• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2019.tde-03012019-120227
Documento
Autor
Nome completo
Viviane Piagentini Candal Setti
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Loch, Alexandre Andrade (Presidente)
Rocca, Cristiana Castanho de Almeida
Camps, Christiane Isabelle Couve de Murville
Fraguas Junior, Renerio
Título em português
Avaliação de uma intervenção em grupo para facilitar a revelação do próprio diagnóstico e diminuir o autoestigma de pessoas com esquizofrenia, baseada no programa internacional Coming Out Proud
Palavras-chave em português
Esquizofrenia
Estigma e esquizofrenia
Estigma social
Preconceito
Saúde mental
Resumo em português
O presente estudo piloto teve como objetivo avaliar uma intervenção junto a grupos de pacientes com esquizofrenia, baseada no programa internacional Coming Out Proud (COP), desenvolvido por Corrigan (2011), que busca facilitar a decisão de revelar ou não o próprio diagnóstico e reduzir o autoestigma. A intervenção foi conduzida no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (IPQ-HC), entre 2017 e 2018, em São Paulo-Brasil. Para avaliar os objetivos específicos, foram utilizadas as seguintes medidas: qualidade de vida, estigma como estressor, autenticidade, autoestima, discriminação percebida e dificuldades no acesso aos cuidados médicos. A amostra de 31 participantes foi selecionada nos ambulatórios do IPQ-HC, no Instituto "A Casa" e na Universidade Federal de São Paulo. A intervenção consistiu em três lições presenciais de duas horas, sendo uma sessão semanal ao longo de três semanas consecutivas. Cada lição abordou temas específicos, como: riscos e benefícios de manter segredo ou divulgar o próprio diagnóstico em diferentes situações; níveis de divulgação, entre o extremo de um retraimento social completo ao relato indiscriminado da experiência com a doença mental; maneiras úteis de contar a própria história com a doença mental, novamente em diferentes situações. Foram utilizadas oito escalas para medir os diferentes aspectos relacionados à questão do estigma e do diagnóstico psiquiátrico, e realizadas três avaliações, a saber: T0: avaliação baseline, que ocorreu três dias antes da primeira sessão de grupo; T1: avaliação pós-intervenção, três dias após a terceira sessão, ou seja, três semanas após o início da pesquisa; T2: seguimento do grupo com avaliação após três semanas depois da última sessão de grupo. Os grupos foram constituídos de seis a doze participantes, contando com duas psicólogas que atuaram como facilitadoras. Como resultado, observou-se um grande aumento nos números de pacientes decididos a revelar o próprio diagnóstico, bem como um aumento da percepção do estigma como fator estressante. A decisão de se expor pode ter sido, justamente, a consequência de não aceitar mais viver com o estresse causado pelo estigma, tendo os participantes se sentido, possivelmente, mais preparados para lidar com o preconceito. A intervenção COP se mostrou uma importante ferramenta para o combate ao estigma diante da doença mental, sendo que, no caso deste estudo, o foco em um único diagnóstico, esquizofrenia, pode ter intensificado as discussões e as elaborações acerca do tema. Estudos mais extensos serão necessários para o desenvolvimento de campanhas ajustadas a diagnósticos específicos e populações culturalmente diferentes, de modo a atender às especificidades dos pacientes, diminuindo assim o sofrimento daqueles que, além de serem afetados pela doença mental, ainda enfrentam as dolorosas consequências de serem estigmatizados
Título em inglês
Evaluation of a group intervention to facilitate the disclosure of the diagnosis itself and to reduce the self-stigma of people with schizophrenia, based on the international program Coming Out Proud
Palavras-chave em inglês
Mental health
Prejudice
Schizophrenia
Social stigma
Stigma and schizophrenia
Resumo em inglês
The present pilot study evaluated a group intervention of patients with schizophrenia, based on the international Coming Out Proud (COP) program developed by Corrigan (2011). The intervention was conducted at the Institute of Psychiatry of the Hospital das Clínicas (IPQ-HC) between 2017 and 2018 in São Paulo, Brazil. The main objective was to assess whether the intervention would help these patients decide whether or not to reveal their diagnosis and whether there would be a reduction in selfstigma. In order to evaluate the specific objectives, we measured: quality of life, stigma as a stressor, authenticity, self-esteem, perceived discrimination and difficulties in access to medical care. The sample of 31 participants was selected from the outpatient clinics of the IPQ-HC (FMUSP), in "A Casa" (The House) Institute and at the Federal University of São Paulo. The intervention consisted of three face-to-face lessons lasting two hours, namely one weekly session over three weeks. Each lesson addressed specific topics, such as: (1st) risks and benefits of keeping their diagnosis secret or disclosing it in different situations; (2nd) levels of disclosure, ranging between complete social withdrawal and full reporting of their experience with mental illness; (3rd) useful ways of telling their story with mental illness, again in different situations. Eight scales were used in the research, measuring different aspects related to the issue of stigma with the psychiatric diagnosis. Three evaluations were carried out, namely: T0: baseline assessment, performed within three days before the first group session; T1: post-intervention evaluation, performed within three days after the third session, i.e. three weeks after the beginning of the study; T2: follow-up of the assessed group three weeks after the last group session, plus or minus three days. The groups included six to twelve participants. Two psychologists acted as facilitators. As a result, we had a large increase in numbers of patients willing to reveal their diagnosis, as well as an increase in the perception of stigma as a stress factor. Deciding to be open about one's diagnosis may have been the consequence of no longer accepting to live with the stress of being stigmatized and feeling more prepared to deal with stigma and prejudice. The COP intervention proved to be an important tool for fighting the mental illness stigma, but in our study, we observed that the focus on a single diagnosis, schizophrenia, may have intensified discussions and elaborations on the subject. Larger studies will be needed, so we can develop campaigns that are better adjusted to specific diagnosis and culturally different populations, in order to address patient specificities, and thus minimize the suffering of those who, in addition to suffering from mental illness, still suffer from the painful consequences of being stigmatized
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-01-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.