Headache/migraine and mood disorders were associated with a significantly higher risk of absenteeism, quantitative reduction, qualitative reduction, extreme effort and any day with reduced productivity. Anxiety disorders were associated with absenteeism and any day with reduced productivity. Chronic pain was associated with a significantly higher risk of absenteeism, quantitative reduction, qualitative reduction and any day with reduced productivity. Mood disorder had the greatest absenteeism, and the higher odds ratio of lost productive days. The findings of this research have several implications. For public health managers, the present study reinforces the importance of diagnosis and treatment of common mental disorders in the Brazilian Public Health System. For occupational health professionals, a health and productivity population health strategy is justified in Brazil. For corporate health managers, investing in workers' health is not just an ethical, legal and healthcare issue, it is an opportunity to increase worker productivity and benefit the financial bottom line of the corporation. The finding that, in comparison to international studies, mental disorders in Brazilian workers have a higher prevalence and a greater impact on productivity has implications for all those involved with worker's health in Brazil. Occupational health professionals should develop and implement strategies to reduce work-related health risk factors, offer mental health and stress management programs, and offer evidenced based condition management programs. Union trades should negotiate enhanced workplace based mental health services. Universities should conduct research on the most effective strategies that address lost productivity associated with medical and mental health conditions
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-11-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.